Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Filmes e séries 28.06.2013 28.06.2013

Mais “cabeça”, Flip 2013 traz nomes pouco conhecidos do grande público

 
 
 
 
 
Por Andréia Martins                                                          
 
Todos os anos, a Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) traz à cidade carioca alguns dos nomes de mais destaque na literatura mundial. No entanto, nem todos os autores são conhecidos do grande público, que vê na festa uma chance de conhecer novos nomes e obras.
 
Este ano não será diferente. Com escritores cheios de credenciais e prêmios internacionais, a escalação vem sendo considerada uma das mais “cabeças”. 
 
O SaraivaConteúdo listou sete dos mais relevantes autores da programação deste ano – que traz muitos escritores reconhecidos pelos textos curtos e contos – para contar de onde vêm, suas principais obras e curiosidades.
 
 
ALEKSANDAR HEMON
Origem: Sarajevo, antiga Iugoslávia, 1964 (49 anos)
Principais obras: E o Bruno? (Rocco, 2000), As Fantasias de Pronek (Rocco,2002), O Projeto Lazarus (Rocco, 2008; eleita a melhor obra de ficção pela revista The New Yorker), Amor e Obstáculos (Rocco,2009).
Por que ler? Hemon estava estudando nos EUA, em 1992, quando soube do cerco a Sarajevo e decidiu não voltar. A questão do imigrante é tema recorrente em sua obra, algo que ele sentiu na pele e faz com que seus relatos sobre perdas e exclusão soem bem reais, embora estejam em títulos de ficção. Este ano estreou na não ficção com The Book of My Lives, no qual conta sua jornada de Sarajevo a Chicago, nos EUA, onde mora hoje.
 
JOHN BANVILLE
 
O escritor inglês John Banville
Origem: Irlanda, 1945 (68 anos)
Principais obras: O Mar (Nova Fronteira, 2007), Luz Antiga (Globo, 2013); O Pecado de Christine e Cisne de Prata, com o pseudônimo “Benjamin Black”, ambos lançados aqui pela Rocco.
Por que ler? Se você gosta das histórias de Sherlock Holmes ou Edgard Allan Poe, algo vai despertar sua atenção nos romances policiais de Benjamin Black, pseudônimo do irlandês. Em seus livros como Banville, é comparado a Henry James e Vladimir Nabokov. Black nasceu em 2005, seguindo os planos do agente de Banville de escrever um romance policial. O autor concordou, mas achava que precisaria de um novo nome para realçar seu lado mais obscuro. O irlandês chega à Flip com um novo livro, Luz Antiga (seu 16º romance, este como Banville), e outros dois inéditos, Eclipse e Shroud.
 
KARL OVE KNAUSGAARD
 
O norueguês Karl Ove Knausgård, outro nome de peso da Flip 2013
 
Origem: Oslo, na Noruega, 1968 (45 anos)
Principais obras: Fora do Mundo (1998), Tudo em Seu Tempo (2004), Minha Luta 1 – A Morte do Pai (Companhia das Letras, 2013).
Por que ler? Um escritor capaz de compor sua biografia em seis volumes por si só já desperta o interesse de um leitor curioso. Esse é o caso do norueguês e de sua autobiografia em série Minha Luta, que leva o mesmo nome da obra assinada por Adolf Hitler. Os seis títulos somam 3.500 páginas, e a forma como o autor expôs familiares e amigos gerou polêmica no país. Ele chegou a proibir a mãe de ler. A Morte do Pai, primeiro volume da coleção, acaba de ser publicado no Brasil, com foco na adolescência do autor e no relacionamento com o pai. A sua posição de narrador-personagem na série já rendeu comparações com Em Busca do Tempo Perdido, de Marcel Proust, o que, segundo o autor, é apenas uma coincidência.
LYDIA DAVIS
 
A escritora Lydia Davis
 
Origem: Northampton, EUA, 1947 (66 anos)
Principais obras: tem apenas um romance publicado – The End of the Story (1995) – e diversas coletâneas de contos. Tipos de Perturbação (Companhia das Letras, 2013) é seu único livro lançado no Brasil.
Por que ler? É considerada a principal contista do momento. Sua marca são os contos curtos, às vezes compostos apenas de uma frase. Premiada recentemente pelo Man Booker International Prize, ela vem ao Brasil pela primeira vez. Além de escritora, é também tradutora de Marcel Proust e Flaubert. O cotidiano é sua inspiração. Em um texto, mostra como escreveu em colaboração com uma mosca: “Eu pus a palavra na página, mas ela acrescentou o acento”.
 

ROBERTO CALASSO

 
O italiano Roberto Calasso
 
Origem: Florença, Itália, 1941 (72 anos)
Principais obras: Os 49 Degraus (1997), que marcou sua estreia, em 1983; As Núpcias de Cadmo e Harmonia, KA (1999); A Literatura e os Deuses (2004); K. (2006); e A Folie de Baudelaire (2012). Todos lançados aqui pela Companhia das Letras.
Por que ler? O escritor e editor nascido em Florença, em 1941, é um fenômeno literário em seu país natal. Transitando entre a ficção e o ensaio, Calasso frequentemente escreve colocando uma lupa sobre os conceitos, estilos narrativos e temas de escritores anteriores, como Walter Benjamim, Kafka, Baudelaire, Flaubert, Nietzsche.
 
TOBIAS WOLFF
 
O escritor americano Tobias Wolff
 
Origem: Birmingham, EUA, 1945 (68 anos)
Principais obras: Meus Dias de Escritor (Ediouro, 2006), No Exército do Faraó (Rocco, 2002), Ladrão de Quartel (Rocco).
Por que ler? Wolff vem ao Brasil pela primeira vez, depois de cancelar sua vinda à Flip em 2009. Reconhecido pela prosa curta e pelas memórias, teve seu livro This Boy’s Life, de 1989, adaptado para o cinema em O Despertar de um Homem, com Leonardo Di Caprio e Robert De Niro. Um de seus principais livros é Meus Dias de Escritor, onde narra o encontro de um estudante vencedor de um concurso literário com um escritor mais velho, no papel de mestre.
 
 
 
Recomendamos para você