Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Livros 17.05.2013 17.05.2013

Lemony Snicket: o pseudônimo mais divertido da literatura juvenil

Por Laíssa Barros
 
Pseudônimos são clássicos na literatura mundial. George Orwell na verdade era Eric Arthur Blair, Mary Westmacott é mais conhecida como Agatha Christie e Stephen King atende pelo nome de Richard Bachman.

Com Daniel Handler não foi diferente. Ele adotou um alter ego logo que começou a escrever seus primeiros livros. Mas o mais divertido nessa história toda é que ele fez de Lemony Snicket não só autor, mas personagem dos livros que narra, e não parou de lançar outras histórias com seu verdadeiro nome.

“Tudo começou como uma brincadeira! Lemony Snicket era um nome que eu costumava assinar em cartas para brincar com os editores dos jornais. Era um nome que eu usava também com alguns amigos em cartões de visita para distribuir em bares. No momento em que eu comecei a escrever um livro para crianças, fazia sentido que Lemony Snicket fosse o narrador, afinal esse nome tem todo um tom de mistério literário”, lembra Handler.

A possibilidade de ser outra pessoa e escrever sob o ponto de vista de outra personalidade fez com que Handler criasse uma história de vida para Snicket. Ou melhor, uma lenda sobre a vida dele. 

Essa lenda diz que ele foi levado quando muito pequeno de sua casa e família por uma organização secreta denominada C.S.C. (Corporação pelo Salvamento das Chamas), tornando-se voluntário dela após uma longa e dura fase de testes.

A partir disso, a vida e a suposta morte de Snicket estão envoltas por mistérios. Há uma certa dificuldade em se distinguir o que é verdade e o que é mentira, já que ele deixa muitas pistas em seus livros sem uma cronologia fiel.

Os 13 volumes das famosas Desventuras em Série, a  Autobiografia Não Autorizada de Lemony Snicket e Só Perguntas Erradas – Quem Poderia Ser a Uma Hora Dessas? (Companhia das Letras), são peças de um grande quebra-cabeças sobre quem ele é e o que faz da vida. 

No mais novo lançamento, Só Perguntas Erradas – Quem Poderia Ser a Uma Hora Dessas?, que terá outros três títulos dando sequência a este, Snicket conta sobre sua pré-adolescência como espião antes de conhecer Violet, Klaus e Sunny.

Na história, o jovem Lemony Snicket começa o seu aprendizado em uma organização misteriosa e vai atender seu primeiro cliente para tentar solucionar seu primeiro crime. Ele escreveu um relato sobre tudo o que se passou, e esse é o primeiro livro que vai contar sobre o caso em questão.

LEMONY SNICKET X DANIEL HANDLER

Enquanto autor, Snicket cria enredos em que ele é o narrador e interfere diretamente nos acontecimentos da história, ao mesmo tempo em que opina e conversa com o leitor. 

“Suas histórias têm forte cunho de um humor muito peculiar e sarcástico, que eu criei através de um intenso estudo dos livros de P. G. Wodehouse, Dorothy Parker e Franz Kafka”, lembra Handler .

 
Livros do autor
Além dos livros serem voltados para o público juvenil e serem do gênero mistério, Snicket normalmente escreve uma série de obras para contar uma determinada história, como aconteceu em Desventuras em Série, com 13 volumes no total.

“Um único livro não é suficiente para ele. Você vai percebendo que sua justiça moral e paranoia vão se desenvolvendo em cada um dos livros da série. Aos poucos ele vai perdendo a inocência e desvendando o grande mistério que cerca tudo. Em um único livro ele não conseguiria contar tudo o que queria para o leitor”, diz Handler.

Já Handler gosta de escrever livros adultos, com forte cunho romântico e temas reais e contemporâneos, onde o narrador é o personagem principal. Handler comentou: “Minhas influências literárias ultimamente são Raymond Chandler, Haruki Murakami, Chelsea Minnis e Alice Munro, nos quais eu busco a inspiração de seus livros para criar minhas próprias histórias”.

O último lançamento de Handler foi Por Isso a Gente Acabou (Companhia das Letras), que trata de uma situação difícil pela qual todos um dia irão passar: o fim de uma relação amorosa e toda a angústia, tristeza e incerteza que essa vivência pode gerar. Ele já afirmou que está trabalhando em outro livro e que também será um romance adulto.

“A melhor coisa disso tudo é que eu ganho a vida através da literatura e que posso passar grande parte do meu dia imaginando histórias e ações em livros, tanto para Snicket quanto para mim. Isso é muito mais do que eu sonhei para minha vida”, lembra Handler.

 
Daniel Handler
 
Recomendamos para você