Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Filmes e séries 14.07.2014 14.07.2014

‘O Teorema Zero’: Christoph Waltz e grandes diretores

Por Edu Fernandes
 
No cinema, é bastante comum ver diretores que trabalham repetidas vezes com o mesmo ator. Há também o caso de Christoph Waltz, que já acumulou experiência com muitos cineastas de destaque.
Em O Teorema Zero (Imagem), que estreia no Brasil em 10 de julho, o ator é dirigido por Terry Gilliam (O Mundo Imaginário do Doutor Parnassus). O filme acompanha o hacker Qohen (Waltz), que recebe a missão de decifrar o sentido da vida com a ajuda de computadores, em um projeto secreto.
A história confusa é uma das marcas de Gilliam. Sua narrativa é um suporte para críticas à sociedade, especialmente em relação à pressão massacrante a que o trabalhador é submetido.
 
Recluso em uma igreja que chama de lar, Qohen evita emoções e adota uma dieta de comidas sem sabor. A produção prega que essas privações são procuradas para se alcançar uma eficiência profissional que não existe.
O Teorema Zero é um longa futurista, mas Christoph Waltz surgiu no radar hollywoodiano com uma produção de época de Quentin Tarantino, em 2009. O papel em Bastardos Inglórios (Universal) lhe rendeu o Oscar de ator coadjuvante.
 

Cena do filme Bastardos Inglórios
No filme, ele interpreta um oficial nazista que está na caça de um batalhão inimigo conhecido por utilizar violência excessiva contra combatentes alemães. O vilão conquista a plateia logo na primeira cena, na qual Waltz mostra seu talento para proferir as falas eloquentes escritas por Tarantino.
Em 2012, os dois voltaram a trabalhar juntos em Django Livre (Sony), dessa vez tendo a época da escravidão nos Estados Unidos como cenário. Longe de ser um antagonista, no longa Christoph vive o mentor de Django (Jamie Foxx) e o ajuda a resgatar sua amada (Kerry Washington) das mãos de um fazendeiro cruel (Leonardo DiCaprio).
 

 Cena do filme O Besouro Verde
Depois de Tarantino colocá-lo no mapa das estrelas, Waltz conseguiu papéis em produções comandadas por outros grandes diretores. Em 2011, o ator assume novamente o posto de vilão em um filme que mistura cenas de ação com diálogos pontuados por comicidade.
O Besouro Verde (Sony) é dirigido pelo francês Michel Gondry (Rebobine, por Favor) e é baseado em um herói que surgiu no rádio. De maneira geral, a opção pela transformação da aventura em uma comédia não agradou aos fãs, e o longa não foi um sucesso.
 

Cena do filme Deus da Carnificina
Deus da Carnificina (Imagem) é baseado em uma peça teatral de Yasmina Reza. Na adaptação cinematográfica, os atores tiveram de confiar apenas no talento e no texto para envolver o espectador na disputa entre dois casais que travam uma discussão acalorada sobre a briga entre seus filhos.
A direção é do polonês Roman Polanski (O Escritor Fantasma), que costuma extrair o máximo de seus atores. Nesse caso, a característica do cineasta foi essencial para manter a dinâmica dramática por toda a duração do longa.
Para o futuro, Christoph Waltz tem alguns filmes a serem lançados. Um deles é Big Eyes (Weinstein), que ainda não tem título oficial no Brasil. Trata-se da cinebiografia da pintora Margaret Keane, que será vivida na telona por Amy Adams. Waltz interpreta seu marido no filme dirigido por Tim Burton (Frankenweenie).
 
Big Eyes tem o lançamento agendado para o dia 25 de dezembro nos Estados Unidos.
Veja o trailer de O Teorema Zero:
 

 
 
Recomendamos para você