Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Filmes e séries 25.09.2014 25.09.2014

O brasileiro Gilberto Mello conta como é ser um figurinista em Hollywood

Por Willians Glauber
 
Revenge, Grey's Anatomy, The Bridge, New Girl, Touch, Parenthood, Parks and Recreation. Se você já assistiu a determinados episódios de qualquer uma dessas séries, deparou-se com o trabalho do brasileiro Gilberto Mello.
 
Há quase 30 anos morando em Los Angeles, ele deixou o Brasil por razões pessoais e chegou aos EUA sem pretensões de fazer parte dos bastidores da TV.
 
Em 1993, viu o anúncio na revista The Hollywood Reporter para trabalhar em um curta-metragem dirigido por Annette Haywood-Carter, com Leonardo DiCaprio no elenco (um nome desconhecido na época), e enviou seu currículo.
 
Como assistente de produção (e sem ganhar nada por isso), Gilberto conheceu a figurinista do curta, que o indicou para trabalhar na primeira casa de figurinos de sua carreira. Depois, o brasileiro passou pelos departamentos de figurinos de grandes estúdios hollywoodianos.
 
Hoje ele é o responsável pela preparação e organização das roupas usadas pelos figurantes e atores principais vistos em cenas de diversos seriados. Ocupando o cargo de set costumer (figurinista de set, em tradução livre), Gilberto tem uma carreira sólida em Hollywood. Seus esforços lhe renderam até um Emmy pela supervisão de figurinos em uma produção de época.
 
A entrevista que você vai ler a seguir foi feita inteiramente em inglês – depois de tanto tempo lá fora, Gilberto prefere conversar em seu atual idioma. Entre um palavra ou outra em português, ele contou ao SaraivaConteúdo detalhes de sua carreira de quase três décadas.
 
Quais dificuldades você enfrentou logo no começo da carreira?
 
Gilberto. Esse tipo de trabalho tem a ver com reputação, referência, networking. O mais difícil é você se tornar conhecido na área. Levam pelo menos cinco anos até que as pessoas realmente saibam quem você é, um tempo para construir uma reputação.
 
Para se construir uma reputação, é necessário primeiramente mostrar seu trabalho. Onde você trabalhou de início e o que fazia nesses empregos?
 
Gilberto. No começo eu trabalhei para uma casa de figurinos chamada Bill Hargate Costumes. De lá, fui para os departamentos de figurinos dos estúdios Universal, Paramount e Warner Brothers. Foi ótimo para que eu fizesse contatos e expandisse meu networking. Depois, quando passei a fazer entrevistas, as pessoas diziam "Ah, eu conheço você do departamento de figurinos do estúdio Paramount".
 
O brasileiro Gilberto Mello (meio) com dois dos protagonistas da série de comédia New Girl, para a qual o brasileiro trabalha como freelancer
 
Então, seu conhecimento é fruto essencialmente das suas experiências?
 
Gilberto. As casas de figurinos sabiam que eu não tinha experiência. Ao trabalhar nesses lugares eu aprendi minha profissão, os tamanhos das roupas, o que era um figurino dos anos 1930, 1970, por exemplo. Muitos figurinistas e supervisores de figurinos iam até lá alugar roupas, eu os ajudava a encontrar o que precisavam para suas produções. Colocava os figurinos de aluguel de volta nas seções corretas e a partir daí aprendi a identificar o figurino, determinados nomes para certas roupas. Minha grande escola foi o trabalho nas casas de figurinos.
 
A esmagadora maioria dos seus trabalhos é como set costumer. Quais são suas funções em uma produção?
 
Gilberto. Eles me dão os figurinos, eu os preparo, faço anotações para continuidades e coloco todos nos camarins dos atores. Depois que eles se vestem e vão para o set filmar as cenas, fico lá para me certificar de que tudo esteja correto, faço mais anotações para continuidade e tiro fotos para depois. Filmamos cenas em diferentes momentos do dia e, se precisarmos voltar para aquela cena mais tarde, eu devo me certifcar de que os atores estejam usando o mesmo figurino que o da primeira vez. Terminadas as cenas, eu vou aos camarins, recolho as roupas e levo para a lavanderia. Meu trabalho é me certificar de que o figurino esteja no set, eu sou a fase final dos figurinos. E eu não lido com os atores principais, mas sim com os figurantes.
 
E em quais produções está trabalhando atualmente?
 
Gilberto. Trabalho três vezes por semana na série The Exes. Preparo as roupas na segunda, na terça nós fazemos as pré-filmagens de algumas cenas e quarta filmamos com a plateia. Nos dias livres eu trabalho no seriado Parenthood. Poderia tirar as quintas e sextas de folga, mas gosto de me manter ocupado. New Girl, por exemplo, é uma série para a qual eu trabalho muito.
 
Você também fez parte das equipes de filmes. Qual é a principal diferença entre lidar com os figurinos de um longa-metragem e os de uma série?
 
Gilberto. Em filmes é tudo muito mais lento, leva às vezes uma semana inteira para gravar uma única cena, literalmente. Em TV você pode filmar cinco cenas em um dia, por exemplo. Eu me sinto muito feliz por fazer bastante TV, acho que, se você faz televisão, consegue fazer qualquer coisa. Precisa pensar rápido, a câmera não espera em TV!
 
Gilberto Mello
 
Com uma carreira tão extensa como a sua, ao olhar para trás, em qual produção você mais gostou de trabalhar? Qual foi a mais empolgante?
 
Gilberto. O projeto de que eu tenho mais orgulho é a série de TV pela qual eu ganhei um Emmy, chamada The Lot. Foi um dos primeiros seriados sobre filmes americanos clássicos já feitos pela AMC [emissora a cabo dos EUA] e era de época, situado na década de 1930. Amo fazer produções de época, acho algo tão criativo. A série era sobre a produção de filmes em Hollywood, muito glamourosa. Não foi um grande hit, mas fui bastante reconhecido por essa produção entre os meus colegas. E eu trabalhei com um figurinista famoso e talentoso [Jean-Pierre Dorléac], que fez diversos filmes de época e séries de ficção científica.Tive sorte de começar minha carreira trabalhando para ele.
 
Qual foi seu papel na indicação para o Emmy e a sensação de disputar um prêmio como esse?
 
Gilberto. Eu fui o supervisor da série, supervisionei os figurinos. Tive bastante sorte, porque me lembro que estava competindo com Sex and The City, que era uma grande série contemporânea, com The Sopranos, Star Trek, Will & GraceThe Lot era muito glamourosa, os figurinos eram fabulosos, e foi difícil porque era uma produção de baixo orçamento, então tivemos que ser bem criativos.
 
Quais habilidades uma pessoa que queira trabalhar com figurinos em produções para a TV precisa desenvolver? Quais características ela precisa ter?
 
Gilberto. Precisa ser detalhista, porque há muitos pequenos detalhes, tudo é planejado antes. Focar e se concentrar também, especialmente para continuidade; seja confiável, leal. Você recebe ligações de madrugada, muitas vezes eu preciso estar às 4h30 no set, então esteja disponível para seu figurinista, para seu supervisor. Relacione-se com as pessoas, esse trabalho tem a ver com personalidade; tente ser amigável com todo mundo – afinal, você está construindo sua reputação. Saiba lidar com estresse, você terá que fazer as coisas acontecerem muito rápido.
 
Alguma mensagem para os nossos leitores?
Gilberto. Tenho muito orgulho de ser um brasileiro trabalhando nos Estados Unidos, e há muitos brasileiros trabalhando aqui nos bastidores, mas eles não são conhecidos. Eu fico muito feliz que veículos como o SaraivaConteúdo mostrem as pessoas por trás das câmeras.
 
Esqueça as protagonistas de New Girl. Vê o casal atrás delas? O brasileiro Gilberto Mello é o responsável pelos figurinos deles e de outras dezenas de figurantes da série
 
 
Recomendamos para você