Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo HQ 29.08.2012 29.08.2012

Um novo universo de super-heróis no cinema

Por Marcelo Rafael
Algo de novo acontece no reino dos super-heróis. Ou melhor, nos “universos” dos super-heróis. E isso está agradando em cheio aos fãs.
Surgidos no início do século XX, os super-heróis das editoras norte-americanas Marvel e DC Comics conquistaram o público leitor ao longo do século, mas penaram, durante muitas décadas, ao seguirem para outras mídias. Agora, no início do século XXI, editoras e estúdios de cinema parecem ter acertado a mão e levado todo o universo dos quadrinhos para as telonas de uma maneira estrondosa.
Tanto Marvel quando DC criaram, ao longo do tempo, um complexo conjunto de super-heróis e histórias paralelas conhecidas no mundo dos quadrinhos como “Universo”.
No “Universo” DC reinam Batman, Super-Homem, Mulher Maravilha, Lanterna Verde e Liga da Justiça.
Já no da Marvel estrelam Homem-Aranha, Hulk, Motoqueiro Fantasma, Quarteto Fantástico, X-Men e Os Vingadores.
Nos idos dos anos 1960, a Marvel criou suas primeiras superequipes: primeiro o Quarteto Fantástico (1961), depois os Vingadores (1963) e, em seguida, os X-Men (também em 63). As adaptações para outras mídias logo surgiram, nas décadas seguintes, com desenhos animados e filmes nem sempre bem-sucedidos.
Dessa leva antiga, a mais famosa adaptação é o primeiro Superman, de 1978, considerado primoroso pelos críticos e especialistas em quadrinhos. Já os outros que vieram em seguida, nem tanto, incluindo Superman – O Retorno, o mais recente, lançado em 2006.
Fernando Lopes, editor sênior da Marvel/Panini no Brasil, ataca: “Tirando o próprio Superman, o I e o II, todos os outros filmes são o “muito ruim” e o “sofrível”.
Manoel de Souza, editor da revista Mundo dos Super-Heróis, vai além. “Os anos 90 são terríveis. Nossa! Tem muita coisa que tinha que ser esquecida”, comenta.
Isso tudo começou a mudar no final do século XX, com o lançamento de X-Men, em 2000, no entanto. A trilogia Batman – O Cavaleiro das Trevas, de Christian Bale, também trouxe novo fôlego e encheu de ânimo críticos de cinema e fãs de quadrinhos. “Toda a essência do personagem foi mantida ali”, afirma Bruno Zago, fã de quadrinhos, cofundador do site Pipoca a Nanquim e coautor dos livros Quadrinhos no Cinema 1 e 2 (Editora Évora).
 
'Batman – O Cavaleiro das Trevas' encerrou a trilogia neste ano com enorme sucesso
 
Zago considera o cuidado que Marvel e DC passaram a ter com seus personagens a partir do fim dos anos 1990 como fundamental para essa mudança. “A Marvel não prestava muita atenção no que acontecia com seus heróis fora do âmbito dos quadrinhos. E outra: ela licenciava personagens e deixava fazer o que quisessem com eles”, afirma.
Esses licenciamentos, porém, acabaram levando, na última década, a sucessos de público como X-Men, sob os direitos da Fox, e de Homem-Aranha (2002), da Sony/Columbia Pictures. Com o lucro obtido com esses filmes e com sua fusão com a Disney, em 2009, a Marvel resolveu tomar as rédeas de seus personagens e lançou-os em filmes por seu próprio estúdio.
Assim, vieram novos sucessos: Homem de Ferro (2008), Thor (2011) e Capitão América (2012), culminando com Os Vingadores (2012), todos pelo Marvel Studios. Mas, uma vez cedidos os outros heróis para outras empresas, a Marvel perdeu a chance de incluir na superequipe personagens mais conhecidos do grande público e que já fizeram parte dos Vingadores nos quadrinhos como Homem-Aranha (Sony/Columbia), Wolverine e Coisa (ambos da Fox).
“Hoje, a gente torce para os direitos do Homem-Aranha e do Wolverine passarem para as mãos dos estúdios Marvel/Disney porque lá eles serão bem tratados”, comenta Zago. “Quem não quer ver, nem que seja uma pequena ponta, do Homem-Aranha nos Vingadores?”, anima-se.
 
EQUIPES EM AÇÃO
 
Cena de 'X-Men – Primeira Classe'; novo filme deve chegar em 2014
 
Manoel de Souza considera X-Men (2000) como um dos divisores de água no gênero super-heróis, pelo fato de ser bem-sucedido ao retratar um supergrupo, repetindo o sucesso do desenho animado de 1992, e pelo tom mais sério dado aos personagens.
Parte do sucesso dos filmes de equipe pós-X-Men se deve às possibilidades abertas pelo aprimoramento dos efeitos especiais e pela verba disponível. “O avanço dos efeitos especiais tornou possíveis, no cinema, os efeitos mirabolantes que havia nos gibis, de um modo visualmente atraente que não ficasse… tosco”, conta Fernando Lopes.
Para o crítico de cinema Christian Petermann, há três mudanças principais além dos efeitos: a montagem muito mais acelerada, hiperativa, o volume mais alto, por vezes ensurdecedor e a menor relevância no drama e maior ênfase no humor pop.
Souza e Lopes acrescentam a isso o bom manejo dos roteiros, que impediu a infantilização das equipes e conseguiu apresentar bem muitos personagens em um só filme. “Se você pega, por exemplo, Transformers, em alguns momentos, tem umas cenas que misturam diversos personagens e fica difícil acompanhar quem está fazendo o quê. Os Vingadores resolveram isso muito melhor.”
Se X-Men trouxe novidades visuais, Os Vingadores inovaram ao transpor para o cinema algo que aconteceu no tal “universo” dos quadrinhos na década de 1960: histórias independentes que se entrelaçavam no final. “A ideia era a seguinte: a Marvel começou a criar um esquema em que um personagem aparecia na revista do outro e os leitores gostavam disso. O Stan Lee (autor de vários personagens), naquela ânsia de criar mais revistas, criou uma que juntava os heróis da editora”, conta Souza sobre a criação da equipe, em 1963.
Essa estratégia foi transportada para o cinema: ao final de cada filme, um gancho para o que viria a acontecer depois foi inserido nos filmes de Homem de Ferro, Thor e Capitão América. “Isso gerou uma expectativa no público ao longo dos anos”, afirma Bruno Zago. Expectativa que culminou com a união dos heróis, sob as ordens da organização S.H.I.E.L.D. no filme lançado este ano.
Os Vingadores trouxeram ao grande público personagens nem tão famosos por outros meios como desenhos animados, videogames ou seriados televisivos. Thor, Homem de Ferro, Hulk e Capitão América, que agora brilham no cinema, tinham pouco destaque nos gibis publicados no Brasil.
Todos foram fundadores da equipe, lá nos anos 60, mas somente o Capitão América, estrelava revista própria até alguns anos atrás. Os outros três tinham suas histórias publicadas nos gibis de outros heróis aqui no Brasil. “Tem muito leitor de quadrinho que não conhece a história do Homem de Ferro. Se você perguntar qual história do Homem de Ferro ele leu, o cara não sabe citar uma. Se você perguntar do Batman e do Super-Homem, ele vai citar um monte”, conta Zago.
 
A revista própria da equipe, Os Vingadores, surgiu no Brasil apenas em 2004, seguida em Avante, Vingadores!,  em 2007. E o sucesso nos cinemas acaba transferindo público de uma mídia para outra.
“O Wolverine é um dos meus personagens mais queridos por conta do desenho dos X-Men que passava na televisão. Uma vez eu vi o Wolverine na capa de uma revista e comecei a ler por causa disso”, conta Zago.
Petermann considera que essa criação de uma nova parcela de fãs que sai do cinema e vai para as bancas ocorra, mas em proporções menores do que as imaginadas. “Acredito que esse número (de expectadores que se tornam leitores) seja muito, mas muito menor do que os que já entram nas salas de cinema letrados pelos quadrinhos”, afirma.
Mesmo assim, entende que o gênero de super-heróis atinge a todos os públicos. “Todos gostam de assistir a uma boa aventura, com um protagonista carismático e justiceiro, ainda mais porque geralmente estas produções vêm revestidas de altos valores de produção, com elenco de estrelas, boa direção de arte e efeitos especiais de última geração. Para quem não se importa de assistir a um bom filme-pipoca, essa combinação é infalível”, considera Petermann.
HERÓIS NEM TÃO SUPER
 
'The Supergirl', e 'Liga da Justiça' em suas primeiras versões
Não é de hoje que super-heróis se lançam no cinema. A precariedade e a falta de verba geraram filmes hoje considerados “trash cults”, como é o caso do Hulk da série de TV dos anos 70. O Retorno do Incrível Hulk, de 1988, foi uma iniciativa do próprio ator, Bill Bixby, de reavivar o personagem.
O corpo pintado e a peruca espetada são a marca registrada deste Hulk antigo. Transpor o sobre-humano pode ser difícil, mas até mesmo o uniforme corre o risco de ficar feio na tela. Em dois “Capitão América”, telefilmes de 1979, o herói trajava um uniforme igual ao dos quadrinhos. “Eles não conseguiram nem fazer um capacete decente, era um capacete de plástico que você conseguia ver que se dobrava”, conta.
O mesmo ocorreu com a Liga da Justiça, que já teve heróis de carne e osso antes mesmo dos Vingadores. Também em 1979, a rede de TV norte-americana NBC lançou um telefilme em duas partes com vários super-heróis, intitulado Legends of The Superheroes. Além de Lanterna Verde, Flash e a Legião do Mal, a produção contava com o barrigudo Batman e com o baixinho Robin, os mesmos Adam West e Burt, de capa e sunga brilhantes, do seriado. Em 1997, nova tentativa foi feita com Lanterna Verde, Ajax e Capitão Átomo no elenco.
Essas e outras curiosidades podem se encontradas no guia Quadrinhos no Cinema, de Bruno Zago, Alexandre Callari e Daniel Lopes. Em agosto, durante a 22ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, saiu o segundo livro, abordando os filmes mais recentes do gênero.
Algumas super-heroínas também derraparam em seus superpoderes e nos uniformes no cinema. Supergirl, no embalo dos filmes com Christopher Reeves, ganhou seu filme em 1984. Já a Mulher-Gato (mais para vilã do que para heroína), em 2004, ganhou dois prêmios Framboesa de Ouro, de “Pior Filme” e “Pior Atriz”, para Halle Berry.
SIGAM-ME OS BONS: O QUE VEM POR AÍ
 
À esquerda Cartaz de 'Superman – O Homem de Aço', que será lançado em 2013; com Henry Cavill. À direita, imagem do filme 'Thor' 
 
Apesar de ser mais antiga do que os Vingadores, a Liga da Justiça agora corre atrás de ter sua própria adaptação cinematográfica de boa qualidade. Assim como os X-Men atraíram muitos fãs com o desenho animado da década de 1990, a Liga é mais conhecida hoje em dia pelo desenho animado Superamigos, da década de 1970, que não era fiel aos quadrinhos, segundo Fernando Lopes. “São os mesmos personagens com um enfoque infantil. Não tem muito a ver até com a personalidade deles (nos gibis)”, conta.
Já para o filme, se confirmada a produção pela Warner (as negociações seguem em sigilo), ele se mostra animado. “Se efetivamente for pra frente o filme da Liga da Justiça, me parece que ele vai ter um tom um pouco mais sério, pesado”, especula, tendo como base o tratamento dado aos últimos filmes do Batman e o que já viu do novo filme do Superman.
Superman – O Homem de Aço, com Henry Cavill no papel principal, tem estreia prevista para o ano que vem e deve reiniciar a história do herói, ignorando os últimos cinco filmes já feitos sobre o kryptoniano.
E ainda devem surgir as sequências de Thor, The Dark World, com direção de Alan Taylor, e de Homem de Ferro 3, que apresentará uma nova armadura para Tony Stark. Ambos devem chegar às salas de cinema em 2013.
Capitão América – The Winter Soldier, deve vir em 2014, e, na sequência, Os Vingadores 2, previsto para 2015. Caso esses filmes sejam confirmados, os fãs terão a chance de ver uma briga boa por bilheterias daqui a três anos com Liga da Justiça e Vingadores salvando a Terra ao mesmo tempo, em grande estilo, na telona.
 
OS VINGADORES
 
'Os Vingadores'
 
Desde o dia 29 de agosto, Os Vingadores está disponível em DVD, Blu-ray e digital na Saraiva. Os super-heróis reunidos nesta aventura são: Homem de Ferro, O Incrível Hulk, Thor, Capitão América, Gavião Arqueiro e Viúva Negra. O filme é baseado na série de revistas em quadrinhos da Marvel "The Avengers”, que existe desde 1963. Robert Downey Jr., Chris Evans, Mark Ruffalo, Chris Hemsworth, Scarlett Johansson, Jeremy Renner, Tom Hiddleston e Samuel L. Jackson estão no elenco.
 
 
Exclusivo Saraiva: estátuas dos heróis da Marvel recepcionarão os fãs dos personagens em lojas da rede em Campinas, São Caetano, São Paulo e Rio de Janeiro a partir de 29/08. A ação é uma parceria especial com a Disney e a Panini.
 
Homem de Ferro: Saraiva do Shopping RioSul (de 29/08 a 12/09/2012)
Saraiva do Shopping Ibirapuera (de 03/09 a 17/09/2012)
Thor: Saraiva do Shopping Center Iguatemi Campinas (de 31/08 a 14/09/2012)
Capitão América: Saraiva do Shopping Center Norte (de 04/09 a 18/09/2012)
Hulk: Saraiva do Park Shopping São Caetano (de 05/09 a 19/09/2012)
 
 
Encontro de fãs Os Vingadores na Saraiva
Saraiva Center Norte, São Paulo – SP
Sábado, 15 de Setembro de 2012
16h
Confirme sua presença na página do evento no Facebook do SaraivaConteúdo
 
Recomendamos para você