Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Livros 26.04.2013 26.04.2013

Guias para novos escritores

Por Eduardo Lemos
 
Você já pensou em ser escritor? Se sim, já deve ter percebido que fazer literatura não é tão simples quanto parece. Embora a inspiração seja primordial, há diversos mecanismos que ajudam uma história a nascer. O SaraivaConteúdo separou cinco livros que ensinam… a escrever livros! Cada um à sua maneira, eles podem ajudá-lo a tornar realidade o seu sonho de ser escritor.
 
Mãos à obra?
 
A Jornada do Escritor
Autor: Chistopher Vogler
Editora: Nova Fronteira
 
Simples e bem-humorado, o autor avaliou mais de 10.000 roteiros de cinema para ensinar o leitor a estruturar enredos e criar personagens. Ainda possui exercícios criativos que ajudam a detectar falhas na história e melhorar o texto.
Leia um trecho:
“No fundo, apesar de sua infinita variedade, a história de um herói é sempre uma jornada. Um herói sai de seu ambiente seguro e comum para se aventurar em um mundo hostil e estranho. Pode ser uma jornada mesmo, uma viagem a um lugar real: um labirinto, floresta ou caverna, uma cidade estranha ou um país estrangeiro, um local novo que passa a ser a arena de seu conflito com o antagonista, com forças que o desafiam.”
 
O Herói de Mil Faces
Autor: Joseph Campbell
Editora: Pensamento
 
Comparando as características de mitos ao longo dos tempos, Campbell prova que a maioria das narrativas segue os mesmos padrões, independente da época ou local em que foram escritas.
 
Leia um trecho:
 
“Quer escutemos, com desinteressado deleite, a arenga (semelhante a um sonho) de algum feiticeiro de olhos avermelhados do Congo, ou leiamos, com enlevo cultivado, sutis traduções dos sonetos do místico Lao-tse; quer decifremos o difícil sentido de um argumento de Santo Tomás de Aquino, quer ainda percebamos, num relance, o brilhante sentido de um bizarro conto de fadas esquimó, é sempre com a mesma história — que muda de forma e não obstante é prodigiosamente constante — que nos deparamos, aliada a uma desafiadora e persistente sugestão de que resta muito mais por ser experimentado do que será possível saber ou contar.”
 
 
O Zen e a Arte da Escrita
Autor: Ray Bradbury
Editora: Leya
 
Ray Bradbury é mais conhecido como autor do clássico Fahrenheit 451 (que versa, coincidentemente, sobre uma sociedade que vê o governo proibir a leitura de livros). Em O Zen e a Arte da Escrita, ele dá dicas de como encontrar ideias e argumentos para histórias e como desenvolver um estilo próprio de escrita.
 
Leia um trecho:
 
“Se você está escrevendo sem entusiasmo, sem prazer, sem amor, sem alegria, você é apenas meio autor. Significa que está tão preocupado em manter um olho no mercado, ou um ouvido no círculo de escritores de vanguarda, que não está sendo você mesmo. Talvez nem ao menos se conheça. A primeira coisa que um escritor deve ser é animado. Deve ser uma coisa de febres e entusiasmos. Sem esse vigor, seria melhor ele colher pêssegos ou cavar buracos.”

 
Como Funciona a Ficção
Autor: James Woods
Editora: Cosac Naify
 
Com uma prosa inteligente e bastante informal, Wood destrincha os elementos básicos contidos em qualquer história: o personagem, o foco narrativo, o estilo, etc., sempre citando como exemplo clássicos da literatura universal. Anote tudo.
 
Leia um trecho:
 
“A literatura é diferente da vida porque a vida é cheia de detalhes, mas de maneira amorfa, e raramente ela nos conduz a eles, enquanto a literatura nos ensina a notar — a notar como minha mãe, por exemplo, costuma enxugar a boca antes de me beijar o rosto; o som de britadeira que faz um táxi londrino quando o motor a diesel está em ponto morto; os riscos esbranquiçados numa jaqueta velha de couro que parecem estrias de gordura num pedaço de carne; como a neve fresca ‘range’ sob os pés; como os bracinhos de um bebê são tão rechonchudos que parecem amarrados com linha.”
 

As Entrevistas da Paris Review vols. 1 e 2
Autor: Vários
Editora: Companhia das Letras

 
Se todos os livros até aqui tratam da arte da escrita e apresentam sugestões de como criar histórias, este é um pouco diferente – mas igualmente necessário aos aspirantes a escritor. A obra As Entrevistas da Paris Review (editada no Brasil em dois volumes, ambos essenciais) apresenta uma seleção rigorosa de grandes entrevistas publicadas pela prestigiosa revista literária norte-americana. Você terá em mãos conversas informais e muito esclarecedoras com autores do quilate de Truman Capote, Jorge Luis Borges, Paul Auster, Ernest Hemingway, dentre outros. Ao comentarem seus processos de criação e o sucesso (ou fracasso) de suas obras, esses escritores nos dão verdadeiras aulas sobre como fazer a melhor literatura possível.
 
Leia um trecho:
 
“Se eu não tivesse existido, outra pessoa poderia ter escrito meus livros, Hemingway, Dostoiévski, qualquer um de nós. A prova disso é que há pelo menos três candidatos à autoria das peças de Shakespeare. Porém, o que importa é ‘Hamlet’ e ‘Sonhos de uma noite de verão’ — não quem as escreveu, mas que alguém o tenha feito. O artista não tem importância. Só é importante o que ele cria, já que não há nada de novo a ser dito.”(William Faulkner)
 
 
 
Recomendamos para você