Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Filmes e séries 14.10.2014 14.10.2014

‘Game of Thrones’, ‘House of Cards’ e ‘Homeland’: a luta pelo poder

Por Willians Glauber
 
Nos últimos anos, a incessante busca pelo poder tem sido um tema recorrente nas séries de TV.
 
Levar isso à telinha exige dos roteiristas a elaboração de personagens complexos, com características e qualidades para conduzir uma trama baseada nessa premissa.
 
A história se mantém repleta de referências, contextualizações e justificativas para dar base à jornada rumo ao poder.
 
Atualmente, as produções Game of Thrones, House of Cards e Homeland são as que melhor representam esse tipo de abordagem.
 
A CORRIDA PELO PODER
Na história de Game of Thrones, adaptada dos livros As Crônicas de Gelo e Fogo, de George R. R. Martin, líderes de nações distintas alegam ser os verdadeiros herdeiros do Trono de Ferro dos sete reinos do continente Westeros.
 
"A sensação é de estarmos acompanhando um verdadeiro jogo por poder. O que mais chama atenção é a necessidade constante de traçarmos paralelos entre os fatos ocorridos para que a trama seja realmente compreendida", explica a jornalista e professora de inglês Ana Carolina Souza, que já assistiu a todas as quatro temporadas do seriado épico.
 
 
QUANTIDADE E QUALIDADE
São dezenas de personagens principais multifacetados, e todos protagonizam situações significativas (por menores que sejam) e imprescindíveis para retratar essa busca pelo poder.
 
Um dos melhores exemplos de personagem complexo de GOT que personifica o desejo de se tornar poderoso a qualquer custo é Arya.
 
"Ela tem a personalidade muito forte e tem se transformado em uma mulher independente e determinada. A busca dela é por justiça, diante de tanto mal feito à sua família por causa da busca de poder", afirma Ana.
 
A CASA DE CARTAS COMEÇA A RUIR
Ao contrário de Arya, o protagonista Frank, da série House of Cards, quer fazer justiça para e por si mesmo. Ele ultrapassa limites morais, sociais e até criminais com o intuito de alimentar sua ambição por poder.
 
"House of Cards me fisgou já na primeira cena; o protagonista se apresenta ao espectador enquanto estrangula o cachorro da vizinha que agoniza depois de ter sido atropelado", comenta a diretora e roteirista brasileira Gabriela Egito, que vive em Hollywood há quatro anos e já ganhou oito prêmios por seus três curtas-metragens lançados.
 
A cena citada por Gabriela simboliza o que esperar da 1ª temporada. Nela, Frank nos diz a seguinte frase: "Há dois tipos de dor: a dor que te faz mais forte e a dor inútil, que é só sofrimento. Não tenho paciência para coisas inúteis. Momentos assim exigem alguém que tome uma atitude desagradável, porém necessária".
 
A roteirista salienta que, a partir desse exato momento, o espectador percebe que não acompanhará a rotina de um homem comum. "Dá vontade de espiar a vida dele e conferir até que ponto vai chegar essa máxima, de colocar 'o que tem que ser feito' acima da moral", comenta.
 
 
BUSCA POR PODER MASCARADA DE IMPOSIÇÃO
Ultrapassar os limites do que se considera moral também faz parte das atitudes dos protagonistas de Homeland, cujo mote é o retorno de um sargento da marinha americana aos EUA depois de ficar oito anos como refém da Al-Qaeda.
 
Tudo estaria até que normal, se não fosse a possibilidade de ele ter se tornado um terrorista.
 
"O poder que a série busca é aquele que os Estados Unidos estão à procura. É a caça aos terroristas em nome da liberdade – e por estarem lidando com terroristas, qualquer atitude é justificável. A Carrie [protagonista] age justamente dessa forma", analisa a jornalista Lorena Amazonas, que assistiu às três temporadas do drama.
 
 
Na série, o desejo de ser poderoso é maquiado pelo cumprimento de ordens e serviço ao país. Os meios que a agente da CIA Carrie usa para conseguir o que quer a tornam uma guerreira nata na luta pelo poder.
 
“Ela quer de qualquer forma impor suas convicções e que as pessoas façam aquilo que ela quer”, complementa Lorena.
 
A jornalista Diandra Barbosa assistiu às três séries e as analisa. “Tanto Homeland quanto Game of Thrones provaram ao longo de suas temporadas que tudo pode acontecer. E House Of Cards segue a mesma premissa: a trama é completamente móvel, nos deixando atentos e preparados para todos os tipos de surpresas”, explica.
PARA ACOMPANHAR TODO ESSE PODER DE PERTO
Game of Thrones, 1ª, 2ª e 3ª temporadas em DVD e Blu-ray
House of Cards, 1ª e 2ª temporadas em DVD
Homeland, 1ª, 2ª e 3ª temporadas em DVD
 
Na série Homeland, a protagonista Carrie tenta impor suas convicções a quem quer que seja, buscando poder à sua maneira
 
 
Recomendamos para você