Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Filmes e séries 20.07.2009 20.07.2009

Harry Potter e o enigma do príncipe

Liberado pela Igreja Católica, que elogiou a mais nova seqüência da saga que envolve magia e mistérios em seu jornal, L’Osservatore Romano, Harry Potter e o enigma do príncipe vem batendo recordes de bilheteria e exibição em todo o planeta. O antepenúltimo filme da série – na verdade, é a adaptação do sexto dos sete livros, mas o último volume será desdobrado em dois filmes – estreou no último dia 15 de julho e desde então vem arrebatando platéias mundo afora. 
Arrecadou mais de US$ 22 milhões (cerca de R$ 42,5 milhões) na estréia da meia-noite da última terça para quarta-feira, 15 de julho, nos Estados Unidos. Já no primeiro dia de exibição, foram mais de US$ 104 milhões (R$ 201 milhões) em todo o mundo. A primeira cifra é recorde, superou a de O Cavaleiro das Trevas, último filme de Batman, que no ano passado faturou US$ 18 milhões (R$ 34,8 milhões) em sua estréia. A expectativa tinha sido o ator Heath Ledger, que interpretou o Coringa, e havia falecido em janeiro, antes da estréia do filme, em meados de 2008.
Mas desta vez, é a continuação da saga do bruxinho que vem provocando uma verdadeira correria aos cinemas, assim como já fez quando a série foi lançada em livro, escrita por J.K. Rowling, provocando filas quilométricas madrugada adentro em vários pontos do planeta. Só no Brasil, são mais de 700 cópias em exibição, em versões dubladas e legendadas. 
Nesse sexto filme, Harry Potter, seus amigos e colegas têm que enfrentar, além das já habituais magias, poções e provas, o amadurecimento e o amor – e as frustrações que ele traz -, uma aproximação com o mundo real, preocupações que passam ao largo dos demais episódios. Dirigido por David Yates, responsável pelo quinto filme da saga, Harry Potter e a Ordem da Fênix, lançado em 2007, e roteirizado por Steve Kloves, autor do roteiro dos quatro primeiros filmes, Harry Potter e o enigma do príncipe traz as dúvidas amorosas do protagonista, às voltas com Gina, a irmã de seu melhor amigo, Rony, que também se vê enredado com o amor de Hermione e outra aluna de Hogwarts, a escola onde os bruxos estudam.
Para além de Hogwarts, a confiança na volta de Voldemort, interpretado por Ralph Fiennes, faz com que os Comensais da Morte espalhem o terror e a destruição por onde passam. Harry segue firme na busca das origens dos poderes de seu rival – junto com o diretor Alvo Dumbledore – e cuja esperada batalha final se desenrolará nas duas partes finais, a serem lançadas em 2010 e 2011.
Harry Potter é uma curiosa aventura que vem se desenvolvendo nesta última década, acompanhando e registrando o crescimento dos autores e também do seu público. Daniel Radcliffe e companhia praticamente cresceram diante das câmeras. No filme inicial, ele tinha 12 e agora completa 20 anos. Junto a isto, deu-se também o amadurecimento da história e de seus personagens, com momentos que abordam as diatribes humanas, na saga que até então fixava-se no mundo fantasioso e mágico de bruxos, vilões, monstros e quetais.
Além disso, é preciso lembrar o quanto a série, que já vendeu 900 milhões de exemplares no mundo inteiro desde que foi lançada, tem influenciado as crianças e os adolescentes a entrarem no mundo da leitura. Apesar de que muitos ainda criticam a história do bruxinho que conquistou o planeta e cuja marca é avaliada em US$ 4 bilhões, é inegável o apelo e presença que ele tem, seja para semear a leitura de livros de mais de 400 páginas em gente que pouco ou nada estava acostumado a ler, ou para ajudar a vender qualquer um dos mais de 400 produtos licenciados com o seu nome e imaginário.
> Confira o trailer de Harry Potter e o enigma do príncipe 
Recomendamos para você