Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Sem categoria 21.09.2014 21.09.2014

Os bastidores das séries antológicas e como elas funcionam

Por Willians Glauber
 
Bons seriados para serem assistidos não faltam, mas, muitas vezes, os episódios e as temporadas são tantos que raramente um fã consegue acompanhá-los do começo ao fim sem perder nada.
 
Por isso, o SaraivaConteúdo apresenta a você um tipo de produção que a cada temporada lhe dá essa chance: as séries antológicas.
 
VÁRIAS EM UMA

Uma série antológica apresenta enredo e personagens diferentes todo ano, embora tenha o mesmo nome e até conte com atores da temporada anterior.
 
“Para a equipe criativa, o grande benefício é poder mapear, desde o começo, tudo o que vai acontecer. Saber quem são as personagens, para onde vão. Não precisa ficar enrolando por não saber o fim”, explica Beto Skubs, roteirista brasileiro que mora em Los Angeles há dois anos e estuda roteiro e cinema na UCLA.
 
Hoje, as produções de maior sucesso que se autointitulam antológicas são American Horror Story, True Detective e Fargo.
 
A PRECURSORA PARA O SUCESSO

Três anos e uma legião de fãs depois, no dia 8 de outubro, American Horror Story estreará sua 4ª temporada, a mais ambiciosa até hoje. Por trazer tramas distintas a cada ano, desde 2012 a série adota subtítulos: primeiro foi Asylum, Coven no ano passado e agora Freak Show.
 
Em 2014, AHS tem como pano de fundo um circo de horrores decadente, cuja dona busca novos seres excêntricos para retomar seus dias de glória.
 
 
O enredo estreante, transmitido em 2011, abordou a mudança de uma família para uma mansão assombrada por ex-moradores aprisionados nela.
 
 
O 2º ano do seriado mostrou a linha tênue entre sanidade e loucura dentro de um hospício dos anos 1960, regido pela igreja católica.
 
 
Já nos episódios de AHS: Coven, bruxas descendentes das originais de Salém lutam para manter viva uma linhagem de mulheres poderosas.
 
 
QUALIDADE PLURAL

E por falar em poder, depois de ganhar o Emmy por sua atuação na 1ª temporada, Jessica Lange se tornou o chamariz e a estrela das histórias de American Horror Story. Este ano, a atriz recebeu o mesmo prêmio por sua performance em 2013.
 
Jessica está na série desde o começo, como outros atores também, todos multifacetados e talentosos para interpretar personagens complexos.
 
A produção prima pela profundidade narrativa e qualidade cinematográfica, além de conceber um visual único para cada nova história. AHS foi criada e é roteirizada por Ryan Murphy e Brad Falchuk (cocriadores de Glee).
 
PRÊMIOS

Desde sua estreia, a produção foi indicada 51 vezes ao Emmy, o Oscar da TV nos EUA, ganhando um total de oito estatuetas. Todos os anos ela disputou o prêmio em 17 categorias, entre técnicas e criativas.
 
TRUE DETECTIVE

Já que o assunto é Emmy, a estreante antológica True Detective, da HBO, foi indicada em 12 categorias este ano e ganhou cinco estatuetas.

A 1ª temporada é protagonizada pelos atores Matthew McConaughey (ganhador do Oscar por Clube de Compras Dallas) e Woody Harrelson (o Haymitch da franquia de filmes Jogos Vorazes), cuja profundidade e complexidade da atuação no seriado foram elogiadas pela crítica.

 
A 1ª temporada da série antológica True Detective, da HBO, contou com os atores Matthew McConaughey (esquerda) e Woody Harrelson (direita) como protagonistas
 
A atração acompanha os detetives Rust Cohle e Martin Hart em uma investigação de 17 anos em busca de um serial killer. True Detective foi criada e é roteirizada por Nic Pizzolato, premiado romancista que antes roteirizou apenas dois episódios de The Killing.
 
Sua pré-produção começou em 2012, e a princípio a história foi pensada como um romance. Com estreia para 2015, o 2º ano do programa já está sendo filmado e terá quatro protagonistas: três detetives e uma mulher.
 
 
FARGO

Outra produção antológica elogiada por críticos e fãs é Fargo. Sua trama narra a chegada do matador de aluguel Lorne a uma pacata cidade interiorana, onde influencia um pobre vendedor de seguros. Ela adapta o filme homônimo de 1996 para a TV.
 
No elenco está Martin Freeman, o eterno hobbit Bilbo dos cinemas e John Watson da série britânica Sherlock.
 
Fargo foi a segunda série com mais indicações no Emmy 2014, com 18, sendo vencedora nas categorias de melhor direção, elenco e minissérie.
 
O roteirista e diretor José Araripe Jr. falou sobre essa alta qualidade das produções de hoje. “O sucesso maior é do conteúdo; está mais ousado, quebrou regras e se aprofundou em abordagens, trazendo o anti-herói para o protagonismo e quebrando a hegemonia do 'bom mocismo'”, argumenta.
 
OS SETE PRIMEIROS MINUTOS DO PILOTO DE FARGO
 
 
 
 
Recomendamos para você