Ramiro Fajuri por Ramiro Fajuri HQ / Livros 10.11.2020 10.11.2020

Quem é Neil Gaiman e porque ele revolucionou os quadrinhos, TV e os livros de fantasia

Se você gosta de quadrinhos, séries de TV com enredos e personagens fantásticos e romances instigantes, com temáticas fantásticas, mas ao mesmo tempo adultas, e não leu nada de Neil Gaiman, você provavelmente esteve fora do Planeta Terra nos últimos 30 anos.

Parece exagero? Conversa de Fanboy? Pode ser. Mas nesse tempo todo praticamente nenhum autor esteve tão presente na cultura pop quanto o britânico Gaiman, escrevendo histórias marcantes e criando, ou reinterpretando personagens de uma maneira que é impossível não se apaixonar por eles.

Quem é Neil Gaiman

Neil Richard Gaiman nasceu na cidade de Portsmouth, no sul da Inglaterra em 10 de Novembro de 1960, tendo sido um bom aluno na escola. Pode parecer que o desempenho acadêmico não combina com um escritor tão rebelde que já chegou a fazer parte de uma banda punk, mas Neil Gaiman sempre amou ler. Aprendeu aos 4 anos de idade e ele mesmo conta que, quando assista às aulas, já tinha lido antes o conteúdo das matérias.

Principais obras e personagens de Neil Gaiman

 Sandman,

Talvez a maior criação de Neil Gaiman, Sandman é um dos Sete Perpétuos, representações em forma humana de aspectos da existência que tornariam o universo coeso:  Destino, Morte, Sonho, Destruição, Desejo, Desespero e Delírio.

Sonho, ou Morpheus, é o perpétuo que governa os sonhos. Sua história começa quando ele se descobre preso em uma garrafa por décadas, por obra de um culto que desejava aprisionar sua irmã, Morte, e assim obter a imortalidade, mas que aprisionou Sonho por engano.

Sonho escapa de sua prisão, e seu primeiro arco de histórias conta como ele precisa recuperar os artefatos mágicos que lhe dão poder.

É justamente quando Sonho precisa descer às profundezas do inferno para recuperar seu elmo, que está com um demônio chamado Choronzon que temos um exemplo da genialidade de Neil Gaiman em escrever diálogos, pois Lúcifer exige que ele duele com Choronzon para recuperar seu elmo. Se perder a batalha verbal de Inteligência, ficará preso no inferno

choronzon – Sou um lobo horrendo, um predador letal a espreita de sua presa

Morpheus Sou um caçador a cavalo, ataco o lobo com uma lança

Choronzon: Sou uma mosca que pica o cavalo e derruba o caçador

Morpheus Sou uma aranha de oito patas devorando a mosca

Choronzon: Sou uma cobra venenosa devorando a aranha

Morpheus: Sou um búfalo de patas pesadas esmagando a cobra

Choronzon:  Sou o antraz, a bactéria carniceira, devorando a vida

Morpheus:  Sou um mundo flutuando no espaço, nutrindo a vida

Choronzon:  Sou uma nova explodindo, cremando planetas

Morpheus:  Sou o Universo, abrangendo todas as coisas, abraçando toda a vida

Choronzon:  Sou a antivida, a besta do julgamento, sou a escuridão no fim de tudo, o fim de universos, deuses, mundos, de tudo… E agora, Lorde dos Sonhos, o que você é?

 

Morpheus: Sou a Esperança.

 

A esperança não pode ser morta ou destruída, e Morpheus vence o duelo. Mas Lúcifer não se dá por vencido e pergunta porque deveria cumprir sua palavra e deixar Sonho partir. A resposta de Morpheus é:

Diga-me, Lúcifer Estrela da Manhã… Indague-se… Na verdade, indaguem-se todos vocês… que poder o Inferno teria se aqueles aqui confinados não fossem capazes de sonhar com o Paraíso?

Lúcifer

A maneira que o anjo caído foi representado nas histórias de Sandman gerou um spin off que deu à cultura pop um de seus personagens mais interessantes: O diabo se cansou do inferno e resolveu se aposentar do trabalho de atormentar as almas dos pecadores e batalhar, e sempre perder, contra o Paraíso. E largou tudo, e foi abrir um bar em Los Angeles. Mas obviamente, a aposentadoria de um personagem assim pode ser tudo, menos tranquila.

Cheio de reflexões existenciais, os quadrinhos criados por Gaiman deram origem à aclamada série de TV da NetFlix.

Morte

Quando o primeiro ser vivo surgiu, eu estava lá, esperando. Quando o último ser vivo morrer, meu trabalho estará finalizado.  

É assim que a irmã mais velha de Morpheus, o Sandman, se define. Mas não espere encontrar a imagem de um esqueleto com capuz e uma foice. A Morte criada por Neil Gaiman tem a aparência de uma sexy roqueira gótica oitentista. Mas não pense que ela é triste. Morte é alto-astral, porque sabe o valor da vida.

Além desses 3 personagens, vale a pena ler também Deuses Americanos, Orquídea Negra, Os Filhos de Anansi,1602 e a visão de Gaiman sobre Mitologia Nórdica.

Vá sem medo. Neil Gaiman nunca decepciona.

Longa vida a Neil Gaiman!

Recomendamos para você