Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Filmes e séries 08.02.2013 08.02.2013

Sucesso no terror, zumbis invadem outros gêneros

Por Edu Fernandes
 
Nos últimos anos, filmes com zumbis têm sido produzidos em larga escala. Todo ano há alguns títulos com esses monstrengos nas listas das estreias mais aguardadas. A fama dos mortos-vivos é tanta que suas garras começam a roçar outros gêneros cinematográficos.
O romance Meu Namorado É um Zumbi é o mais novo exemplo dessa invasão. O longa entra em cartaz no Brasil em 8 de fevereiro e conta a história de amor entre o zumbi conhecido como R (Nicholas Hoult, de X-Men: Primeira Classe) e a jovem Julie (Teresa Palmer, de Eu Sou o Número Quatro).
É claro que a adaptação cinematográfica do romance Sangue Quente, de Isaac Marion, não pega carona apenas no apelo dos zumbis, mas principalmente na franquia Crepúsculo. O tema do amor proibido entre a mocinha e um monstro é o cerne do filme, embora o lançamento tenha uma dose maior de bom humor.
Os zumbis são os monstros do momento, mas uma grande parte dos longas estrelados por eles foi produzida em meados do século XX. Na época, os trash movies viviam sua era de ouro, e é nesse tempo que se passa a história de Fido – O Mascote (2006).
Segundo o enredo da comédia, nos anos 1950 os zumbis foram domesticados com o uso de uma coleira. Agora eles são usados como servos, e apenas as famílias mais abastadas são capazes de custear um desses artigos de luxo.
A comédia é o gênero mais comumente invadido pelos mortos-vivos. Um dos exemplos de maior sucesso desse tipo de intervenção é Zumbilândia (2009). Entre outros motivos, o título conquistou os fãs dessas criaturas porque o protagonista (Jesse Eisenberg, de 30 Minutos ou Menos) é um conhecedor de filmes de zumbi.
 
Cena do filme Zumbilândia
Por isso, ele sabe como se portar nessa situação e não comete os irritantes deslizes que vitimam muitos personagens de produções de terror. Os exemplos mais claros são as regras de eliminar os zumbis com dois tiros, por garantia, e de sempre verificar o banco traseiro de um carro antes de embarcar no veículo.
Outra elogiada comédia com esses monstros vem da Inglaterra. Todo Mundo quase Morto (2004) mostra como um ataque de mortos-vivos pode ter um efeito colateral positivo. O protagonista (Simon Pegg, de Missão: Impossível – Protocolo Fantasma) é motivado a colocar sua vida no lugar em função da situação catastrófica. Seus objetivos são fazer as pazes com a mãe e reconquistar sua ex-namorada.
 
Cena de Todo Mundo Quase Morto
Uma das melhores cenas do filme acontece durante uma batalha contra um zumbi ao som de “Don’t Stop Me Now”, sucesso da banda Queen. Os golpes são sincronizados com a canção, que foi executada acidentalmente por um jukebox.
Os zumbis não são apenas motivo de riso, eles podem funcionar em filmes de ação. Em 2002, quando Resident Evil chegou aos cinemas, o longa tinha muitos elementos de terror. A adaptação cinematográfica dos games já gerou cinco títulos. Atualmente, a franquia está muito mais para o gênero de ação do que para os sustos do terror.
 
Cena do filme Resident Evil 5: Retribuição
Em Resident Evil 5: Retribuição (2012), o mais recente título da série, o principal atrativo é a reunião de personagens que apareceram nos demais capítulos da franquia. No entanto, a aposta de sucesso foram cenas de ação em cenários variados, com belas atrizes em figurinos justos.
Para o futuro, poderemos ver mais cenas de ação com batalhas entre humanos e zumbis em Guerra Mundial Z. A produção acompanha um pai de família e funcionário da ONU (Brad Pitt, de O Homem que Mudou o Jogo) que é recrutado para combater os mortos-vivos ao redor do mundo.
 
Cena do filme Guerra Mundial Z
A adaptação do romance de Max Brooks promete ir além das sequências de ação, com uma carga dramática acima da média para esse tipo de história. Prova disso é a contratação de Marc Forster (O Caçador de Pipas) para dirigir a produção. O filme deve chegar aos cinemas brasileiros em 28 de junho.
Veja o trailer de Meu Namorado é um Zumbi:
 

 
 
 
Recomendamos para você