Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Filmes e séries 30.11.-0001 30.11.-0001

Homens de Preto: filmes de outro mundo

Por Edu Fernandes
 
O lançamento de filmes em trilogias é um formato consagrado pela indústria cinematográfica. Por isso, esses conjuntos de produções têm semelhanças entre si. No entanto, Homens de Preto parece fugir de algumas regras.
Muitas dessas trilogias, como Homem-Aranha (2002-2007) e X-Men (2000-2006), são baseadas em histórias em quadrinhos, mas raramente a adaptação para o cinema ofusca a obra original. Porém, quando se pensa nos agentes secretos com nomes de letras do alfabeto fora da tela grande, a maioria das pessoas irá se lembrar apenas da séria animada (1997-2001).
Os quadrinhos de Lowell Cunningham caíram no esquecimento, exceto para os fãs mais vorazes. Uma razão para isso são as grandes diferenças entre as versões para os dois meios. Os filmes são muito mais leves e realizados para ser entretenimento em família, enquanto os quadrinhos trazem violência e incluem atividades paranormais como alvo das investigações dos agentes, além dos extraterrestres.
Outra singularidade de Homens de Preto é o espaçamento dilatado entre as datas dos três episódios. O segundo filme foi lançado cinco anos depois do primeiro, enquanto o mais recente – que chega às lojas em DVD e Blu-ray – demorou mais dez anos para estrear. Se mantiver essa progressão, a próxima aventura de K e J deverá chegar aos cinemas em 2032.
 
No primeiro filme, J é recrutado para a organização secreta
 
MIB – Homens de Preto (1997): um time difícil de formar
Antes de os personagens saírem das páginas dos quadrinhos e começarem as gravações, a equipe de produção teve de se esforçar um bocado para conseguir juntar elenco e diretor. Até Barry Sonnenfeld (A Família Adams) assumir o cargo de chefia, os nomes cotados para dirigir o filme eram Quentin Tarantino (Jackie Brown) e John Landis (Thriller).
O último achou que a premissa era muito parecida com a de Os Irmãos Cara de Pau (1980), dirigido por ele, e por isso não aceitou entrar no projeto. Mais tarde, Landis confessou que se arrependeu da decisão.
A busca pelo protagonista foi outra batalha. David Schwimmer (Cash – Em Busca do Dólar) foi convidado para o papel, mas recusou. Outro que também não aceitou entrar no projeto foi Chris O’Donnell, com a justificativa de que a jornada do agente J era parecida com a de Robin, papel que ele interpretara em Batman – Eternamente (1995). O’Donnel temia ficar marcado para sempre por viver dois personagens “discípulos” seguidos.
A esposa de Sonnenfeld gostava do seriado Um Maluco no Pedaço (1990-1996) e propôs que o protagonista fosse interpretado por Will Smith. A princípio, o ator não gostou da ideia. Aí foi a vez da esposa dele, a atriz Jada Smith, intervir. Ela convenceu o marido a aceitar o papel. Mais tarde, quando recebeu a ligação telefônica do produtor Steven Spielberg, Smith não acreditou que estava falando com o famoso cineasta.
Spielberg foi crucial para convencer Tommy Lee Jones (Volcano) a participar do filme. Clint Eastwood (As Pontes de Madison) já havia recusado o papel de agente K e Steven teve de jurar que o roteiro seria aprimorado antes das gravações para garantir a presença de Jones no set. O ator tinha achado a primeira versão do texto insatisfatória.
 
No segundo filme, J precisa ajudar K a recuperar sua memória para derrotar a vilã Serleena
 
MIIB – Homens de Preto II (2002): tragédias pelo caminho
Com 88 minutos de duração, o segundo filme é o mais curto da série. Isso porque o final teve de ser alterado de última hora. O plano original era ter um enxame de OVNIs saindo do World Trade Center para atacar os mocinhos. Com a queda das torres, cortes foram realizados.
Outra tragédia já tinha sido superada pela equipe no começo das gravações. A atriz Franke Janssen (a Jean Grey de X-Men) era a escalada para viver a vilã Serleena, mas sofreu uma perda na família e se viu obrigada a abandonar o posto. Para seu lugar, foi chamada Lara Flynn Boyle (Roubos e Trapaças), que precisou regravar algumas cenas.
 
No mais recente filme, J volta aos anos 60 para salvar o jovem K (Josh Brolin)
 
MIB³ – Homens de Preto 3 (2012): aparições ilustres
Uma das piadas recorrentes da franquia é “revelar” que algumas celebridades são na verdade alienígenas, como o cantor Elvis Presley e o jogador de basquete Dennis Rodman. Na produção mais recente, o telão no QG dos Homens de Preto traz novos nomes para o time dos visitantes: os atletas David Beckham e Yao Ming, a cantora Lady Gaga, o cineasta Tim Burton (Sweeney Todd) e o empresário Bill Gates.
Outro convidado de honra nas cenas do longa é o diretor Barry Sonnenfeld e sua família. Ele e a esposa aparecem no sofá assistindo ao lançamento da nave Apollo 11. A filha do casal, Chloe, aparece em outro momento. Ela é a hippie que está em Conney Island, em 1969. Chloe já havia feito uma participação no filme anterior da série, como a garotinha na agência dos correios.
 
Veja o trailer de MIB³ – Homens de Preto 3:
 

 
 
 
Recomendamos para você