Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Livros 13.03.2013 13.03.2013

O estilo de Nicholas Sparks

Por Thaís Ferreira
 
Nicholas Sparks pode ser considerado um fenômeno da literatura contemporânea: começou a ser publicado em 1995 e, até hoje, com 18 livros, possui uma impressionante média de um por ano. Seus trabalhos foram traduzidos para 45 idiomas e seu nome é comum na lista dos mais vendidos, com mais de 80 milhões de exemplares comercializados, segundo o site oficial.
Mas nem sempre publicar livros foi fácil para esse autor norte-americano; ele começou a escrever bem cedo, ainda com 19 anos, e seus dois primeiros romances não interessaram nenhuma editora. Deixou seus sonhos de escritor de lado para se dedicar à faculdade de finanças empresariais e, após a formatura, passou por empregos diversos: foi avaliador de imóveis, garçom e vendedor de produtos odontológicos.
Seu primeiro êxito literário foi Diário de uma Paixão, que começou a ser escrito em 1995 e, mesmo antes de seu lançamento, em 1996, já tinha seus direitos vendidos para a Warner Books. A primeira adaptação para o cinema, baseada na obra Message in a Bottle, aconteceu quatro anos depois, e teve como protagonista o ator Kevin Costner.
Depois dos primeiros sucessos, tanto nas prateleiras quanto nas telonas, a carreira do autor estadunidense começou a deslanchar, e suas obras viraram uma febre entre os fãs de romance. Mas por que os trabalhos de Sparks agradam tanto aos leitores? O SaraivaConteúdo falou com os fãs e com um especialista para desvendar a fórmula desse sucesso.
LEITURA
“Eu acho que o sucesso dos livros do Nicholas Sparks, e de outros autores desse gênero, está relacionado ao próprio estilo de texto. Não existe inventividade na forma ou na construção literária, por isso as obras são de rápida e fácil leitura. Você não precisa de muita concentração para compreender a história, tornando [a obra de Sparks] o tipo de livro que pode ser lido no ônibus ou no metrô”, afirma o professor de literatura Arnaldo Rosa.
Essas particularidades são, portanto, alguns dos grandes atrativos do autor: uma escrita simples e coesa, que pode ser facilmente assimilada. Apesar de as obras serem extensas (em média 350 páginas), é possível lê-las em poucos dias. Dessa forma, Sparks agrada aos leitores que têm uma vida agitada e ficam sem muito tempo para se dedicar a um texto de maior profundidade, como é o caso da jornalista Giovanna Hoff, que lê as obras enquanto utiliza o transporte público.
OS ENREDOS
Outro segredo do autor são enredos que satisfazem a um público que está carente de um amor idealizado. A maior parte de suas obras é centrada em uma grande história de amor, mas que tem empecilhos para se concretizar, um recurso largamente utilizado na telenovela brasileira e que têm êxito há décadas. É como afirma Beatriz Bride, publicitária e fã dos livros: “A maioria deles segue uma fórmula muito similar: o casal se conhece, se apaixona, alguma coisa acontece que os separa por um longo tempo, até que eles se reencontram e vivem felizes”.
“Eu gosto do estilo das histórias do Nicholas Sparks por causa do romance ‘água com açúcar’. Os últimos livros dele não foram tão previsíveis, como Diário de uma Paixão. Querido John, por exemplo, sai dessa linha. Eu acho que são as histórias que cativam o leitor; cada livro que você lê é formado por uma história diferente e situações novas”, opina Hoff.
O EFEITO “MOSCA NA PAREDE”
Alguns críticos norte-americanos atribuem a grande aceitação das obras do escritor a um fenômeno que nomearam “mosca na parede”. Isso quer dizer que os leitores são levados a visualizar os fatos da narrativa de forma bastante vívida, e isso ocorre com um envolvimento tão grande com os protagonistas que eles se sentem como se fossem uma mosquinha na parede. 
Esse estilo satisfaz à curiosidade das pessoas em descobrir como as pessoas agem quando estão sozinhas, como elas reagem quando estão apaixonadas e como são os relacionamentos alheios.
 
'A maior parte de suas obras é centrada em uma grande história de amor, mas que tem empecilhos para se concretizar'
ENTENDO AS MULHERES
 
As leitoras costumam acreditar que o êxito das obras advém do mergulho que o escritor faz no universo feminino. “As garotas acreditam que são mal compreendidas pelo sexo oposto. É reconfortante, para elas, ler uma obra em que o autor e as personagens alcançam essa compreensão”, explica Arnaldo Rosa.
Já a jornalista Giovanna Hoff acredita que o autor não busca esse aprofundamento no mundo feminino: “Se Nicholas Sparks não entende o lado feminino, pelo menos ele tenta compreendê-lo e o descreve muito bem, mas acho que isso não se aplica necessariamente apenas às mulheres; ele se coloca no ponto de vista de cada um dos personagens, todos possuem um lado sentimental acentuado”.
Mas como ninguém faz nada sozinho, o escritor compartilha o sucesso de suas obras com uma equipe de apoio de sua editora, responsável por longas turnês de divulgação e uma equipe de comunicação poderosa, além da propaganda boca a boca feita pelos fãs.
“Sem dúvida nenhuma, os romances escritos por Sparks são atemporais, cheios de emoção e que ainda fazem a gente suspirar e chorar, nas páginas ou nas telas”, conclui a publicitária Beatriz Bride.
 
 
Recomendamos para você