Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Filmes e séries 05.07.2013 05.07.2013

Os pequenos grandes personagens de ‘Downton Abbey’

 
Por Willians Glauber
 
Ao se deparar com as imagens promocionais de Downton Abbey (que recentemente teve sua terceira temporada lançada em DVD), você provavelmente vai se perguntar por que há tantos personagens nas fotos.  
 
Depois de assistir aos primeiros episódios, a surpresa diante dos 18 atores que estampam a foto promocional da primeira temporada, por exemplo, se transforma na curiosidade de descobrir a história de cada um deles.
 
As tramas são tão instigantes que, em certos momentos, fica difícil saber quem realmente são os protagonistas da série. Não há papéis menores ou maiores – todos são significativos para o enredo. 
 
 
 
 
 
PARA SE AMBIENTAR EM DOWNTON
 
Downton Abbey tornou-se um sucesso entre os críticos e o público do mundo todo; a série já ganhou dois Globos de Ouro
O nome da série faz referência a uma propriedade que fica no condado de Yorkshire, na Inglaterra, a Downton Abbey. O lugar é um legado da família Crawley e, atualmente, a função de cuidar dele está a cargo de Robert. Somos apresentados a Downton no ano de 1912, momento em que começa a história.
 
Depois que Robert descobre que o próximo herdeiro da propriedade morreu a bordo do Titanic, surge uma grande dor de cabeça. O infortúnio fez com que um primo distante da família, chamado Matthew Crawley, se tornasse o próximo na linha de sucessão da Downton e de todo o legado que ela carrega.
 
O novo futuro dono da herança não está acostumado com a vida de nobreza comum no cotidiano da Downton Abbey. Mesmo assim, ele e sua mãe se mudam para a propriedade.

“Nos primeiros episódios eu percebi que a série não era cheia de alvoroço, era ‘tranquila’, por assim dizer. Ela consegue te enredar na trama, e isso me motivou a continuar assistindo”, explica a jornalista Luísa Costa. Ela começou a assistir à série há pouco tempo e viu um episódio atrás do outro.

 
A CHEGADA DE UM ESTRANHO
 
John Bates traz uma nova visão para o dia a dia da Downton
Apesar de a história principal se passar nos cômodos mais nobres da mansão, os empregados têm muita coisa interessante para contar. John Bates, por exemplo, chega a Downton para ser o valete do dono da propriedade. Mas logo à primeira vista já causa desagrados. 
 
Bates tem um problema na perna direita e precisa do auxílio de uma bengala, o que pode atrapalhar suas funções e a eficiência dos serviços prestados na mansão.
 
O enredo em torno do valete traz revelações e se torna indispensável para entender o contexto de determinadas situações.
 
“Os coadjuvantes seriam os empregados da casa?”, rebate Luísa antes de responder a uma das perguntas do SaraivaConteúdo. “Porque eu acho que eles desempenham a função de quase protagonistas. O mistério de Bates é um fator instigante bacana da trama”, diz.
 
CÚMPLICE E CONFIDENTE
 
Anna Smith procura ser boa e justa com todos; agindo assim, ela acaba se metendo em algumas situações delicadas
E se as questões em torno de Bates podem ser instigantes, algumas das histórias que a chefe das empregadas Anna Smith ouve – e até aquelas das quais participa – poderiam certamente ser tema de romances policiais. Anna, além de coordenar o trabalho de cada empregada da mansão, é também a mão direita da filha mais velha de Robert e Cora Crawley, Lady Mary.
 
Anna deixa de ser apenas uma serviçal para exercer até mesmo o papel de amiga, que recebe confidências e cumplicidades. A loira de rosto angelical conquista o telespectador a partir de seus primeiros atos de bondade.  
 
“Todos os personagens da série conseguem prender a atenção de quem assiste, tornando os 50 minutos [dos episódios] completamente indispensáveis na minha semana”, conta Igor Santos, que escreve sobre séries para os sites Loggado e Seriadores Anônimos.
 
AS COBRAS DA MANSÃO
 
A expressão “cobra engolindo cascavel” certamente cai como uma luva no caso de Thomas Barrow e Sarah O’Brien
 
Intriga e fofoca ganharam nome nas dependências da mansão: Thomas Barrow e Sarah O’Brien, que vivem de conluio.
 
O primeiro é muito arrogante e não perde a chance de pisar em alguém para subir na hierarquia dos empregados de Downton. A petulância de Thomas ganha complexidade depois que você descobre o contexto por trás de seu temperamento apático e sem escrúpulos.
 
E Sarah não fica atrás quando o assunto é pedantismo: a empregada pessoal de Cora faz de tudo para manter seu cargo e continuar em sua carreira, algo que era muito difícil de uma mulher ter naquela época. Sempre de cara fechada, a ranzinzice dela já faz parte do convívio na mansão, embora não haja quem a suporte.
 
NÃO SUBESTIME A AJUDANTE
 
Apesar do olhar ingênuo e jeito meio avoado, a ajudante de cozinha Daisy Robinson também tem suas ambições
“Eu adoro a ajudante de cozinha. Ela tem um jeito ingênuo, meio bobinho, mas com uma ambição que vem crescendo”, confessa Luísa.
 
Ela está se referindo a Daisy Robinson, o tipo de menina que passa despercebida, que ninguém nota. O amadurecimento da personagem é notável, e quem assiste ao desenrolar da história de Daisy se interessa em saber mais e mais sobre ela.
 
POR QUE DAR UMA CHANCE A DOWNTON ABBEY?
“A série guarda características próprias, mas que mesmo assim funcionam para fazer uma avaliação do mundo atual”, enfatiza Igor.
“A historia deles [os empregados] revela as vaidades e futilidades da nobreza; também mostram o quanto são dependentes emocionalmente e financeiramente dessa classe que vive de tomar chá das cinco e jantar. É quase tragicômico”, evidencia Luísa.
 
Downton Abbey
 
 
Recomendamos para você