Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Livros 23.04.2013 23.04.2013

O negro e a representatividade na literatura fantástica nacional

Por Marcelo Rafael
 
Em fevereiro de 2013, a Gutenberg lançou O Rei Negro, um dos raros protagonistas negros da literatura fantástica. A obra causou burburinho nas redes sociais e instigou o olhar sobre outros personagens criados aqui mesmo, no Brasil.
 
O Rei Negro é uma obra do italiano Mark Menozzi que conta a história de Manatasi, Príncipe das Catorze Tribos de Warantu. Essas tribos são as únicas com negros entre os humanos no continente fictício de Valdar, povoado também por elfos, anões, kobolds e goblins.
 
OS HERÓIS NACIONAIS
 
Cenários inventados pelas mentes dos autores e habitados por seres do imaginário coletivo são comuns na Fantasia; porém, são poucos os livros que, mesmo com a enorme quantidade de seres mágicos, robóticos ou alienígenas, trazem protagonistas negros. “Falta para essa onda atual fantástica um olhar para o nosso presente. Temos problemas aqui e agora, batendo na nossa porta, e tudo isso pode conversar com o imaginário, com o mágico, com o mítico e com o fabuloso”, declara Felipe Castilho, sobre a presença de negros e minorias sociais em geral neste tipo de literatura. 
 
Castilho é autor de outro livro da Gutenberg com um protagonista afrodescendente: Ouro, Fogo & Megabytes. Na história, Anderson Coelho é um menino mineiro, de pai negro e mãe branca, que vem para São Paulo e acaba se envolvendo com uma ONG que luta contra uma corporação interessada em predar o país e lucrar com seus recursos naturais.
 
“Anderson é mulato desde a sua concepção – sempre o enxerguei assim. Ele é fruto do que mais há de real em nosso país: a miscigenação. Todos somos misturados. E se não ’sanguineamente’, somos culturalmente.”, comenta o autor.
 
 Ouro, Fogo & Megabytes
 
Personagens do nosso folclore, como a Mãe D’Ouro, o Negrinho do Pastoreio e o Saci, passeiam pela história de Castilho, que os aproveitou para abordar o tema da escravidão, em nosso, passado, e o preconceito, nos tempos atuais. 
 
“Eu não sou negro, mas isso não me impede de chamar a atenção de meus leitores para algo. O que mais falta em nosso dia -a -dia é a empatia, a capacidade de sentirmos a dor do outro”, explica o autor sobre a questão.
 
Outra história que se vale da riqueza de nosso folclore (de base indígena, europeia e africana) é o caso muito peculiar das aventuras criadas por Christopher Kastensmidt.
Nascido nos EUA, Christopher é descendente de árabes, armênios e alemães, mas vive há muitos anos no Brasil. Ele criou as aventuras de dois amigos, um holandês e um iorubá, no Brasil Colonial.
 
As peripécias de Oludara, jovem guerreiro, que foi capturado em Ketu (região iorubana do atual Benin) e traficado como escravo para o Brasil, podem ser lidas na série Duplo Fantasia Heroica Volume 1, Volume 2 e Volume 3.
 
Ao lado do companheiro europeu, Oludara se embrenha no interior do país, faz amizades entre os índios e tem de lidar com nossos seres fantásticos, como a Flor do Mato, Capelobo e Iara.
 
“Escrever sobre o Brasil Colonial e não colocar um negro na história seria uma mentira. No século XVI, aconteceu no Brasil uma convergência de culturas que formou o país que temos hoje. Eu escrevi essas histórias para o mercado estrangeiro e escolhi estes personagens exatamente para representar isso", explica Kastensmidt.
 
Para não derrapar na reconstituição de época, Kastensmidt montou uma biblioteca com cerca de 200 livros sobre o Brasil Colônia e sobre os iorubás do séc. XVI.
Ele comenta que se sentiu mais livre para criar um personagem negro ambientado no passado do que no presente. “Quando escrevemos sobre o ‘outro’, o mais importante é ter muito respeito por aquela cultura”, comenta.
 
Outro afrodescendente em aventuras extraordinárias em nosso país é Hugo Escarlate, de A Arma Escarlate. “Assim que eu decidi escrever uma história de magia no Rio, eu soube que queria um personagem mulato”, conta a autora Renata Ventura.
 
Hugo Escarlate, o menino bruxo do Rio de Janeiro
 
Carioquinha de 13 anos, do Morro Dona Marta Hugo descobre, em meio a um intenso tiroteio, que é um bruxo, bem ao estilo Harry Potter. Mas J.  K. Rowling não foi a única fonte da autora para compor o personagem: em jornais, ela pesquisou a invasão do Dona Marta pela polícia, e leu livros como Abusado.
 
Sem parentes negros, Renata conta que a cor do personagem não foi uma barreira na hora de sua criação. “Eu senti alguma dificuldade, mas só porque Hugo é um protagonista complicado. É arisco, desconfiado, é bastante impulsivo e imprevisível – até para mim”, comenta Renata.
Além dele, há outros quatro personagens negros de relevância na história: a mãe de Hugo e sua avó, a colega Gislene e Beni, garoto de família rica e religiosa. O background de Beni serve de fundo para outro problema social de nossos tempos: homossexual, o garoto tem dificuldades em se assumir gay em uma família evangélica.
 
REPRESENTATIVIDADE
 
“Eu não entendo por que negros e gays são tão pouco representados na literatura fantástica. Seriam personagens fortes, de muita personalidade”, afirma Renata. “Ao mesmo tempo, muitas vezes, a literatura (fantástica) usa elfos e outros seres exatamente para falar de temas como racismo, minorias e preconceito de modo alegórico”, completa.
Em sua obra, Renata ainda pretende incluir outra minoria: os deficientes físicos. “Em um mundo onde tudo se cura com magia, como inserir personagens com alguma deficiência física? Na minha série, haverá pelo menos três deficientes físicos, e o próprio Hugo é um pouco surdo do ouvido esquerdo, devido à proximidade de um tiro”, diz.
Castilho arremata que este é o momento de levantar questões sociais na Fantasia. “Agora seria a hora perfeita de as cabeças se abrirem!”, conclui.
 
Outro exemplo, nacional, é o recém lançado O Espadachim de Carvão, de Affonso Solano, do site Jovem Nerd, lançado pelo selo Fantasy – Casa da Palavra. De pele negra e olhos brancos, Adapak, o personagem principal, é filho de um dos deuses do mundo de Kurgala.
 
Há ainda exemplos como Damasceno, de O Vampiro da Mata Atlântica.
 
 
 
 
Recomendamos para você