Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Games 31.08.2012 31.08.2012

Tiros, missões e diversão entre amigos: GoldenEye 007 completa 15 anos

Por Míriam de Souza
 
Se compararmos a quantidade de jogos do gênero first-person shooter (tiro em primeira pessoa) do Nintendo 64, não chegaremos nem perto do grande volume de games do tipo presentes na geração atual de consoles. Mesmo assim, foi para o aparelho da Nintendo que saiu um dos mais célebres FPS da década de 1990: GoldenEye 007, que recentemente completou 15 anos do lançamento americano.
 
O jogador entra na pele de James Bond, criado pelo escritor Ian Fleming em 1953. A história é baseada no filme GoldenEye, de 1995, o primeiro que traz o ator Pierce Brosnan como o agente secreto britânico. Também é o primeiro que não é baseado em nenhum livro de Fleming. O nome vem de um satélite que, no enredo, seria utilizado para atacar Londres e causar uma crise financeira.
 
No jogo, James Bond segue uma trajetória relativamente parecida com a do filme. Em cada fase, é possível circular pelo cenário sem a obrigatoriedade de seguir uma trilha predeterminada (característica de muitos shooters atuais). Enquanto vaga pelos níveis, o agente pode seguir missões como salvar reféns ou localizar itens.
 
Importante mesmo é a mistura de elementos de stealth. Por mais que Bond seja um bom atirador, ele não é imortal. Não é vantajoso atrair diversos inimigos armados para o combate. Então, o agente deve se mover silenciosamente, desligando alarmes e câmeras de segurança para que possa chamar menos atenção de guardas.
 
O que tornou o jogo popular entre os gamers da década de 1990 foi o modo multiplayer, que permitia que até quatro jogadores competissem entre si. Havia cinco tipos de batalhas, das quais saía vencedor o “Bond” que se escondesse e atirasse de maneira mais eficaz.
 
Originalmente, o game seria lançado para SNES, o console anterior da Nintendo, já que a intenção era criar um jogo de plataforma – a empresa desenvolvedora era a britânica Rare, que queria reproduzir a fórmula de sucesso da série Donkey Kong Country, em duas dimensões. No entanto, os executivos decidiram arriscar e criar um jogo de tiro em 3D. Uma inspiração para GoldenEye 007 foi Virtua Cop (conhecido também como Virtua Squad), da Sega – o jogo que introduziu os polígonos em três dimensões no estilo FPS.
 
O LEGADO
 
GoldenEye 007 foi o terceiro jogo mais vendido para Nintendo 64 – atrás apenas de Super Mario 64 e Super Mario Kart. Com o sucesso do FPS, era de se esperar que a Rare elaborasse mais projetos do tipo. No entanto, a empresa recusou a oferta de adaptar o filme “O Amanhã Nunca Morre” para os joysticks. A justificativa do diretor Martin Hollis, de acordo com o site RetroGamer, foi que a equipe já tinha passado tempo demais no universo do agente secreto.
 
Mesmo assim, a Rare reaproveitou o sistema de GoldenEye 007 para criar Perfect Dark, lançado em 2000 para o Nintendo 64. Embora o gameplay seja parecido, a história não faz menções ao mundo criado por Ian Fleming. A personagem principal, Joanna Dark, deve desvendar um complô de uma grande corporação no ano de 2023. Com diversos elementos de ficção científica, o FPS envolve planos de sequestrar o presidente dos Estados Unidos e até um extraterrestre chamado Elvis.
 
Os fãs de um dos jogos de tiro mais aclamados na história dos videogames ficaram órfãos na ausência de uma continuação para a aventura de James Bond desenvolvida pela Rare. Em 2010, a Activision lançou um jogo com o mesmo título – GoldenEye 007 – para Wii e Nintendo DS. No ano seguinte, foram colocadas à venda versões para Xbox 360 e PlayStation 3.
 
Imagens da versão do jogo para o Wii
Por mais que o título seja igual ao do jogo de 1997, o novo GoldenEye 007 não é um remake, mas um game “reimaginado” a partir da história do filme. Algumas fases lembram a versão de Nintendo 64, mas as semelhanças param por aí. A diferença mais básica está na aparência de James Bond, moldado a partir do rosto de Daniel Craig, que representa o agente no cinema hoje em dia. O modo multiplayer também está diferente: é possível jogar online com até 16 pessoas.
 
A CASA QUE DEU ORIGEM AO NOME
 
Durante a Segunda Guerra Mundial, Ian Fleming foi a um encontro de agentes de inteligência americanos e britânicos na Jamaica. O escritor se apaixonou pelo local e decidiu morar no país. Em 1945, quando a guerra acabou, Fleming construiu uma casa na cidade de Oracabessa, no norte da ilha, e a batizou de Goldeneye.
 
Foi na residência em frente à praia que Fleming criou James Bond, em 1953. O autor dava duas explicações para o nome de seu lar. Na Segunda Guerra, ele foi o responsável pela Operação Goldeneye, cujo objetivo era proteger o estreito de Gibraltar, na entrada do Mar Mediterrâneo, de invasões do Eixo. Outro motivo é o livro Reflexos num Olho Dourado (em inglês, Reflections in a Golden Eye), escrito pela americana Carson McCullers em 1941. Hoje, na região em que a casa foi construída, fica um resort jamaicano com o mesmo nome da propriedade de Fleming.
 
 
Recomendamos para você