Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Filmes e séries 15.05.2014 15.05.2014

Praia do Futuro: Cinema brasileiro com ares gringos

Por Edu Fernandes
 
Viagem e abandono são temas recorrentes na obra do cineasta Karim Ainouz (O Abismo Prateado). Praia do Futuro (Califórnia), seu mais recente trabalho, extrapola essas questões por ser uma coprodução entre Brasil e Alemanha. O filme entra em cartaz a partir do dia 15 de maio.
A história acompanha o salva-vidas Donato (Wagner Moura, de Serra Pelada), que conhece o alemão Konrad (Clemens Schick, de 007: Cassino Royale) depois que ele se envolve em um afogamento na Praia do Futuro, no Ceará. Os dois começam um relacionamento amoroso e vão juntos a Berlim, onde Donato decide morar.
Muitos anos depois, seu irmão mais novo vai à Europa para descobrir as razões do abandono. Ayrton (Jesuita Barbosa, de Tatuagem) não sabe como lidar com a falta do irmão que lhe servia como figura paterna.
O longa competiu no Festival de Berlim 2014. Participar de eventos internacionais não é novidade para Karim, pois todos seus longas foram exibidos em festivais fora do Brasil.
 
Karim Ainouz (esq.) é fotografado com elenco de Praia do Futuro em pré-estreia no Rio de Janeiro
“É importante estar no mundo, porque as diferenças produzem tolerância”, disse o diretor em coletiva de imprensa. “Ser exposto à cinematografia de outros lugares é muito interessante e parte do que a gente faz: cinema é reproduzível e fácil de levar para longe.”
“Em Praia do Futuro, a questão internacional vai além dos festivais, porque é uma coprodução rodada nos dois países com uma equipe mista”, reflete a produtora Geórgia Costa Araújo (Onde Está a Felicidade?). “Por isso chega mais próximo do interesse de audiências do mundo todo.” O título já foi vendido para distribuição comercial em outros territórios.
No entanto, essa é a primeira vez que Karim viaja para outro país para comandar o set. “Filmar em diferentes países é um exercício de muita negociação e tradução”, explica o cineasta. “Tem coisas que são muito reconhecíveis em todos os sets, e outras bem distintas.”
 
Wagner Moura se preparou com bombeiros de verdade para seu papel
Atualmente, o número de coproduções está aumentando no cinema brasileiro. Isso ocorre em parte por conta de acordos de colaboração firmados pela Ancine com instituições similares em outros países.
Paralelamente, a participação de filmes brasileiros em festivais também está crescendo. Em Berlim mesmo havia outras produções nacionais, como Hoje Eu Quero Voltar Sozinho (Vitrine), que saiu da Alemanha com o prêmio da crítica e de cinema de diversidade sexual.
“Nós ficamos um tempo construindo o mercado interno antes de voltarmos a ser vistos por festivais estrangeiros”, disse Karim. “Essas curvas na História fazem sentido.”
VEM AÍ: COPRODUÇÕES
 
Cena do filme A Estrada 47
A Estrada 47 (Europa) – Soldados brasileiros na Segunda Guerra Mundial sofrem as pressões psicológicas do conflito. A coprodução com Portugal e Itália deve chegar aos cinemas em 29 de maio.
Amazônia (Imovision) – Macaco de estimação cai na floresta e precisa se adaptar ao meio selvagem. O filme franco-brasileiro entra em cartaz em 26 de junho.
Não Pare na Pista (Sony) – A cinebiografia do escritor Paulo Coelho (Manuscrito Encontrado Em Accra) foi feita em colaboração com a Espanha e tem seu lançamento agendado para 14 de agosto.
Veja o trailer de Praia do Futuro:
 

 
 
Recomendamos para você