Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Filmes e séries 25.05.2012 25.05.2012

Os vários papéis de Audrey Tautou

Por Thaís Ferreira

Há 11 anos, foi lançado um dos filmes franceses mais cultuados dos últimos tempos: O Fabuloso Destino de Amélie Poulain.

 
O longa, além de conquistar o grande público (fato pouco comum para o cinema europeu), lançou Audrey Tautou para o estrelato.
 
A atriz está de volta às telonas com a comédia romântica A delicadeza do Amor, baseada no premiado livro A Delicadeza (Editora Rocco), de David Fonkinos.
A adaptação para o cinema foi feita pelo próprio autor, que dirigiu ao lado de seu irmão Stephane Fonkinos.
 
A história tem como protagonista Nathalie Kerr (Audrey Tautou), uma mulher que tem sua trajetória mudada quando seu marido François (Pio Marmaï) morre em um acidente. Ela passa a se dedicar ao trabalho e a esconder suas emoções.
 
Um dia, inesperadamente, Nathalie beija seu colega de trabalho Markus. Juntos, começam uma jornada para descobrir seus sentimentos.

A imagem de Tautou é associada, mais uma vez, a uma personagem forte que, ao mesmo tempo, é sensível e delicada. Mas não são apenas as mocinhas que permeiam a carreira da atriz. Conheça outros papéis que ela já interpretou:

Bem Me Quer, Mal Me Quer (2002)
 
 
Logo após o sucesso de Amélie, a atriz protagonizou o longa Bem me quer, mal me quer, que narra a história de Angélique, uma artista plástica que se apaixona loucamente pelo médico cardiologista Loïc (Samuel Le Bihan).
Ele é casado e não a ama. A história podia ser apenas um romance, mas mistura um lado sombrio de obsessão e suspense.

Coisas Belas e Sujas (2002)

 
No mesmo ano, Audrey Tautou participa de seu primeiro filme estrangeiro. O britânico Coisas Belas e Sujas conta a história de imigrantes que vivem em Londres.
 
Okwe (Chiwetel Ejiofor) é um nigeriano que mora ilegalmente no país. De dia ele é taxista e, de noite, trabalha em um pequeno hotel, junto com a turca Senay (Audrey Tautou). Eles descobrem um esquema de tráfico de órgãos em que rins são trocados por documentos falsos.

Na Boca, Não (2003)

 
 
Do diretor Alain Resnais (de Hiroshima Meu Amor e Medos Privados em Lugares Públicos), Beijo na Boca, Não é uma comédia musical que se desenrola em 1925 e narra as aventuras amorosas de sete amigos em um chá da tarde.
O longa foi inspirado em uma ópera de mesmo nome. Tautou interpreta Huguette Verberie, uma jovem romântica que deseja se apaixonar.
Eterno Amor (2004)
 
A atriz se reúne novamente com Jean-Pierre Jeunet, diretor de O Fabuloso Destino de Amélie Poulain, no filme Eterno Amor, que narra a comovente história de Mathilde, uma jovem que se vê separada de seu noivo Maneth (Gaspard Ulliel) pela guerra.
 
Com o fim do conflito, ela começa uma busca por notícias de seu amor desaparecido. O filme concorreu a dois Oscars: melhor direção de arte e fotografia.

O Código da Vinci (2006)

 
Em o Código da Vinci, ela estreou em produções Hollywoodianas atuando ao lado de Tom Hanks. Sua personagem, Sophie Neveu, é uma criptologista da polícia judiciária francesa que, junto com o especialista em simbologia Robert Langdon (Tom Hanks), desvenda o assassinato do curador do Louvre.
O mistério envolve códigos deixados em obras de arte de Leonardo da Vinci que revelam segredos relacionados à igreja Católica. O longa foi adaptado do best-seller homônimo do escritor Dan Brown.

Amar… não tem preço (2006)

 
No mesmo ano, Tautou interpretou uma oportunista no filme Amar… Não tem Preço. A produção conta a história de Irène (Audrey Tautou), que confunde o atendente de bar Jean (Gad Elmaleh) com um milionário e começa a seduzi-lo. Ele se apaixona e tenta bancar as extravagâncias da moça.

Coco antes de Chanel (2009)

 
Coco antes de Chanel trás a atriz no papel da famosa estilista Gabrielle Chanel. O filme não mostra a fase de glamour da diva da moda, e sim sua infância em um orfanato e a adolescência como costureira de dia e cantora de cabaré à noite.
Essa rotina dura até conhecer Étienne Balsan (Benoît Poelvoorde) e começar a frequentar as altas rodas de Paris. O filme foi indicado a Oscar de melhor figurino.

Uma Doce Mentira (2010)

 
Émelie (Audrey Tautou) recebe uma linda carta de amor anônima e a joga fora. Mas decide reescrevê-la e enviar à sua mãe Maddy (Nathalie Baye), que está triste por causa do fim de seu casamento.
 
Ao enviar a correspondência, ela cria várias confusões, abalando os sentimentos de seu admirador secreto Jean (Sami Bouajila).
 
Vem por aí…
 
 
Tautou encerrou, recentemente, as gravações de Thérèse Desqueyroux (foto), baseado no romance de François Mauriac, ganhador do Nobel de literatura.
A história se passa na década de 1920 e fala sobre uma mulher que é infeliz com o casamento e luta para sair de uma entediante vida suburbana. A obra ganhou uma primeira adaptação em 1962.
 
Outra longa que já está sendo filmado pela atriz é L'écume des Jours. A narrativa fala sobre Chloe (Audrey Tautou), que sofre de uma doença incomum causada por uma flor crescendo em seus pulmões.
 
Assista ao trailer de A delicadeza do Amor:
 

 
Recomendamos para você