Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Filmes e séries 14.07.2011 14.07.2011

Harry Potter: 14 anos de legado

Por Danielle Motta

 
Para os fãs da série Harry Potter, o filme Harry Potter e as Relíquias da Morteparte II, que chega aos cinemas nesta semana, representa o último suspiro em relação à saga do bruxinho que ganhou fama no mundo todo. Mesmo 14 anos após o lançamento do primeiro livro, a trama que destaca a amizade entre Harry Potter, Ron e Hermione e a luta dos três contra o mal continua a movimentar um mercado que registrou alguns dos maiores recordes editoriais e cinematográficos da história.

Os sete títulos venderam mais de 400 milhões de exemplares nos quatro cantos do planeta e foram traduzidos para 65 idiomas, transformando-se na maior série infantojuvenil de todos os tempos. Somente no Brasil, a Rocco vendeu mais de três milhões de unidades e, de acordo com a editora americana Scholastic, o último livro, Harry Potter e as Relíquias da Morte, alcançou 11,5 milhões de exemplares nos primeiros dez dias de venda nos EUA – 8,3 milhões deles apenas nas primeiras 24 horas. Com as incríveis marcas, a escritora britânica J. K. Rowling tornou-se a mulher mais poderosa do ramo literário – e a mais lucrativa.
 
No cinema, os números não são diferentes. Harry Potter é a franquia de maior sucesso nas telonas. Segundo a Warner, de 2001 a 2010, os sete filmes faturaram US$ 7,1 bilhões em bilheteria – média de US$ 1 bilhão por sequência. Isso significa mais que o dobro do que faturaram as superproduções de Star Wars, entre 1977 e 2005. Os valores vão aumentar ainda mais, pois além da grande expectativa para o lançamento do último filme, a Warner Bros. pretende adaptar cada um deles para a tecnologia 3D.

 
O FIM

As aventuras de Harry Potter e seus amigos Ron e Hermione estão prestes a terminar. No dia 15 de julho estreia mundialmente o último filme da série de oito, o longa-metragem Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte II, dirigido por David Yates, o mesmo diretor de Harry Potter e a Ordem da Fênix e Harry Potter e o Enigma do Príncipe. A trama é a continuação da produção lançada em novembro do ano passado e mostra o final épico da batalha entre o bem e o mal no mundo dos bruxos. Desta vez, Harry Potter enfrentará o desafio mais difícil de sua vida no confronto com o seu arqui-inimigo, o Lorde Voldemort.

 
 
 
RAZÕES DE SUCESSO
 
Desde que foram lançados pela primeira vez, em 1997, os livros de Harry Potter não só ganharam destaque entre as ondas literárias para o público infantojuvenil, como moldaram pensamentos e comportamentos de uma geração. A sua longa duração tem influenciado pessoas desde a infância, passando pela adolescência inteira e, em alguns casos, seguindo até a fase adulta.

Para Frini Georgakopoulos, jornalista e mediadora do Clube do Livro Saraiva, no Rio de Janeiro, entre os motivos que colocaram Harry Potter em primeiro lugar na preferência de tanta gente está o fato de J. K. Rowling ter escrito uma obra que tanto crianças quanto adolescentes pudessem ler e entender. “Os temas abordados remetem a várias idades, não é algo exclusivo para o público infantil. É uma saga que faz os leitores se apaixonarem pelo simples prazer de ler”, explica Frini.

Ao tratar de amizade, família, ética, estudos e tolerância, as narrativas de J. K. Rowling captaram e anteciparam as necessidades da juventude do final do século 20 e início do 21 e, como resultado, criaram valores e apresentaram respostas aos principais dilemas comuns a essa idade.

De acordo com Maria Aparecida de Souza, especialista em literatura infantojuvenil, a série é repleta de simbolismos e garante aos fãs a possibilidade de integrar o mundo fantástico criado pela autora à realidade de cada um dos leitores, sem deformá-la. “Existe uma grande polêmica em torno dos benefícios que a leitura de Harry Potter traz ao público a que se destina. A corrente dos que acreditam na boa influência para a formação pedagógica e educacional de crianças e adolescentes defende que eles se sentem motivados a aprender sobre diferentes temas retratados nos textos, muitas vezes, fazendo um paralelo real com o seu cotidiano. Além disso, o fenômeno Harry Potter incentivou a leitura entre jovens e serviu de inspiração para escreverem mais ou mesmo destinarem blogs a tópicos relacionados às temáticas que envolvem os livros”, defende Maria Aparecida.

O fã e estudante de Publicidade e Propaganda Daniel Rocha Lima, de 23 anos, é um dos que aderiram à leitura depois de conhecer Harry Potter. “Já li cada livro da saga cerca de 10 vezes. Eles me motivaram a ler mais e até a escrever, algo em que tenho investido bastante”, ressalta Lima.

 

ALÉM DOS SETE LIVROS

A “Harry Potter mania” vai além dos sete títulos principais escritos por J. K. Rowling. A britânica também lançou Os Contos de Beedle, O Bardo (Rocco), que é mencionado em Harry Potter e as Relíquias da Morte como um presente do mestre Dumbledore para Hermione. A obra reúne uma coletânea de contos de fadas dos bruxos e traz curiosidades sobre o passado de Hogwarts.

Quadribol Através dos Séculos, de Kennil Worthy Whisp, Animais Fantásticos & Onde Habitam, de Newt Scamander, e Harry e Seus Fãs, de Melissa Anelli, todos da Rocco, também tratam do universo de Harry Potter. O primeiro revela os segredos do esporte preferido no mundo do bruxinho, como o surgimento do pomo de ouro. O segundo é o livro de estudo utilizado por Harry Potter e seus amigos na versão dos trouxas e explica, por exemplo, qual é o hábitat do quintípede. Já o terceiro conta a história de uma jovem universitária (a própria autora) ao descobrir Harry Potter, uma de suas maiores paixões.

 

HISTÓRIAS DE FÃS

Fã de verdade sempre tem uma história para contar, seja de alguma loucura realizada por amor à saga ou de algo que mudou em sua vida depois de se apaixonar pelas histórias dos livros e dos filmes de Harry Potter. Débora Reis Pinto, a Débora “Black”, como gosta de ser chamada, tem os dois. Aos 28 anos, ela segue tudo sobre Harry Potter desde que leu, em 2000, o primeiro e o segundo livros em apenas uma semana. Algumas das escolhas mais importantes que teve de fazer foram influenciadas por Harry Potter, como a formação profissional em Letras. Ela também tem uma tatuagem de Harry Potter com a frase que aparece em todos os livros e é lema de Hogwarts: "Draco Dormiens Nunquam Tittilandus", e ainda pretende tatuar o autógrafo de J.K. Rowling que conseguiu ao conhecer a escritora em uma viagem à Inglaterra. “Recusei um carro de presente para fazer uma viagem a Londres em 2007. E não me arrependo. Foi nela que realizei o maior sonho de fã: conheci J.K. Rowling e tive meu livro autografado depois de esperar na rua, à porta do Museu de História Natural, durante oito horas madrugada adentro”, revela Débora. Agora, a expectativa é para o lançamento de Harry Potter e as Relíquias da Morte – parte II. “Como é o último, tem de ser algo muito especial. O cosplay será o uniforme de Hogwarts, o mesmo modelo que usei em 2002, em Harry Potter e a Câmara Secreta. Mas agora ele está mais bem-feito, perto do original, com peças importadas da Inglaterra para se equiparar ao que veremos no filme”, garante.

A própria Frini Georgakopoulos é fã de carteirinha da saga desde que leu o primeiro livro, em 2002. Sua relação com Harry Potter garantiu boas oportunidades profissionais, como a participação na organização do primeiro grande evento do país dedicado à série – o Potter Rio – e no livro O Destino de Harry Potter, além de um emprego em uma editora graças ao trabalho que realiza no site Rádio Patrono, o primeiro podcast brasileiro sobre a saga, idealizado por Frini e alguns amigos. “A Rádio surgiu da vontade de fazer algo novo relacionado a Harry Potter. O site está sendo reformulado, mas a cada programa abordamos vários temas diferentes sobre a série. Já tivemos o privilégio de entrevistar o ator Ralph Fiennes, que interpreta Voldemort, os criadores do jogo da EA Games, e Lya Wyler, tradutora dos livros”, destaca Frini.

Fanático desde 2001, os melhores amigos de Daniel Rocha Lima foram feitos graças a Harry Potter e, todos os anos, eles se reúnem no Halloween para uma maratona de quase 20 horas de filmes. Em 2008, Daniel viajou com a família para Nova York e assistiu à peça Equus, interpretada pelo ator Daniel Radcliffe, o Harry Potter. Depois da apresentação, o estudante esperou três horas do lado de fora do teatro, sob um frio de – 15° C, para vê-lo. “Todo o esforço valeu a pena. Consegui que ele autografasse o pôster da peça e desse um ‘olá’ para os fãs do Brasil, em um vídeo que gravei. Foi um momento único e, sem dúvidas, minha maior conquista como fã”, relembra Lima.

A estudante Daniela Carneiro, de 17 anos, também acompanha tudo sobre o bruxinho desde a infância, quando, aos 9 anos, assistiu ao primeiro filme na escola, em 2002. Para ela, Harry Potter é mais que literatura, pois foi através das amizades que fez depois de se apaixonar pelas histórias que ela deixou de lado a timidez. “Antes de conhecer Harry Potter, eu era bastante tímida, não tinha muitos amigos e meu desempenho na escola não era dos melhores. Ao me tornar membro do Fã-Clube Harry Potter Belém, conheci pessoas boas, que significaram muito em todos os aspectos da minha vida, inclusive nos estudos”, afirma Daniela.

Fundadora do Fã-Clube Harry Potter Belém, Thaís Hamile, de 21 anos, perdeu as contas de tudo o que já fez em nome de Harry Potter desde 2001, depois de ler o primeiro livro em inglês, antes mesmo de chegar a tradução ao Brasil. Ela tem mais de 200 revistas e cinco pastas lotadas de matérias, fotos e textos sobre Harry Potter. Também já escreveu para três sites especializados e, agora, contribui para o blog do fã-clube e faz cobertura dos eventos de Belém para o Potterish, o único site brasileiro premiado por J.K. Rowling. Thaís também coleciona algumas aventuras por causa de Harry Potter. “O lançamento do último título coincidiu com o dia do meu vestibular. A prova era à tarde e, pela manhã, participei da divulgação do livro. Saí de lá uma hora antes de iniciar a prova e quase a perdi”, relembra. Ela também nunca tinha deixado de ir a uma estreia, mas, no ano passado, foi atropelada na véspera do lançamento do filme Harry Potter e as Relíquias da Morte. “Eu estava no hospital e, momentos antes da estreia, decidi que iria ao cinema. Não poderia perder por nada, pois eu iria de Rowena Ravenclaw, que está entre os quatro fundadores de Hogwarts, e o grupo não poderia ficar desfalcado.
 
Mas a maior conquista que as histórias de J.K. Rowling proporcionaram a Thaís foi a aproximação com a mãe. “Fui criada por minha avó e, um dia, mostrei à minha mãe o terceiro livro. Ela leu, se apaixonou e, hoje, mesmo sem morarmos juntas, ela me ajuda na organização dos eventos do fã-clube. Pela importância que Harry Potter tem para mim, estou ansiosa para ver o último filme. Com certeza, assim como nos livros, ele deve deixar a mensagem positiva de esperança, do valor da amizade e do amor acima de tudo. As coisas realmente podem ser boas se todo mundo se unir”, conclui.
 
CLUBE DO LIVRO SARAIVA
 

 
Harry Potter é sinônimo de casa cheia no Clube do Livro realizado mensalmente pela Livraria Saraiva em diversas cidades do Brasil. O evento que reúne amantes da leitura para a troca de ideias sobre os mais variados temas da literatura é sucesso garantido quando o assunto é a saga de J.K. Rowling. “Os fãs vão em peso. O normal em cada edição, que é aberta ao público, é contar com a presença de 30 a 40 pessoas, mas, com Harry Potter, esse número ultrapassa 100”, revela Frini.

O encontro sobre a série do bruxinho aborda temas expostos nos livros e como eles foram adaptados para o cinema, a jornada dos personagens, elementos de estilo utilizados pela autora e até alguns erros cometidos por ela – e que só os fãs de carteirinha são capazes de perceber.

Quer participar? Então fique de olho na agenda de eventos da Saraiva de sua cidade para não perder o próximo Clube do Livro sobre Harry Potter.
 

 
Recomendamos para você