Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Livros 13.10.2009 13.10.2009

Saramago, novamente às voltas com Deus

Por Bruno Dorigatti
Foto de divulgação

“Tenho uma mentalidade cristã. Os valores dele[do cristianismo] estão em mim empapados.

Eu só penso em Deus para criticá-lo, para tentarmostrar o absurdo duma crença que não resolve os nossos problemas, que prometepara não se sabe quando.  Ou felicidade eterna, ou castigo eterno: este éoutro absurdo. Que crime podemos nós cometer, ou faltas, para que sejamoscastigados por toda eternidade no inferno? Isso é absurdo! Nenhum deusinventaria isso, é preciso uma cabeça humana para inventar todas essas coisas.” (José Saramago, em entrevista ao jornal português Público)

Ateu convicto, o escritor português volta a tratar dos desígnios de Deus em seu novo romance, intitulado Caim (Companhia das Letras, 2009). Olivro tem lançamento mundial esta semana, em português, espanhol e catalão,dentro da programação da Feira da Frankfurt, o mais importante evento domercado editorial. 

Se, em O Evangelho segundoJesus Cristo (Companhia das Letras, 1991), Saramago abordou o NovoTestamento, agora em Caim o foco sevolta para os primeiros livros do texto sagrado, que focam desde o Éden até odilúvio. Aqui, Saramago recria os principais protagonistas da história tãoconhecida no mundo ocidental e redime o protagonista do assassinato de seuirmão, Abel, acusando Deus como autor intelectual do crime. No breve romance, “umdeus às turras com a própria administração colocará Caim, primogênito de Adão eEva, num altivo jegue, e caberá à dupla encontrar o rumo entre as armadilhas dotempo que insistem em atraí-los”.  

Segundo Pilar Del Río, mulher etradutora de Saramago, neste livro “o autor não recua diante de nada nem procurasubterfúgios no momento de abordar o que, durante milênios, em todas asculturas e civilizações foi considerado intocável e não nomeável: a divindade eo conjunto de normas e preceitos que os homens estabelecem em torno a essafigura para exigir a si mesmos – ou talvez seria melhor dizer para exigir aoutros – uma fé inquebrantável e absoluta, em que tudo se justifica, desdenegar-se a si mesmo até à extenuação, ou morrer oferecido em sacrifício, oumatar em nome de Deus”. 

“Não tenho nenhuma explicação para dar. Nasprimeiras linhas, percebi que o tom era esse: tratar de um tema sério,principalmente este de Caim, em umtom divertido que fizesse, algumas vezes, rir o leitor”, conta Saramago ementrevista recente à agência de notícias Efe. 

O primeiro autor – e até então, o único – de línguaportuguesa a receber o Prêmio Nobel de Literatura, vem produzindo em ritmoacelerado, depois de passar por complicações que chegaram a interná-lo.Saramago lançou no ano passado A viagemdo elefante (Companhia das Letras, 2008), sobre aimprovável, mas verdadeira viagem de um elefante chamado Salomão, que no séculoXVI cruzou metade da Europa, de Lisboa a Viena, por extravagâncias de um rei eum arquiduque. Em julho deste ano, publicou Ocaderno[Leia um trecho do livro], reuniu de alguns de seus escritos publicados com constância em seublog, O caderno de Saramago,que o escritor havia encerrado em agosto, mas recentemente voltou a publicarpequenos comentários. O livro não deixa de ser uma continuação de seu diáriopublicado aqui em 1997 e 1999, Cadernosde Lanzarote(Companhia das Letras), que leva o nome da ilha no arquipélagodas Ilhas Canárias, local que Saramago escolheu para viver depois que o governoportuguês vetou seu romance O Evangelho segundoJesus Cristo para o Prêmio Europeu de Literatura.

Caim é o19º romance do escritor, autor de clássicos da literatura em língua portuguesa,como Memorial do convento(Bertrand Brasil, 1998), A jangada de pedra (Companhia dasLetras, 1988), História do cerco deLisboa(1989), Ensaio sobre acegueira(1995) – este, adaptado aos cinemas por Fernando Meirelles – e A caverna (2000). Além disso, Saramagopublicou também livros de poemas, contos, crônicas e peças teatrais. 

O jornal espanhol ElPaís publicou o trecho inicial de Caim. 

O escritor também é o foco do documentário UniãoIbérica (título provisório),realizado por Miguel Gonçalves Mendes, que retrata sua relação com a mulher, PilarDel Rio. Por três anos e meio, a equipe acompanhou o casal por diversos países,Portugal, México, Brasil, Espanha e Finlândia, em palestras, debateslançamentos e homenagens e produziu um retrato enternecedor do homem e do escritorem diferentes momentos da sua vida. 

Confira abaixo o vídeo dedivulgação de Caim e dois trailers de União Ibérica. 

>  Confira o site do escritor português

> José Saramago na Saraiva.com.br 


Share |

Recomendamos para você