Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Filmes e séries 20.05.2010 20.05.2010

Quincas berro d’água, uma ode à vida

Por Vinicius Valente
Fotos de Tomás Rangel  

> Assista à entrevista exclusiva de Sérgio Machado e Flávio Bauraqui ao SaraivaConteúdo

O morto mais animado de todosos tempos chega às telas de cinema nesta sexta-feira, 21/05, trazendo consigomuito mais do que as engraçadíssimas trapalhadas da sua boêmia trupe de fiéisseguidores. Por mais que seja uma comédia escancarada, a história de Quincas Berro D’água, novo filme de SérgioMachado, é muito intensa e emocionante, não só por abordar a morte, um dosmomentos mais fortes da vida de qualquer pessoa, mas também pelos sentimentosde amor e amizade que afloram em seus entes queridos ao depararem-se comtamanha perda. O filme apresenta os ensinamentos e reflexões geradas pela mortede um bêbado, que foi capaz de descobrir a felicidade mesmo no final de sua vida ecompartilhá-la com todos ao redor, mostrando que o sentimento pode pairar emqualquer lugar, acessível para todos. Em tempos em que o estresse passou areger o dia-a-dia da sociedade, acelerando e superficializando o contato com omundo ao redor, a história de Quincas aparece para desafogar e desacelerar estecotidiano ao sugerir uma vivência intensa do presente e a busca constante pelafelicidade. Quem confirma é o próprio protagonista, do alto de sua sabedoria, emum de seus falatórios pós-vida: “Só tem que chorar a morte quem morreu sem tervivido”.

“É uma frase queacaba resumindo o espírito do filme inteiro. A vida é dura. Aqueles personagens ali do Quincas então, são duros,muito pobres. Os caras são da parte mais baixa da cadeia alimentar humana, uns miseráveis. O que nos resta é seguir vivendo, viver intensamente e gozara vida da melhor maneira possível. Isso está totalmente na raiz doQuincas e, curiosamente, também nas coisas que eu quero dizer nos meus filmes”,afirma o diretor Sérgio Machado.

“É um ensinamento incrível para mim. Eu acho que você ficamuito reclamão depois de um certo tempo, de saco cheio de tudo. A gente não temque reclamar, não. Tem que curtir demais”, completa o ator Flávio Bauraqui, queinterpreta o personagem Pastinha.

Na trama – adaptada da obra A morte e a morte de Quincas Berro D’água, de Jorge Amado –,Pastinha faz parte do grupo de amigos boêmios do morto, completada por Curió(Frank Menezes), Cabo Martim (Irandhir Santos) e Pé de Vento (Luis Miranda).

“O Pastinha tem uma coisa muito bacana, que eu acho quetodos têm na verdade, que é essa fidelidade, amizade, carinho pelo Quincas eentre eles. Para todos, ele é o pai. A pessoa que eles conseguem se espelhar.Talvez um dia ser o Quincas também. E esse amor acaba unindo essa massa”, afirmaBauraqui.

Antes de receber o apelido que o tornou conhecido por toda zonado baixo meretrício, em Salvador, Berro D’água – que para viver e morrer recebeo corpo emprestado de Paulo José – era Joaquim Soares da Cunha, um funcionáriopúblico, pai e marido exemplar.

Aos 50 anos, sem aviso prévio, ele deixa o emprego e afamília e se muda para um pobre cortelho, passando a freqüentar as gafieiras ebotequins da capital baiana e tornando-se o Quincas Berro D’água, líder dosvagabundos. Na véspera de seu aniversário, tomando cachaça pelo gargalo dagarrafa, morre, só, em sua cama. Após o amanhecer do dia, o corpo é encontradoe passa a ser reclamado pela família, regida pelos bons costumes de uma classesocial mais alta. Porém, no velório, a filha (Mariana Ximenes), o genro (VladmirBrichta) e o resto dos familiares se deparam com os quatro bêbados amigos deBerro D’água, inconformados com a morte de seu comandante. Com o objetivo decomemorar o aniversário do amigo, os quatro tomam o corpo e o carregam para umaúltima farra pelas ladeiras e gafieiras de Salvador, procurados pela família epela polícia. O elenco conta ainda com Marieta Severo, Othon Bastos, Milton Gonçalves e Walderez de Barros.

“Quincas, o livro, é alto astral. É uma ode à vida, à amizade. São pessoas que vivem através da amizade,do carinho que eles têm uns pelos outros. É uma história linda e comovente. Eufico achando que foi uma grande sorte ela ter sobrado para mim, porque é um dosmaiores livros, talvez, da literatura brasileira. É como as histórias doChaplin. Você transita ali entre o drama e a comédia o tempo inteiro, mas aidéia mesmo é fazer rir e pensar através do riso”, afirma o diretor.

Sérgio Machado leutoda a obra de Jorge Amado durante a produção de Cidade baixa (2005), seu primeiro longa. O cineasta, que tem nacarreira ainda o documentário Onde aterra acaba (2002), a produção de Centraldo Brasil (1998), O primeiro dia (1999)eAbril despedaçado (2001), todos deWalter Salles, e o roteiro de Madame Satã (2002), gargalhava em uma piscina, sob o olhar de estranhamento dos outros freqüentadores,enquanto lia as confusões inusitadas de Quincas e seu amigos. Durante viagensde lançamento e festivais de cinema, começou a trabalhar no roteiro adaptado daobra do escritor baiano.

“Eu tenho maisfacilidade de escrever comédia do que drama. Saiu de maneira bem natural. Euacredito que a melhor maneira de você fazer uma adaptação, seja lá qual for, évocê não estar muito preocupado em ser fiel demais ao autor. O livro já ébacana do jeito que ele é, já é gostoso de ler. Se eu não acrescentar nada,se não tiver nada a dizer sobre aquela história, para que eu vou filmá-la?Estou muito feliz com o resultado. Contente. É o filme que eu queria fazer”,afirma o diretor.

“Eu gosto muito do universo da Bahia, essa coisa bembrasileira, personagens marginais, esse jeito brasileiro de ser. E Jorge Amadocaminha muito por esse lugar. Esses amigos festejam a vida. E quando eles levamo Quincas para a festa, para a noite, trocam a roupa dele, o transformam noQuincas que eles conheciam, estão querendo esticar um pouquinho mais oprazo da vida dele, mesmo ele estando tecnicamente morto. Não é muito difícilquerer fazer esse filme”, declara Bauraqui.

Embora a vida seja corrida, vale seguir o exemplo de Berro D’água,relaxar e reservar um tempo para conferir a história nas telonas.

> Confira o site oficial do filme

> Jorge Amado na Saraiva.com.br

> Assista à entrevista exclusiva de Sérgio Machado e Flávio Bauraqui ao Saraiva Conteúdo


> Assista ao trailer de Quincas Berro D’água

Recomendamos para você