Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Livros 30.05.2010 30.05.2010

Iê iê iê na serra

Por Bruno Dorigatti, de São Francisco Xavier
Fotos de Tomás Rangel

Arnaldo Antunes trouxe a São Francisco Xavier o show de seu álbum mais recente, lançado em 2009. Em Iê iê iê, um dos melhores discos do ano passado, o ex-titã mergulha fundo na jovem guarda, com rocks que remetem aos anos 1950 e bebem em outras sonoridades da época, como a surf music e o calypso jamaicano. No show, realizado num enorme quintal no centro de São Francisco Xavier, Arnaldo e a banda que o acompanha – formada por Edgar Scandurra na guitarra, Curumin na bateria, Marcelo Jeneci nos teclados, Chico Salem na outra guitarra e Betão Aguiar no baixo – apresentaram praticamente todas as músicas do novo trabalho, que inclui ótimas canções como “”Iê iê iê””, “” Vem cá””, “”Longe””, “”Envelhecer””, “”Sua menina””. 

Um frenético Arnaldo dançou e pulou, desceu para cantar com a platéia e fez versões “”do querido Odair José””, que aliás é influência marcante na sonoridade de Iê iê iê, de Luiz Melodia e do conhecido samba de Neoci, Dida e Jorge Aragão, “”Vou festejar”” (“”Chora!/ Não vou ligar/ Chegou a hora/ Vais me pagar/ Pode chorar””). Além disso, cantou alguns clássicos de seu repertório, como “”Meu coração”” e “”Socorro””, enquanto uma fã segurava um vinil de Cabeça dinossauro, e outras pediam a música.

Scandurra deu um show a parte, assim como Curumin na bateria e Jeneci nos teclados, músico que finaliza seu primeiro disco (veja o vídeo ao final). E Arnaldo demonstrou que é possível envelhecer com dignidade, como canta na música que leva este nome: “”Não quero morrer pois quero ver como será que deve ser envelhecer/ eu quero é viver pra ver qual é e dizer venha pra o que vai acontecer””. 

> Confira as entrevistas exclusivas de Arnaldo Antunes e Marcelo Jeneci

Recomendamos para você