Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Filmes e séries 05.04.2013 05.04.2013

Jessica Chastain leva mulheres inspiradoras para os cinemas

Por Willians Glauber
 
Ao longo das cenas de Mama, que estreia dia 5 de abril nos cinemas, é praticamente impossível reconhecer Jessica Chastain à primeira vista.
 
De cabelos curtos e negros, tatuada e com maquiagem à la roqueira, a atriz, que é naturalmente ruiva, transformou-se para interpretar uma personagem que vivencia dramas e momentos assustadores.
 
Desde seu primeiro longa-metragem, Jessica busca personagens opostas, capazes de inspirar, fascinar e comover a própria atriz e os espectadores.
 
ANNABEL
A atriz ficou empolgada ao saber que interpretaria uma mulher que se transformava ao longo do filme. Em Mama, Annabel não faz muita questão de amadurecer ou adquirir responsabilidades – seu namorado sexy e sua banda de punk já são preocupações suficientes. Ela é pega de surpresa e vê tudo mudar quando duas crianças chegam à sua vida.
 
Sustos e problemas maternais à parte, Mama traz às telonas uma Jessica Chastain diferente de todos os seus outros filmes, o que era exatamente o intuito da atriz. “Buscar personagens diferentes entre si e trabalhar fora da zona de conforto permite que um ator teste novas ferramentas e desenvolva novas técnicas de expressão”, explica a atriz, dramaturga e cantora Anna Toledo.
 
SENHORA O’BRIEN
Foi depois que Jessica interpretou a esposa de Brad Pitt nas telonas, em 2011, que a carreira dela deslanchou. A interpretação da atriz em A Árvore da Vida (do diretor Terrence Malick) conquistou críticos e público e a colocou sob um holofote que não se apagará tão cedo.
 
                                                                                Crédito/Fox Searchlight Pictures
Jessica Chastain teve que esperar longos três anos até que o filme A Árvore da Vida ficasse pronto; a partir dele, a carreira da atriz deslanchou
 
No filme, a Senhora O’Brien é uma mãe e dona de casa perfeita, devotada à família e submissa ao marido. Uma mulher definida pelo homem com quem se casou e que não opina ou interfere em nada.
 
CELIA
Para interpretar a personagem de Histórias Cruzadas, de 2011, Jessica teve que aflorar seu lado ingênuo e sensual. Com cabelos loiros à la Marilyn Monroe e sotaque interiorano, Celia expõe uma fragilidade e uma dependência do marido, mas, ao contrário da Senhora O’Brien, ela faz de tudo para ser ouvida e insiste em mudar as coisas.
 
                                                      Crédito/Dale Robinette DreamWorks II Distribution 
Jessica se destacou em Histórias Cruzadas ao interpretar a ingênua Celia. A personagem lhe rendeu indicações ao Oscar e ao Globo de Ouro
 
Jessica não era a escolha mais óbvia para interpretar Celia e precisou lutar bastante pelo papel. Para compor a personagem, a atriz leu muitos livros sobre Marilyn, visitou diversas vezes o Tennessee (cidade natal da personagem) e ganhou alguns quilos.
 
A atuação de Jessica em Histórias Cruzadas trouxe a ela indicações ao Oscar e ao Globo de Ouro nas categorias de Melhor Atriz Coadjuvante. “Parafraseando um ditado bastante conhecido: não é o tamanho do papel que conta, mas como ele pode ser desenvolvido. Quanto mais o ator puder explorar a tridimensionalidade do personagem, mais interessante ele será”, comenta Anna. 
 
MAYA
A protagonista de A Hora Mais Escura, de 2012, traz à tona um tipo de mulher que Jessica queria muito interpretar: uma que fosse definida por suas próprias ações, por seu trabalho, e não pelos homens de sua vida.
 
                                                                     Crédito/Columbia Pictures Industries, Inc. 
Para viver a agente Maya em A Hora Mais Escura, Jessica memorizou todos os cargos da CIA e aprendeu terminologias da agência estadunidense
 
Maya é uma agente da CIA, recrutada para a agência estadunidense logo que terminou o ensino médio. Imersa em uma investigação que durou mais de dez anos, ela é a responsável por encontrar Osama Bin Laden e orquestrar sua execução. O elogiado trabalho de Jessica no filme lhe rendeu o Globo de Ouro de Melhor Atriz e a indicação ao Oscar na mesma categoria.
 

Mais uma vez, Jessica Chastain conseguiu provar que é capaz de dar vida às mais distintas personagens. “A versatilidade é sempre algo muito importante para uma atriz, demonstrar que pode fazer de tudo um pouco. Mas talvez o ponto mais importante seja o de não ficar estereotipada, presa a um único tipo de personagem”, argumenta o crítico de Cinema Pablo Bazarello.  

 
JESSICA E OS FILMES NUNCA LANÇADOS
O primeiro longa-metragem da atriz não estreou até hoje. Wild Salome foi dirigido por Al Pacino, que também contracenou com Jessica no filme. A princípio, ela fez audição para a peça homônima, que, depois da temporada nos palcos, ganhou uma adaptação cinematográfica. A produção foi exibida apenas no Festival de Veneza de 2011.
 
Wild Salome foi o primeiro longa-metragem de Jessica Chastain. A atriz dividiu cena e foi dirigida por Al Pacino, mas o filme nunca foi lançado
 
Graças a Wild Salome, Jessica conseguiu sua segunda protagonista, uma adolescente órfã que viaja durante 10 anos pelos Estados Unidos, experimentando a vida. O filme Jolene, de 2008, só foi exibido em festivas pelos EUA.
 
E SÃO VÁRIAS AS PERSONAGENS
Além de Maya, Celia, Senhora O’Brien e Annabel, a atriz Jessica Chastain deu vida a outras mulheres no Cinema, que só atestam o talento camaleônico da atriz. Entre essas personagens estão Rachel (de No Limite da Mentira/A Grande Mentira), Samantha (de O Abrigo), Virgilia (de Coriolano), Pam Stall (de Em Busca de Um Assassino) e Maggie (de Os Infratores). “Transitar por diferentes gêneros cinematográficos só tem a acrescentar na carreira de um ator ou uma atriz”, conclui Bazarello.
 
A atuação da atriz em Jolene foi bastante elogiada. Jessica recebeu o prêmio de Melhor Atriz no Seattle International Film Festival
 
E há outros tantos personagens que ainda virão ao longo da carreira de Jessica. Em 2013, ela dará vida a Eleanor em dois filmes (The Disappearence of Eleanor Rigby: Hers e The Disappearence of Eleanor Rigby: His) e, em 2014, trará Julie (em Miss Julie) aos cinemas.
 
Assista ao trailer de Mama:
 
 
 
Recomendamos para você