Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Filmes e séries 30.11.-0001 30.11.-0001

Oscar: muita história para contar

Por Júlia Bezerra*
 
Em 86 edições, o Oscar contabiliza muitas histórias saborosas. São anedotas, gafes, tombos, números impressionantes, discursos emocionados, lágrimas e muita diversão. Alguns fatos interessantes merecem ser relembrados, por isso, o Almanaque foi atrás das mais diversas curiosidades sobre o prêmio.
 
Um exemplo é que o Oscar prefere as morenas. Ao longo da história da premiação, 54 mulheres de cabelos castanhos ou pretos foram premiadas na categoria de Melhor Atriz. Do restante, 17 eram loiras, quatro grisalhas e três ruivas. Entre os filmes ganhadores, alguns gêneros tiveram pouca representatividade, por exemplo, o único filme com conteúdo erótico a vencer na categoria Melhor Filme foi Perdidos na Noite, de 1969 e apenas três filmes mudos levaram o Oscar de Melhor Filme: Asas (1927), Aurora (1928) e O Artista (2012).
 
No quesito apresentação, os números também impressionam. Bob Hope foi mestre de cerimônias 17 vezes. Foi quem mais desempenhou essa função na história da premiação. A mais longa cerimônia do Oscar foi a de 2006, apresentada por Whoopie Goldberg, que durou 4 horas e 30 minutos.
 
As estatísticas de gafes e tombos também não deixam a desejar. Jennifer Lawrence, que ganhou o prêmio de Melhor Atriz em 2013 (O Lado Bom da Vida), tropeçou e caiu na escada antes de chegar ao palco. Mas se houvesse um prêmio do mais épico tombo da história do Oscar, ele iria para o casal Shelley Winters e Vittorio Gassman. Em 1952, Shelley estava na lista de indicadas para o prêmio de Melhor Atriz, por Um Lugar ao Sol. Antes da vencedora ser anunciada, ela se apressou em levantar. O marido, apreensivo com uma possível derrota, a puxou de volta. Bastou isso para que os dois se espatifassem no chão. Para piorar, Shelley Winters perdeu o prêmio para Vivien Leigh (Uma Rua Chamada Pecado).
 
Confira a seguir muito mais da história da premiação:
 
 
Titanic (1998) e A Malvada (1951) são os dois filmes que mais receberam indicações ao Oscar.

Cada um concorreu em 14 categorias. Três obras dividem o posto de grande vencedor da história do Oscar: Ben Hur (1960), Titanic (1998) e O Senhor dos Anéis – O Retorno do Rei (2004) levaram 11 troféus em uma única noite.

A grande vencedora de Oscars entre as atrizes é Katharine Hepburn, que levou 4 troféus de Melhor Atriz durante a carreira. Jack Nicholson e Walter Brennan disputam o posto de ator com o maior número de troféus. Nicholson ganhou 2 prêmios de Melhor Ator e um de Melhor Ator Coadjuvante. Já Brennan ficou com 3 Oscars de Melhor Ator Coadjuvante.
 
Titanic concorreu em 14 categorias
Jack Nicholson é o ator com o maior número de nomeações. Ele já foi indicado 8 vezes para o prêmio de Melhor Ator e 4 vezes ao de Melhor Ator Coadjuvante. Entre as atrizes, Meryl Streep lidera o ranking com 17 nomeações – 14 delas para o prêmio de Melhor Atriz e 3 para o de Melhor Atriz Coadjuvante.
 
Emanuelle Riva, que interpretou a protagonista da produção francesa Amor (2013), foi, aos 85 anos, a mais velha da história a ser indicada na categoria Melhor Atriz. A única mais velha do que ela que concorreu a um dos prêmios do Oscar foi Gloria Stuart, aos 87 anos, por seu papel coadjuvante em Titanic (1998).
 
A pessoa mais jovem a receber o prêmio foi Tatum O’Neal. Aos 10 anos e 148 dias, ela ganhou o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante, pela atuação em Lua de Papel (1974). Quenzhane Wallis tornou-se, em 2013, a mais jovem a ser indicada ao prêmio de Melhor Atriz. A menina de 9 anos concorreu por sua atuação em Indomável Sonhadora.
 
Quenzhane Wallis em cena do filme Indomável Sonhadora
 
Momento de Decisão (1977) e A Cor Púrpura (1985) conseguiram o feito de não levar para casa nenhum dos 11 Oscars a que foram indicados. Já Cabaret (1972) foi o filme que mais levou prêmios sem ser agraciado com o Oscar de Melhor Filme. Foram, ao todo, 8 troféus.
O engenheiro de som Mark Berger detém o recorde de maior número de nomeações que resultaram em vitórias. Ele levou todos os 4 prêmios de Melhor Som aos quais concorreu. O designer de som Kevin O’Connell já foi indicado ao Oscar 20 vezes. Ele nunca conseguiu levar o prêmio.
 
Cinco atores já foram indicados por interpretarem personagens que viam espíritos: Roland Young, por Topper e o Casal do Outro Mundo (1937); Lawrence Olivier, por Hamlet (1948); Whoopi Goldberg, por Ghost – Do Outro Lado da Vida (1990); Haley Joel Osment, por O Sexto Sentido (1999); e Meryl Streep, por A Dama de Ferro (2011).
 
Aos 82 anos e 75 dias, Christopher Plummer foi o ator mais velho a ganhar um Oscar. Ele levou o troféu de Melhor Ator Coadjuvante pelo filme Toda Forma de Amor (2012). A alemã Luise Rainer é a mais velha ganhadora do Oscar ainda viva. A vencedora do prêmio de Melhor Atriz pela performance em Ziegfeld – O Criador de Estrelas (1936) tem hoje 103 anos.
 
Toda Forma de Amor
 
O mais econômico na hora de agradecer pelo prêmio foi Joe Pesci, em 1991. Seu discurso depois de ganhar o Oscar de Melhor Ator Coadjuvante por Os Bons Companheiros durou apenas 3 segundos. Só deu tempo de ele dizer “Thank you” (obrigado).
 
O nome da atriz Bess Flowers é o que mais apareceu em créditos de filmes indicados ao prêmio
principal do Oscar. Ela fez figuração em 23 dessas produções. O ator John Cazale apareceu em
5 filmes durante sua carreira. Todos eles foram indicados ao Oscar de Melhor Filme.
 
Cate Blanchet foi a única na história a vencer um Oscar ao interpretar uma ganhadora do
Oscar. Ela conseguiu o feito por sua performance em O Aviador (2004), em que viveu a premiada atriz Katharine Hepburn.
 
Seis diretores já levaram o Oscar em sua primeira produção cinematográfica. O primeiro deles foi Delbert Mann, por Martin (1956) e o último, Sam Mendes, por Beleza Americana (2000). O mais jovem a ser nomeado ao Oscar de Melhor Diretor foi John Singleton. Ele tinha 24 anos quando concorreu pelo trabalho em Os Donos da Rua (1991).
 
A icônica cena do filme Beleza Americana
 
16 filmes premiados na categoria principal se passam em Nova York (EUA). O primeiro deles foi Melodia da Broadway (1929) e o último, Kramer vs. Kramer, de 1979. Los Angeles – sede de Hollywood – só é pano de fundo de duas produções vencedoras do Oscar de Melhor Filme: Menina de Ouro (2004) e Crash – No Limite (2005).
 
O filme Aconteceu Naquela Noite, vencedor do principal prêmio da cerimônia do Oscar de 1934, custou 325 mil dólares. Avatar, que concorreu a Melhor Filme em 2010, teve um orçamento 729 vezes maior: 237 milhões de dólares.
 
Houve cinco empates na história do Oscar. O primeiro deles aconteceu em 1932, quando Wallace Beery (O Campeão) e Fredric March (O Médico e o Monstro) dividiram o pódio. O último foi em 1995, na categoria Melhor Curta-Metragem.
 
Cada discurso do Oscar dura, em média, 80 segundos. O discurso mais longo da história da premiação durou 5 minutos e 30 segundos. Quem estabeleceu o recorde foi Greer Garson, depois de receber o prêmio de Melhor Atriz por Rosa de Esperança, em 1942.
 
A Itália é a grande vencedora da categoria Melhor Filme Estrangeiro. São de lá 26,5% dos ganhadores. Logo em seguida, vem a França, com 24,5% dos contemplados na categoria. Espanha e Japão dividem a terceira posição (8,2%).
 
O filme Avatar teve um orçamento exorbitante: 237 milhões de dólares
 
*Matéria originalmente publicada no Almanaque Saraiva, edição 93 – Fevereiro de 2014.
 
Recomendamos para você