Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Filmes e séries 08.01.2010 08.01.2010

Sherlock no Século XXI

Por Vinicius Valente

O conceito de elementar varia de acordo com cada pessoa. Algoconsiderado elementar por uns, pode não ter a mesma sorte com outros. Tudo dependeda forma com que cada ser enxerga o item em questão e o ambiente ao seu redor. Noato de solucionar um mistério, a habilidade de perceber a simplicidade das pistas coloca o seu dono sempre a um passo à frente para a resolução final. Um dom queé privilégio de poucos e que alcança a perfeição quando é utilizado pelomorador do apartamento 221B, da Baker Street, em Londres. Em sua mente,sim, tudo será sempre elementar.

O detetive Sherlock Holmes, criado por Sir Arthur Conan Doyle, ficou famoso ao redor do globopor seu temperamento forte e o aguçado poder de dedução. As aventuras dodetetive mais famoso do mundo acabam de ganhar mais uma versão cinematográfica,que estréia no Brasil nesta sexta-feira, 8 de janeiro. Desta vez, quemdá vida ao personagem é o “homem de ferro” Robert Downey Jr., seguido de pertopor Jude Law, que interpreta o fiel companheiro John Watson.

Na trama, Holmes tenta solucionar o mistério de umasociedade de magia negra, responsável por diversos assassinatos e rituais quefazem as vítimas enforcadas acreditarem que foram ressuscitadas. A sociedade écomandada por Lord Blackwood (Mark Strong), que põe em risco a sociedadeinglesa, dominando pessoas influentes como juízes e políticos. Para defender aInglaterra da magia negra, a dupla conta com a ajuda de Irene Adler (RachelAdams), uma antiga paixão do detetive.

O diretor inglês Guy Ritchie baseou-se no roteiro de uma históriaem quadrinhos de Lionel Wigram. Para a caracterização do personagem, Ritchieoptou por deixar de lado alguns itens marcantes de Holmes, como o chapéu decaçador, o cachimbo e a famosíssima frase “elementar, meu caro Watson”. Nolonga, a personalidade intelectual do detetive é misturada com um grande vigorfísico, resultando em um personagem fã de luta livre e esportes. As diferençasentre o bagunçado Holmes e o organizado médico Watson são fundamentais para aresolução do caso.

O escocês Sir Arhur ConanDoyle criou seu personagem  em 1887. O detetive surgiu pela primeira vez na publicação Um estudo em vermelho. Ao todo, o autorescreveu 56 contos e quatro romances com o personagem. Conan Doyle criou seupersonagem baseando-se em seu professor, o cirurgião de Edimburgo Joseph Bell.De acordo com o autor – que cursou medicina –, após observar qualquer pessoaestranha, Bell era capaz de deduzir, com facilidade, peculiaridades e hábitosdo observado. Holmes teria sido influenciado também pelo tipo físico doprofessor, descrito como uma pessoa magra, vigorosa, de voz esganiçada, ombrosretos, olhos cinzentos, nariz aquilino e jeito sacudido de andar.

Esta não é a primeira vez que o personagem de Doyle sai das páginas dos livros. O ator William Gillete interpretou o detetive no teatro cerca de 1.500vezes, entre o final do século XIX e início do século XX. Foi durante estasapresentações que surgiu a frase “elementar, meu caro Watson”. No cinema, BasilRathbone esteve na pele de Holmes em quase 15 filmes. A última apariçãocinematográfica do personagem foi em 1985, em O enigma da pirâmide.

As pistas podem até ser, porém Sherlock Holmes de elementarnão tem nada.

> Veja o site oficial do filme

> Confira Sherlock Holmes na Saraiva.com.br

> Confira Arthur Conan Doyle na Saraiva.com.br




Share |

Recomendamos para você