Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Livros 19.09.2009 19.09.2009

PIPA PROMOVE 1ª FESTA LITERÁRIA: FLIPA

A I Festa Literária de Pipa (Flipa) contará com uma estrutura climatizada, com capacidade para 300 pessoas sentadas, montada especialmente para o encontro, que prioriza a discussão sobre a literatura no Brasil: formas de linguagens, temáticas, narrativas, criação e teorias literárias. 
Na programação, já está confirmada a presença do escritor Ronaldo Correia de Brito, atual vencedor com o romance “”Galiléia”” de um dos prêmios de literatura mais importantes do Brasil, o Prêmio São Paulo de Literatura. Além de Correia de Britto, estão confirmadas as presenças do cantor e compositor Lobão e dos escritores Daniel Piza, Raimundo Carrero, Marina Colasanti, Danuza Leão, Heloisa Buarque de Holanda, Lílian Rodrigues, Márcia Monteiro de Carvalho, entre outros. 
A Literatura Potiguar terá representantes de peso como Ney Leandro de Castro, Sanderson Negreiros, Moacyr Cirne, Geraldo Queiroz, Humberto Hermenegildo, Patrício Júnior, Woden Madruga, Dorian Gray Caldas, Tácito Costa, Isaac Ribeiro, Carlos de Souza, Marize Castro, Diva Cunha, Josimey Costa, Gilmara Benevides e Luiz Assunpção.
A Livraria Oficial da Flipa traz, ainda, tenda de debates, espaço de autógrafos e a presença do Sebo Vermelho e do sebista Abimael Silva, além de vários lançamentos de livros, shows musicais e exposições. 
Na Pipinha Literária, destaque para a oficina “A Preparação do Escritor”, com o renomado escritor Raimundo Carrero, e da oficina sobre “Cordel” com poeta mossoroense Antônio Francisco.
PROGRAMAÇÃO DA FLIPA
QUINTA, 24 DE SETEMBRO DE 2009
09h às 10h — Tenda
Pipinha Literária: “Entre livros”
Conversas com autores locais, lançamento de livros e rodas de leitura abordando textos literários para formação de leitores. Participação de dois importantes escritores de livros infantis: a professora Salizete Freire Soares, que escreveu “Bicho Pra Que Te Quero”, “Mundo Pra Que Te Quero” e “Vida Pra Que Te Quero”; e o jornalista  Juliano Freire, autor de “Pereyra o menino bom de bola” e “Doninha e o marimbondo”.
10h às 11h — Tenda
Pipinha Literária: “Poesia”
A professora de Letras e Arte-educadora Maria Magna Costa Fernandes falará sobre poesia e as múltiplas possibilidades da leitura através do texto poético.
14h às 15h30 — Tenda
Pipinha Literária : “Praticando a Leitura e a Escrita”
Oficina de leitura e escrita que aborda, com criatividade e simplicidade, textos literários marcados pela imaginação e fantasia, sob a coordenação do professor Rômulo Augusto Soares Gurgel, graduado em Letras – UERN e especialista em Educação de Jovens e Adultos – UFRN
16h30 — Sede da ong Educapipa
Oficina de Criação literária de Raimundo Carrero 

(1º dia)
Para o escritor pernambucano Raimundo Carrero, a intuição tem grande importância na qualidade de um livro e não há regras para a criação. Mas existem técnicas que ajudam, e muito, na produção literária. São essas técnicas presentes na obra “A Preparação do escritor”, resultado das oficinas literárias concorridíssimas que o escritor vem realizando por todo o Brasil. Aqui, a oficina é voltada a estudantes e consiste em exercícios intensivos e leituras. Autor de quinze livros de ficção e com vários prêmios na estante, o romancista e jornalista, tem como obras de destaque Somos Pedras que se Consomem (1995), com a qual ganhou os prêmios Machado de Assis e APCA; As Sombrias Ruínas da Alma (1999), Prêmio Jabuti; e ainda Ao Redor do Escorpião…Uma Tarântula?.
17h30 – Tenda literária
Mesa 1: “Clementino Câmara: Do nascimento em Pipa à Censura do Estado Novo”
Foi “cascavilhando” estantes que o escritor e professor Geraldo Queiroz encontrou a tal geringonça. Em vez de coisa malfeita, nela continha a riqueza intelectual e as idéias de um mestre à frente do seu tempo. “A Geringonça do Nordeste – A Fala Proibida do Povo” é, portanto, o ponto de partida para se resgatar e discutir a obra de Clementino Câmara, nascido na região de Pipa, escritor, professor autodidata em Natal e autor de uma obra que mostra a importância da fala do povo na construção da nossa história contemporânea — obra esta censurada durante o regime do Estado Novo. Acompanhando a trajetória de Clementino e fazendo a mediação  estará o professor Humberto Hermenegildo, professor universitário e pesquisador no Núcleo Câmara Cascudo de Estudos Norte-Rio-Grandenses.
18h00 — Tenda literária
Abertura oficial do I Festival Literário da Pipa-Flipa, pela Governadora Wilma de Faria
19h00 — Tenda literária
Mesa 2: “Literatura e Viagens”
Para quem nasceu na Etiópia, morou na Itália e cresceu no Brasil, falar de viagens e livros é como falar de si mesmo. Exímia contadora de histórias, a escritora Marina Colasanti falará de si mesma ao partir nesta viagem literária tendo como mediadora a jornalista potiguar Josimey Costa, diretora da Tv Universitária/Cultura e professora de Cinema do curso de Comunicação Social da UFRN. Na rica bagagem desta ilustre senhora de 72 anos estão 33 livros publicados, entre contos, romances, poesia, prosa, literatura infantil e infanto-juvenil e um encantamento único de quem escreveu obras premiadas como “Eu Sei mas não devia”, “Rota de Colisão”, “E por falar em Amor”, “Contos de Amor Rasgados” e “23 Histórias de um viajante”.
20h30 — Tenda literária
Mesa 3: “Jornalismo, Literatura, Memórias”
Ela fez nesta vida o que muita gente precisaria de muitas encarnações para realizar: aos 15 anos já era habitué da casa de Di Cavalcanti e aos 18 foi a primeira modelo brasileira contratada por uma maison francesa. Amiga de Vinicius de Moraes, irmã de Nara Leão, viu a bossa nova nascer em sua sala. Com três filhos pequenos, trocou um casamento sólido com um político famoso, Samuel Weiner, para viver um grande amor com Antônio Maria, um jornalista boêmio e pobre. Foi jurada, promoter, jornalista e lançou obra sobre etiqueta social (Na sala com Danuza) que virou sucesso editorial. Uma das maiores personalidades do mundo jornalístico, artístico e cultural do Brasil, Danuza Leão, que recentemente publicou suas memórias no livro “Quase Tudo” (Companhia das Letras), conversará sobre a intensa e emocionante história de vida, alinhavando-a a importantes personagens e acontecimentos que gravitaram em torno dela; do society à vida política, do mundo artístico ao jornalismo, tendo como mediador o experiente jornalista e cronista potiguar Woden Madruga, colunista do jornal Tribuna do Norte e ex-presidente da Fundação José Augusto.
SEXTA, 25 DE SETEMBRO DE 2009
09h às 10h — Tenda/praça
Pipinha literária: “Entre Artes e Brincadeiras: as artes cênicas”
Atividades desenvolvidas para crianças e adolescentes envolvendo teatro, dança popular e mímica, sob a coordenação da educadora Maria do Carmo Dantas, graduada em Artes Cênicas pela UFRN, atriz e contadora de histórias.
10h às 11h — tenda
Pipinha literária: “Artes visuais”
Pintura, desenho e dobradura serão técnicas artísticas vivenciadas em oficinas com os arte-educadores Luiz Élson Dantas, graduado em Educação Artística pela UFRN com Especialização em Teoria da Arte – UFPE, desenhista e escritor; e Maria Geruza Soares Câmara, formada com Licenciatura Plena em Geografia e Ensino de Arte – UFRN.
10h às 11h — Tenda/praça
Pipinha literária: “Música, brinquedos cantados”
Série de atividades lúdicas com objetivo de levar as crianças a vivenciarem o universo das cantigas e dos brinquedos musicais. Com oficinas de roda, emboladores de coco e Repentistas. Participam Maria Magna Costa Fernandes dos Santos, Silvana Amália Carvalho Araújo, professora de  Educação Física com Especialização em Verbo Tonal (D-a) e Deficiência Auditivo-Mental e Arte Educadora; Ricardo França da Silva – Buihú, Tecnólogo em Lazer, brincante, Assessor Técnico da Fundação José Augusto e Antonio Soares, Arte-educador com Especialização em Jovens Portadores de Deficiências
14h às 15h30 — Tenda/praça
Pipinha literária: Música
Oficinas de Brincadeira de rua e brinquedos cantados. Mais oficinas de roda, emboladores de coco e repentistas, sob a coordenação de Maria Magna Costa Fernandes dos Santos, Silvana Amália Carvalho Araújo e Antonio Soares.
16h30 — Sede da ONG Educapipa
Oficina de Criação literária de Raimundo Carrero 

(2º dia)
Para o escritor pernambucano Raimundo Carrero, a intuição tem grande importância na qualidade de um livro e não há regras para a criação. Mas existem técnicas que ajudam, e muito, na produção literária. São essas técnicas presentes na obra “A Preparação do escritor”, resultado das oficinas literárias concorridíssimas que o escritor vem realizando Brasil a fora.  Aqui, a oficina é voltada a estudantes e consiste em exercícios intensivos e leituras.
17h30 — Tenda literária
Mesa 4: Hélio Galvão: A cultura praieira
Poucos intelectuais se credenciaram tanto à gratidão de sua terra e ao mesmo tempo dos estudiosos da História como o pesquisador, escritor e advogado Hélio Mamede de Freitas Galvão. No mundo confuso dos arquivos e cartórios, e no árduo universo da pesquisa histórica, Hélio Galvão percorreu quilômetros; da Fortaleza da Barra do Rio Grande à Tibau do Sul. Ao traçar a radiografia a trajetória humana e toda riqueza cultural produzida por ele, o  jornalista contista, cronista, escritor e intelectual potiguar Sanderson Negreiros refaz essa trajetória tendo como debatedora a poeta e professora Diva Cunha, um dos nomes mais embasados da intelectualidade feminina potiguar, autora das obras poéticas ‘Canto de página’, ‘Palavra estampada’, ‘Coração de lata’ e o mais novo ‘Resina’; tendo ainda como mediadora a pesquisadora Gilmara Benevides, biógrafa de Hélio Galvão e autora do livro “Hélio Galvão – O Saber Como Herança” (edição Letras Potiguares/Funcarte).
19h00 — Tenda literária
Mesa 5: Literatura da Periferia
Jovem, bela e de esquerda. Assim ela foi retratada pelo escritor e jornalista Zuenir Ventura no famoso livro “1968 – o ano que não terminou”. Mito e ícone da intelectualidade carioca daquele ano revolucionário, Heloisa Buarque de Hollanda  é hoje professora titular de Teoria Crítica da Cultura da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, e conhece como poucos estudiosos os ideais desencadeados em 1968 e herdados pelas novas gerações: a cultura como instrumento de transformação social é um deles. Nesta jornada pela cultura produzida pelas periferias, a autora terá como debatedor o escritor pernambucano Raimundo Carrero, autor de quinze livros de ficção e vários prêmios na estante, e ainda como mediador o jornalista e escritor Carlos de Souza, autor de Crônica da Banalidade”, “Cachorro Magro” e “É tudo fogo de palha”.
20h — Tenda Literária
Exibição do documentário “Um Paraíso Perdido” 
O documentário, exibido antes da mesa literária sobre o tema “Euclides da Cunha”, é dirigido pelo escritor e jornalista Daniel Piza com fotografia de Tiago Queiroz. O curta reconstitui a viagem à Amazônia realizada em 1905 pelo escritor Euclides da Cunha. (duração: 24 min)
20h30 — Tenda literária
Mesa 6: “A Amazônia de Euclides”
No ano do centenário de morte de Euclides da Cunha, o escritor e jornalista do jornal O Estado de São Paulo Daniel Piza mergulha neste universo pouco percebido e debatido na obra euclideana — a sua relação com a natureza e a ciência. O autor não só fez uma meticulosa pesquisa sobre caminho percorrido por Euclides da Cunha na Amazônia no começo de século XX, como também refez ele mesmo os passos do autor de Os Sertões, o que resultou no documentário “Um Paraíso Perdido” (24min), curta que será exibido na ocasião.  Tendo como mediador o jornalista e crítico literário Tácito Costa, Piza abordará também outros temas da vida e obra de Euclides da Cunha.
SÁBADO, 26 DE SETEMBRO DE 2009
09h às 10h — Tenda
Pipinha Literária: “Entre Coisas e Palavras”
Três experientes educadoras se unem para compartilhar com o público infanto-juvenil a leitura de obras de intelectuais que estudaram a nossa terra e região — Clementino Câmara, Hélio Galvão e Antônio Marinho. O objetivo é proporcionar uma maior apreciação e valorização da arte local, regional e nacional. Participam da oficina Maria Magna Costa Fernandes dos Santos; Silvana Amália Carvalho Araújo; Erileide Maria Oliveira Rocha.
10h às 11h — Tenda
Pipinha Literária: “Teatro de Bonecos”
Herdeiro legítimo do universo mágico do Teatro de Bonecos, o artista e bonequeiro Josivan de Chico Daniel — filho do mais ilustre bonequeiro do RN, mestre Chico Daniel — é o convidado desta oficina que vai mostrar técnica de manipular e dar vida ao “João Redondo”.
14h às 15h30 — Tenda
Pipinha Literária : “Cordel”. 
Apreciação e valorização da arte local, regional e nacional através da literatura de cordel, tendo como condutor o historiador e escritor Antonio Francisco Teixeira de Melo, um dos nomes mais importantes da literatura de cordel no Rio Grande do Norte. Além de historiador e poeta, é compositor e xilógrafo  — Antônio Francisco é um dos poucos que ainda confecciona placas.
14h às 15h30 — Tenda
Pipinha Literária : “Repente”
Conduzido pelo poeta e educador Gilmar Leite, a oficina vai proporcionar às crianças e adolescentes uma apreciação da  musicalidade e beleza poética da arte dos repentistas.
16h00 — Sede da ONG Educapipa
Oficina de Criação literária de Raimundo Carrero 
(3º dia)
Para o escritor pernambucano Raimundo Carrero, a intuição tem grande importância na qualidade de um livro e não há regras para a criação. Mas existem técnicas que ajudam, e muito, na produção literária. São essas técnicas presentes na obra “A Preparação do escritor”, resultado das oficinas literárias concorridíssimas que o escritor vem realizando Brasil a fora.  Aqui, a oficina é voltada a estudantes e consiste em exercícios intensivos e leituras.
16h00 — Tenda literária
Mesa 7:  “O romanceiro potiguar: vida e poesia”.
Como proposta de reflexão  sobre aspectos relacionados ao romanceiro Potiguar, a professora de Literatura e Doutora em Letras pela UFPB, Lílian Rodrigues, mergulha neste gênero literário para situar as principais referências, estudos realizados, ao mesmo tempo enfatizar que este tipo de produção não está separado da existência social e cotidiana de seus produtores, ou seja, poesia e vida se entrelaçam. Como mediador desta palestra, o antropólogo Luiz Assunção, professor do Departamento de Antropologia da UFRN.
17h30 — Tenda literária
Mesa 8: “Homero Homem de Siqueira – o filho do Rio Catu”
O escritor e poeta potiguar nascido em Canguaretama Homero Homem de Siqueira é considerado o autor ficcional mais lido no RN. Suas obras tiveram várias edições. Só “Menino de Asas” foi editado 22 vezes (Ed Record, ed Ática, entre outras) , além  de ser o único autor com obra traduzida em outra língua — o clássico “Cabra das Rocas” (“Gente delle Rocas” – tradução italiana de 1977). Sua poesia também é de grande relevância entre as correntes poéticas. Homero Homem pode ser definido como neo-romântico, pós-Geração 45. Para falar sobre sua obra, nada melhor do que outro grande romancista, o escritor Nei Leandro de Castro, autor de obras importantes como ‘O Dia das Moscas’, ‘As Dunas Vermelhas’ e ‘As Pelejas de Ojuara’, esta premiada pela União Brasileira dos Escritores e que virou filme. Para debater o tema estará o artista plástico, professor, ensaísta e poeta Dorian Gray, tendo ainda como mediadora a poetisa e jornalista Marize Castro, nome consagrado da poesia potiguar, reconhecida pela refinada obra que publicou — ‘Marrons crepons marfins’, ‘Rito’, e ‘Poço. Festim. Mosaico’.
19h — Tenda literária
Mesa 9: “Lobão tem razão?”
“…Mais vale um Lobão/Do que um leão/Meto um sincerão/E nada se dá/O rock acertou/Quando você tocou/Com sua banda/E tamborim/Na escola de samba/E falou mal/Do seu amor….” A polêmica canção de Caetano Veloso “Lobão tem razão” mostra a necessidade  de se rebelar, de fazer renascer o seu “sentimento de ser de esquerda”, como ele mesmo escreveu no blog recentemente; ou ainda como declarou há alguns anos: “Toda vez que Lobão falou mal de mim, eu gostei”. Agora, será o próprio Lobão — João Luíz Woerdenbag Filho – em carne, osso, idéias e polêmicas, a conversar sobre este e outros temas tendo como debatedor o escritor, poeta e publicitário Patrício Júnior, do coletivo Jovens Escribas, com sete livros publicados entre eles “Lítio; e mediação do jornalista, cantor e músico Isaac Ribeiro.
20h30 — Tenda literária
Mesa 10: “Galiléia e o exílio do sertão”
A partir de uma reportagem lida em um jornal emprestado da esposa, há oito anos, o romancista cearense radicado em Recife Ronaldo Correia de Brito pariu um dos mais importantes romances da atualidade. Em Galiléia, Prêmio São Paulo de Literatura como o romance do ano, ele faz um mergulho entre dois mundos distintos: o arcaico do sertão e o globalizado, através da história de uma família cujo patriarca, Raimundo Caetano, já moribundo, vai morrer e reúne os membros de seu clã sertanejo — os filhos e netos que migraram e os que ficaram na fazenda Galiléia, interior do Ceará. Cada membro da família construiu, ao longo do tempo, seu repertório de aflições e a visita à fazenda provoca o cruzamento terrível de todas essas angústias. Galiléia é portanto, o fio que conduz esta conversa tendo como debatedor o jornalista potiguar Osair Vasconcelos, e como mediador o poeta, professor e crítico literário Moacir Cirne.
Espaço Literário da Siciliano – Lançamentos e autógrafos
Autores das mesas: Todos os autores participantes das mesas literárias autografarão seus livros no Espaço Siciliano
Outros Autores locais:
Sexta, 25
19h – “Hélio Galvão, O Saber como Herança”, de Gilmara Benevides Costa
20h – “O Aprendiz da Liberdade” Autora: Marlene Dantas Santana
Sábado, 26
19h – “Guia das Belezas do Rio Grande do Norte”, de Márcia Monteiro de Carvalho / Erich Ettensperger
20h – “Tarô Sagrado dos Deuses Hindus”, de Sri Madana Mohana
Recomendamos para você