Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Livros 18.10.2010 18.10.2010

IMPRECISO

Por Omar Salomão

      
              

“”Impreciso é, antes de qualquer outra coisa, uma busca poética. Umatentativa de fluir sem amarras, sem terno, gravata, uniforme. Em 2005 lanceimeu primeiro livro À Deriva (ed.Dantes), preparava um segundo para lançar em 2009, mas de repente o livro – editado,tipografado, impresso – não fazia mais sentido para mim. Eu queria que o objetotivesse uma vida para além da leitura, que a vida pulsasse nele. Eu queria sairda monotonia tipográfica e que a parte visual se torna-se um elementoparticipativo da minha escrita. Que conteúdo e forma pudessem se somar de formaorgânica gerando por vezes uma terceira camada – subjetiva – através do que eunão consigo esconder de mim na minha mão.

Impreciso é uma busca poética. Adeformação lúdica do sonho. Os poemas perderam título, se fragmentaram, seconfudem. Impreciso. Nesse processo de escrita, reescrita, me afeiçoei à minhaescrita, à minha letra, minhas rasuras, ao meu caderninho. Tornou-se parte doprocesso, da vida que encontro/invento nas frases. A intensidade. Como se acaligrafia mantivesse o texto quente. E cheio de segredos. Pois a vida sedescobre na pele, se vive na unha. Afinal, a morte só existe nos outros.Afinal, não se morre senão de medo.

A letra descobre o poeta. Porisso Impreciso parte de um livro-caderno manuscrito. Com erros visíveis,páginas rasgadas, rasuras, rabiscos. Impreciso é um trabalho visual que temcomo eixo a poesia. Não a toa outro braço é a série Eixo. Um quadro preso àmoldura apenas por um eixo central que gira. Um quadro com frente e verso – deum lado foto, do outro poema, em ambos poesia – preso como um móbile, quecolocado em pé sobre uma superfície adquire uma tensão entre estabilidade efragilidade, parado mas com a potência do movimento. A fragilidade também seencontra na escrita do poema, feita com lápis de olho, que borra com o toque.Item feminino, sorrateiramente apossado pelo poeta, para escrever suasangústias, incertezas, medos – motivados, em diversos momentos, por ela. Olápis dos olhos dela para exprimir o interior dele.

A instabilidade dos olhos, o eixoestático e frágil deriva as fotos de Turbulências são apenas nuvens no caminho- um borrão, uma mancha de terra ou tinta que se revela um poema impulsivamentedestruído – lê-se apenas palavras do início e do fim.

Instabilidade do sonho, que setransforma sem aviso, sem razão. Que engana o olhar, onde as coisas podem ser oque parecem ser, mas também podem ser outras coisas.
(A ) ( O ) MAR segue ailusão, se assemelhando com fotos da água do mar, que se transforma em tecido,que revela uma mulher dormindo.

Anotei os meus sonhos/ porque sonhos se misturam e perde-se sentido/como se ar fosse labirinto e nuvens ilusão/ sem definir linha rabiola cerol /pipa se prende pra voar / piões desmancham cores ao dançar/ mas o que escondemas cores?“”


Serviço:

Impreciso, de Omar Salomão

De 1 a 31/10

Terça a Sexta-feira de 9h às 21h | Sábado e Domingo de 9h às 18h

Sesc Barra Mansa

Rua Tenente José Eduardo, 560 – Barra Mansa /RJ

Recomendamos para você