Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Filmes e séries 03.06.2013 03.06.2013

‘Mistresses’ se baseia em série britânica para falar de adultério feminino

Por Willians Glauber
 
Reality shows, dramas, comédias, game shows, são várias as produções criadas no Reino Unido que já foram refeitas nos Estados Unidos. Ao longo dos anos, mais de 100 ideias britânicas ganharam versões estadunidenses, remakes esses que muitas vezes fazem mais sucesso do que a própria série original.
 
E a partir de 3 de junho, mais uma trama britânica ganhará uma roupagem norte-americana. Nesse dia, o canal de TV aberta ABC estreia o drama Mistresses, baseado na série de mesmo nome que estreou na BBC em 2008.
 
“Na lógica de mercado, é mais fácil apostar em um produto que já fez um relativo sucesso do que em algo totalmente novo. Como as séries britânicas têm se apresentado como algo confiável nesse sentido, daí a prática de refilmá-las nos EUA”, explica Thiago César, crítico do site Cinema com Rapadura.
 
O SUCESSO DA ORIGINAL
Mistresses, quer dizer “amantes” em inglês, se propõe a mostrar os casos extraconjugais e as aventuras amorosas de quatro mulheres, vistos de diferentes ângulos. Quatro amigas que, além da amizade de longa data, têm em comum a difícil tarefa de conciliar suas vidas com relacionamentos um tanto quanto ilícitos moralmente.
 
A produção original britânica foi bastante elogiada pela condução da história e interpretação das atrizes do elenco principal
 
A produção original foi bem recebida pelo público e pela crítica na época. Apesar de falar de um tema já abordado anteriormente em diversas outras produções, a série encontra tramas complexas para expor as consequências que um caso amoroso pode trazer. Com três temporadas e 16 episódios transmitidos, o drama britânico terminou em 2010.
 
Rodrigo Caravajal, produtor da Lêmure Filmes, acredita que o telespectador dos EUA cansou dos mesmos formatos de séries, dos personagens muito genéricos e de dramas muito rasos. “Na contramão disso temos as produções britânicas, séries que não têm medo de se arriscar, com enredos corajosos, muitas vezes apostando até em anti-heróis como protagonistas”, comenta.
 
AS MISTRESSES BRITÂNICAS
Katie Roden, Trudi Malloy, Jessica Fraser e Siobhan Dhillon são as protagonistas da série original. Amigas de longa data, elas se dividem entre trabalho, casa, família, flertes e aventuras sexuais, tudo sem perder a essência daquilo que são.
 
Katie é médica e tem um caso com um paciente casado em estado terminal. Depois de induzir a morte dele, ela se vê diante de impasses: se apaixona pelo filho do ex-amante e pode jogar a carreira que conquistou pelo ralo por conta do que fez. Depois da morte do pai, o rapaz procura por respostas que o levarão até Katie.
 
Trudi é uma viúva que não se conforma de ter perdido o marido durante os atentados de 11 de setembro. Depois de anos e sem que o corpo fosse encontrado, ela está convencida de que o marido não morreu.
 
Depois de receber um cheque do governo como indenização pela morte dele, ela descobre que ele teve uma amante e um filho fora do casamento. Uma reviravolta acontece e o marido de Trudi retorna – tudo não passou de uma desculpa para deixá-la. 
 
Jessica é a típica solteira que adora seu status e aproveita ao máximo sua condição. Ela não se compromete com homem nenhum e não faz questão de relacionamentos duradouros.
 
Produtora de eventos, ela se depara com uma situação delicada quando, ao organizar o casamento de duas mulheres, se vê atraída por uma das noivas. Começa ali uma química entre as duas que gera uma aventura amorosa. Jessica protagoniza situações das mais picantes e intrigantes.
 
Outra parte do enredo gira em torno da advogada Siobhan Dhillon. Casada, ela se encontra naquela fase em que os dois querem começar uma família, e por um bom tempo eles tentam. Mas o marido tem problemas de fertilidade, e a obsessão dele por isso abala as estruturas do casamento. Em meio às tentativas de engravidar, Siobhan se vê atraída por um colega do trabalho, e os flertes entre os dois resultam em um caso. 
 
AS MISTRESSES NORTE-AMERICANAS
A versão dos EUA tomará a trama britânica como inspiração. A estrutura de quatro amigas, os quatro perfis e as histórias principais se manterão intactas, mas o desenrolar das personagens e das tramas pode ir para direções totalmente opostas às da série original.
 
Mistresses é mais uma tentativa do canal ABC de emplacar um sucesso focado no público feminino, como foi a série Desperate Housewives
 
Só ao longo dessa temporada inicial, a série estadunidense já tem 13 episódios encomendados, o que dá quase o total de episódios das três temporadas britânicas juntas.
 
Além disso, o tom dado pelos produtores e roteiristas do canal ABC é mais focado no relacionamento entre as quatro e nas nuances de seus casos com os homens (e até outras mulheres) casados ou comprometidos.
 
Nessa versão, Katie se torna Karen, Trudi vira April, Jessica aparece como Josslyn e a advogada Siobhan ganha o nome de Savannah. “Vendo que essas produções britânicas têm sido sucesso de crítica e público, nada mais sábio do que investir nesse novo padrão”, diz Caravajal.
 
“Muitas vezes o público tem acesso primeiro ao remake, conhecendo a série original a partir dele”, reforça César. Mais cheia de glamour que a versão original, Mistresses é uma tentativa do canal ABC de emplacar outra série nos mesmos moldes do sucesso Desperate Housewives, que durou oito temporadas.
 
Compare a produção original…
 

 
 
…com a versão dos EUA
 

 
 
 
Recomendamos para você