Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Livros 02.09.2013 02.09.2013

Qual é o tipo de leitor que visita a Bienal do Livro do Rio?

Por André Bernardo
 
Para a empresária Maria Lúcia Murza, 52 anos, um dia só é pouco, muito pouco, para visitar a Bienal Internacional do Livro. Por isso mesmo, até o dia 8 de setembro, ela planeja voltar outras vezes ao maior evento literário do Brasil. Na quinta, dia 29 de agosto, ela foi à abertura da feira, acompanhada do filho, Carlos Eduardo, e de um amigo dele, Arthur Velloso, ambos com 11 anos. Colecionadores de mangás, os garotos estiveram na exposição devidamente paramentados com as vestimentas de seus personagens favoritos, Naruto e Itachi. “Só em mangá, já gastei uns R$ 600. Eles queriam vir logo porque acaba tudo muito rápido. Se demorar, você não encontra mais alguns títulos”, explica a empresária.
 
Maria Lúcia realmente voltou à Bienal no fim de semana. No sábado, ela pegou o autógrafo do escritor norte-americano Nicholas Sparks, autor de Uma Carta de Amor, Querido John e Noites de Tormenta. No domingo, os garotos assistiram ao bate-papo do grupo Porta dos Fundos no Auditório Rachel de Queiroz. “Eles fazem um tipo de humor que a gente não vê mais na TV”, elogia a empresária. Ela, Carlos e Arthur são apenas três dos 54 mil leitores que visitaram a feira no primeiro dos 11 dias do evento. A expectativa dos organizadores é grande: repetir o sucesso de 2011, quando a Bienal recebeu 670 mil visitantes e vendeu 2,8 milhões de livros.
 
Um dos 27 autores internacionais presentes na feira, o norte-americano Nicholas Sparks passou seis horas distribuindo autógrafos
No meio de tantas atrações – só de autores, são 240; 27 deles internacionais –, a estudante Bárbara Faria, 15 anos, fez questão de fazer uma lista dos livros que queria comprar. “Se eu deixar, ela compra a Bienal toda”, avisa a mãe, Gilsara Faria, 44 anos, num misto de orgulho e preocupação. Dos 18 títulos cobiçados pela garota, três são do escritor norte-americano Stephen King: Carrie, a Estranha, Sombras da Noite e Dança Macabra. “Ainda não li nenhum livro dele. Mas sou louca por filmes de terror”, justifica a estudante. Quem também se programou para tirar o maior proveito possível de sua visita foi o biólogo marinho João Hazil, 23 anos.
 
AO TODO, 950 EXPOSITORES ESTÃO PRESENTES NO EVENTO
 
Com um mapa da feira nas mãos – ao todo, a Bienal ocupa uma área de 55 mil m² do Riocentro, o maior centro de convenções da América Latina –, Hazil seguiu direto para o estande da Comix Book Shop, no Pavilhão Verde, um dos 950 expositores da 16ª edição do evento. Cerca de uma hora depois, ele saiu de lá com 26 gibis do Batman, Super-Homem e outros heróis da DC Comics. “Gosto de visitar a Bienal no primeiro dia porque é bem mais tranquilo”, explica o biólogo, que se viu obrigado a faltar ao trabalho só para comprar seus quadrinhos favoritos. “Se bobear, nos finais de semana, rola até fila para entrar em alguns estandes”, acrescenta, precavido.
 
Leitora visita um dos 950 estandes da 16ª edição da Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro
Em 2011, segundo dados do SNEL, a média de livros comprados por cada visitante da feira foi de 5,5. Se depender do psicólogo Júlio Rocha, 38 anos, essa média deve aumentar em 2013. E muito. Só ele comprou 38 livros, a maioria de psicologia e sociologia. “É mais barato comprar na Bienal. Algumas editoras oferecem ótimos descontos para universitários”, constata Júlio, que levou uma mala de alça retrátil para percorrer com mais conforto os três pavilhões do evento. Mas aumentar o acervo de livros não foi o único objetivo do psicólogo. Em breve, ele pretende passar de leitor a escritor. “Até penso em lançar alguns títulos, mas ainda estou conhecendo o mercado”, disse Júlio, que acabou de concluir o doutorado.
 

Não são poucos os que alimentam o sonho de, um dia, voltar à Bienal como autores consagrados. É o caso do engenheiro agrônomo Ewerton Pereira, 57 anos. Mineiro de Belo Horizonte, começou na literatura em 2010, quando lançou Crônicas da Vida Passageira. “Paguei do meu bolso uma tiragem de mil exemplares e não me arrependo. Hoje, só restam cerca de 150”, calcula. Este ano, publicou seu segundo livro, Noturnos, de contos. Fã de Arthur Clarke, Isaac Asimov e Ray Bradbury, aventurou-se a escrever sobre alienígenas e espaçonaves. Só no primeiro dia, vendeu 20. O terceiro livro, “um thriller policial inspirado em James Ellroy”, já está a caminho. “Se der, pretendo lançá-lo em 2015, na Bienal”, ambiciona.

 
XVI Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro
Local: Riocentro – Avenida Salvador Allende, 6.555, Rio de Janeiro, RJ
Datas e horários: entre 29 de agosto e 8 de setembro de 2013, durante dias da semana das 9h às 22h, e sábados, domingos e feriados das 10h às 22h
Valor do ingresso: R$ 14,00 (inteira) e R$ 7,00 (meia-entrada)

 

 
Recomendamos para você