Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Filmes e séries 30.11.-0001 30.11.-0001

O retorno das Tartarugas Ninjas aos cinemas

Por Fernanda Oliveira
 
"Santa Tartaruga!". Se essa expressão fez com que diversas lembranças divertidas viessem à tona, não deixe de ir aos cinemas no dia 14 de agosto, data de estreia do longa As Tartarugas Ninjas nos cinemas brasileiros. Os irmãos Donatello, Leonardo, Michelangelo e Raphael estão de volta às telonas, depois de 14 anos do lançamento do primeiro título da trilogia cinematográfica de sucesso da década de 1990 – As Tartarugas Ninjas (1990), As Tartarugas Ninjas 2 – O Segredo de Ooze (1991) e As Tartarugas Ninjas 3 (1993).
 
Jeremy Howard (Donatello), Pete Ploszek (Leonardo), Noel Fisher (Michelangelo) e Alan Ritchson (Raphael) são os atores responsáveis pela captura de movimentos para a composição dos protagonistas na nova versão, garantindo veracidade aos personagens criados por computação gráfica. O mesmo acontece com Danny Woodburn, que interpreta o Mestre Splinter. Megan Fox como a repórter April O'Neil e Vern Fenwick, que vive o operador de câmera da jornalista, completam o elenco principal.
 
Vindas dos quadrinhos criados há exatos 30 anos (1984), as tartarugas ninjas ganharam popularidade com o desenho animado que foi exibido entre 1987 e 1996 e acabou marcando uma geração. O sucesso foi tão grande que levou à criação de jogos de videogame e das três produções mencionadas inicialmente, além de uma quarta em animação 3D lançada em 2007 (Tartarugas Ninjas – O Retorno).
 
"O legal dos filmes [da década de 1990] era ver os personagens do desenho animado em 'carne e osso'. E são 'caras' com fantasias! E boas fantasias, diga-se de passagem. Houve mudanças na caracterização, em alguns personagens (e até criaram outros), mas o essencial está lá. Boa parte dos elementos do desenho está presente nos longas. Há a questão do companheirismo, de combater o crime e ainda de ter tempo para uma pizza depois de tudo", relembra João Novaes, fã dos personagens desde a década de 1980.
 
Já a relações públicas Raquel Matrone acredita que o sucesso não especificamente dos filmes, mas das tartarugas, deve-se ao fato de que elas taparam uma lacuna no universo dos super-heróis, tendo perfis diferentes dos tradicionais. "Eles são diferentes porque, além de toda a história do heroísmo, das lutas e afins, ainda tinham uma pegada de humor muito divertida. Não são tão sérios e sisudos".
 
 A ação e o humor dos quatro irmãos marcaram os longas lançados na década de 1990
 
E O QUE VEM POR AÍ?

Na versão atual, as tartarugas saem dos esgotos para combater o crime em Nova York, a mesma premissa dos filmes anteriores. Entretanto, houve algumas alterações, sendo que a mais evidente é a feição humanizada dos personagens, que ainda ganharam novos adereços. Já a mais polêmica, segundo João, é a troca da etnia do vilão Destruidor. "De oriental, ele passou a ser ocidental, o que também forçou a mudança do nome do homem por baixo da armadura de Oroku Saki para Eric Sachs".

 
Porém, há características peculiares dos quatro irmãos que os fãs esperam ver nas telonas. Raquel diz que o tom divertido não pode ficar de fora. "Acho que a 'ironia fina' e o sarcasmo das tartarugas são a marca registrada dessa turma. Tiradas engraçadas não podem faltar, assim como o lado mais sério do Mestre Splinter fazendo o contraponto com toda a bagunça".
 
A designer Chris Kimi também destaca esse ponto, acrescentando que a personalidade e a especialidade de cada um em um acessório usado em Artes Marciais também precisam ser preservadas. "O que mais me agradava era que cada um era especialista em uma arma. No entanto, mais do que todas as sequências de lutas, adorava o humor e a irreverência. Lembro de sempre dar boas risadas".
 
Foram feitas algumas mudanças no perfil do vilão Destruidor
 
E com certeza, quem acompanhou a "tartaruga mania" nas décadas de 1980 e 1990 está ansioso para ver o novo "olhar" sobre os adolescentes apaixonados por pizza, além de relembrar momentos de divertimento em frente à televisão assistindo ao desenho animado. Aliás, o mesmo acontece com a nova geração que acompanha a versão mais recente, transmitida pelo canal a cabo Nickelodeon.
 
"Espero que o filme remeta à minha infância. A minha intenção é poder ir com meu irmão, que na época do lançamento do primeiro longa, na década de 1990, foi comigo. Além disso, aquele dia foi o primeiro em que ele foi ao cinema. A minha irmã mais velha e eu o levamos. Vai ser bom recordar!", conta Chris.
 
Já Raquel não esconde a sua curiosidade. "Estou curiosa para ver o 'buraco' no esgoto onde eles moram. Lembro que, quando era criança, gostava de imaginar como seria morar embaixo da cidade e ter todo aquele espaço quase infinito só para mim. Tenho certeza de que o filme me trará ótimas memórias daquele tempo em que eu podia passar a tarde em frente à tevê e, depois, viajar imaginando a cidade dominada por heróis e vilões. Fala sério, a vida seria muito mais divertida com eles!".
Confira o trailer do filme As Tartarugas Ninjas:
 
 
Recomendamos para você