Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Filmes e séries 28.10.2013 28.10.2013

Universidade Monstros e a ‘Teoria Pixar’

Por Thaís Ferreira
Em julho deste ano, o blogueiro Jon Negroni publicou em seu site uma teoria sobre toda a obra cinematográfica do estúdio Pixar, gerando polêmica entre os fãs de cinema e intrigando os curiosos de plantão. Esse conjunto de ideias ajuda a interligar todos os filmes produzidos pela empresa de animação em uma única e grande narrativa.
Segundo Negroni, todas as histórias se passam no mesmo universo, mas em períodos históricos diferentes. Assim, todos os longas são conectados, e cada desdobramento tem um impacto sobre os demais. Mas a linha do tempo não segue necessariamente a ordem de lançamento das produções: Valente, de 2012, por exemplo, seria o primeiro nessa sucessão de fatos.
A ideia central tem duas chaves de compreensão: a primeira está relacionada aos animais que ganham inteligência, que se concentram em Ratatouille, Procurando Nemo, Up – Altas Aventuras e Vida de Inseto. A outra está ligada à habilidade intelectual das máquinas e dos objetos inanimados, como em Toy Story, Carros, Os Incríveis e Wall-E.
Os internautas aderiram à hipótese e buscam evidências que ajudem a confirmar ou negar a suposição do blogueiro. Aproveitando o lançamento do DVD, Blu-ray, Bly-ray 3D e filme digital Universidade Monstros, o SaraivaConteúdo também decidiu investigar e explicar como o filme se encaixa nessa teoria, além de comentar sobre os elementos ocultos inseridos pela Pixar.
AS EVIDÊNCIAS
Na suposição, os monstros do filme são, na verdade, mutações de animais e humanos que permaneceram na Terra após a desolação mostrada em Wall-E. Eles teriam sobrevivido a 800 anos de radiação e se tornado híbridos entre as espécies.
Com o passar do tempo, se organizaram em sociedade e passaram a utilizar os sustos em crianças como fonte de energia. No entanto, o número de sobreviventes após a catástrofe é bastante reduzido, por isso eles inventaram as portas, que são na verdade máquinas do tempo.
Ainda de acordo com Negroni, a personagem Boo, do primeiro título da franquia, teria descoberto como fazer essas viagens no tempo e seria também a bruxa que aparece em Valente.
 
A esquerda da imagem o veículo do Pizza Planet

Em Universidade Monstros, parte da teoria é afirmada, principalmente na questão de as criaturas serem em parte animais. A primeira cena mostra uma pomba, aparentemente normal, mas que possui duas cabeças; outro indício é Randy, que tem as habilidades e a aparência de um camaleão.

No entanto, nenhuma parte da história colabora para a afirmação de que as portas são máquinas do tempo ou que Boo é capaz de utilizá-las.
EASTER EGGS
Para incrédulos da teoria, a investigação pode ser outra. Em todas as produções do estúdio, os animadores criam propositalmente os "Easter Eggs" (literalmente, "ovos de Páscoa"), que são elementos ocultos na cena. Eles são usados para divertir os fãs.
Três deles aparecem em Universidade Monstros: o primeiro é o número A113, que faz menção a uma sala do California Institute of the Arts por onde passou parte das mentes criativas da empresa. Na animação, a referência é mostrada exatamente na porta da classe de Mike, assim que Sulley aparece.
O outro é a famosa Luxo Ball, a bola amarela com faixa azul e estrela vermelha que se tornou um dos símbolos da Pixar. Ela também é uma constante nas animações e apareceu durante o anúncio dos jogos universitários, desenhada na parede com um urso, um pato e um barco.
O último é o carro de entregas do Pizza Planet, que teve sua primeira aparição em Toy Story e que também se tornou um desses objetos ocultos. Na recente produção, ele aparece na primeira festa da faculdade destinada aos calouros.
 
A sala A113 e a luxo ball, escondida no canto da imagem
PARA FICAR DE OLHO
Outra brincadeira que o estúdio costuma fazer é colocar referências do próximo filme em uma das cenas. Por exemplo, um peixe-palhaço de pelúcia aparece nas mãos de Boo em Monstros S.A., de 2001. Dois anos depois, foi lançado Procurando Nemo. 
Em Universidade Monstros aparecem dinossauros no chão de um dos quartos de assustar, o que pode ser uma menção à próxima produção: The Good Dinosaur. Programada inicialmente para 2014, a animação foi adiada e deve sair apenas em 2015.
Durante a D23 Expo deste ano, foi apresentada a premissa da narrativa, que mostra o que teria acontecido se os gigantes pré-históricos não fossem extintos e convivessem com os humanos. O longa vai mostrar a amizade entre esses dois seres tão diferentes.
As outras estreias anunciadas são a continuação Procurando Dory – a protagonista será a peixinha com problemas de memória de Procurando Nemo, que tentará achar sua família – e Inside Out, que mostra as emoções da pré-adolescente Riley e cuja história se passa dentro da cabeça da menina.
Vamos esperar para ver como os próximos longas se encaixam na "Teoria Pixar"? E você, acredita nessa hipótese? Ou prefere ficar procurando os elementos ocultos nas cenas?
 
Artes dos filmes The Good Dinosaur e Inside Out: projetos futuros dos estúdios Pixar
 
Recomendamos para você