Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Livros 20.03.2013 20.03.2013

Leitores especulam sobre adaptação de ‘A Hospedeira’

Por Fernanda Oliveira
 
A adaptação cinematográfica do best-seller A Hospedeira, de Stephenie Meyer, estreia aqui no Brasil em 29 de março. Com poucos dias para a chegada do filme às salas de cinema de todo o País, a ansiedade dos admiradores do livro só aumenta. E a recepção tem tudo para causar estardalhaço, assim como os longas da saga Crepúsculo, sucesso mundial da escritora norte-americana.
 
Na história, a Terra é invadida por alienígenas chamados de “almas”, que usam o corpo humano como hospedeiro. Assim, os homens passam a não ter mais consciência, agindo de acordo com os invasores. Mas Melanie consegue resistir ao domínio da alma Peregrina (Wanda). Na luta pela mente de sua hospedeira, a invasora descobre sentimentos humanos, inclusive o amor de Melanie por Jared. Daí surge um inesperado triângulo amoroso, em torno do qual se desenrola toda a trama.
 
Para os leitores aficionados, sem dúvida, a principal expectativa é a fidelidade do filme à obra literária. “Espero, realmente, que seja fiel ao livro, e não baseado”, diz Nathália Santos. Já Laís Llani acrescenta que está aguardando riqueza de detalhes, algo bastante marcante na narrativa da autora.
 
Bianca Marinho acredita que o filme ficará longe dos típicos longas sobre extraterrestres. “Quero que ele convença a todos de que se trata de uma Terra distinta, e não apenas de um mundo dominado. Também deve ficar claro para os espectadores que os alienígenas são seres civilizados”, destaca.
 
                                                                             Crédito/Open Road Film
Saoirse Ronan interpreta a hospedeira Melanie e a invasora Peregrina 
 
No entanto, sabem que não é possível ter obras exatamente iguais. "A Stephenie sempre prezou pela fidelidade das adaptações cinematográficas de suas narrativas. Então, mesmo com as mudanças que obviamente precisam ser feitas em busca de encaixar melhor o livro na tela, dá para sentir que são para melhor e não vão afetar a essência da história", declara Cinthia Maira.
 
PONTOS PRINCIPAIS DA HISTÓRIA E ESCOLHA DO ELENCO
 
Quando questionadas sobre o que não pode ficar de fora do filme, as leitoras apontam diferentes partes da história. Para Bianca, é essencial evidenciar a bondade e a pureza da invasora Peregrina, mostrando que não há uma briga entre mulheres (entre ela e Melanie, sua hospedeira), mas a busca pelo equilíbrio entre bem e mal, paz e guerra, luz e escuridão.
 
                                                                              Crédito/Open Road Film
Max Irons vive Jared, que resiste e luta pela reconquista da Terra
 
Cinthia acredita que é fundamental mostrar a essência humana e sua resistência. "Não podem faltar diálogos sobre a diferença entre corpo e mente. Além disso, é importante evidenciar a luta diária dos humanos pela reconquista de seu planeta. Espero que as críticas feitas à nossa sociedade egoísta e individualista também estejam lá, apesar de que a maior parte vem da narração de Peregrina (todo o livro é narrado pela invasora, sendo a história apresentada do seu ponto de vista), o que acho que pode se perder na adaptação".
 
O envolvimento de Peregrina com Ian (um dos membros do grupo de resistência dos homens) é citado por Joice Ferreira e Nathália. "Uma das partes mais bonitas do livro é o amor que Ian sente por Peregrina. Mesmo sendo um romance impossível, ele continua e insiste. Ele se apaixona pela pureza dela, e não porque o corpo em que ela está (de Melanie) é bonito", detalha Joice. E Nathália completa: “Os momentos de afeto entre eles são cenas muito lindas. Jared não é completamente o mocinho da história”.
 
                                                                             Crédito/Open Road Film
Diane Kruger é a Buscadora, alma que procura capturar resistentes humanos 
 
Com Saoirse Ronan interpretando Melanie/Peregrina e Max Irons vivendo Jared, a escolha dos protagonistas e de outros atores e atrizes para a composição do elenco do longa não agradou de imediato grande parte dos aficionados. Isso porque muitos dos artistas não têm a descrição física dos personagens, mas acompanhando a repercussão das filmagens e as prévias lançadas, como os trailers, já há uma aceitação geral.
 
Segundo Cinthia, a atriz Diane Kruger como a Buscadora (alma que procura sobreviventes humanos) é a que recebe mais críticas dos admiradores da obra, pois não tem as características marcantes da personagem – baixa estatura e pele morena, por exemplo. Por outro lado, Max Irons tem total aprovação. "Ele possui os cabelos, os olhos, as ruguinhas e a pegada descritos por Stephenie. Max é muito Jared", ressalta Bianca.
 
Com o lançamento próximo do filme, Saoirse conseguiu ser aceita aos poucos, sobretudo devido à qualidade de seu trabalho. "Ela foi ótima. Como Melanie, consegue passar a imagem de pessoa forte e corajosa. E como Peregrina, transmite muito da pureza sobre-humana da invasora", explica Joice.
 
                                                                              Crédito/Open Road Film
Melanie (Saoirse Ronan) resiste à alma invasora e se junta a outros que lutam contra os alienígenas
 
COMPARAÇÕES
 
Apesar de serem histórias bem diferentes, é inevitável a comparação entre A Hospedeira e a saga Crepúsculo, por serem adaptações de obras escritas pela mesma autora. Além disso, ambas têm elementos em comum: um triângulo amoroso e o relacionamento entre um ser humano e uma criatura de natureza distinta.
 
"Não tínhamos Bela, Edward e Jacob? Agora, teremos Jared, Peregrina e Melanie", aponta Laís, que acredita ser a única semelhança entre os longas. "As relações em A Hospedeira são muito mais complicadas, e diria que menos melosas também", completa Cinthia, agregando o dinamismo como uma evolução do filme se comparado à obra literária.
 
Stephenie Meyer, autora do best-seller A Hospedeira
 
"O livro em si tem um problema, que é a falta de ação. Além disso, a história é um pouco confusa no começo. Mas o filme é mais rápido, e já é possível notar pelo trailer que a ação será maior. O longa ainda tem como atrativos: um elenco talentoso e cenários interessantíssimos, como o deserto, as cavernas habitadas por humanos e a Terra invadida por alienígenas, que parece muito mais futurista do que no livro. Isso graças à visão do diretor Andrew Niccol, na minha opinião, um dos melhores no gênero ficção científica."
 
Veja o trailer de A Hospedeira:
 

 
 
DATA DE ESTREIA DE A HOSPEDEIRA
29 de março
 
PARA SABER DETALHES DA HISTÓRIA
A Hospedeira – Stephenie Meyer
Editora Intrínseca
 

 
Recomendamos para você