Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Livros 13.08.2009 13.08.2009

Fliporto destaca a literatura iberoamericana em sua quinta edição

Inspirada na reflexão da tradição cultural brasileira, discutindo suas raízes e desdobramentos, a Fliporto se dedica neste ano à divulgação da literatura iberoamericana, promovendo debates, encontros e leituras com escritores contemporâneos da literatura em língua espanhola e portuguesa.

A diversidade da grande Ibéria norteia a festa literária que confirma a participação dos espanhóis Jorge Diaz e José María Merino, da portuguesa Inês Pedrosa, diretora da Casa Fernando Pessoa e do venezuelano Fernando Báez, autor de História universal da destruição dos livros. O uruguaio Eduardo Galeano, que integra a conferência de abertura da festa, é um dos mais aguardados do evento, que confirma, ainda, palestra com o jornalista Laurentino Gomes, autor do best-seller 1808 – sobre a chegada da corte portuguesa ao Brasil.

A Fliporto ressalta a participação de escritores inéditos no Brasil como o alemão Martin Mosebach, uma das atrações confirmadas para o evento, que homenageia neste ano o escritor pernambucano João Cabral de Melo Neto, profundo conhecedor e amante da cultura hispânica.

Segundo o curador da Fliporto, Mário Hélio Gomes, a presença de Mosebach, vencedor do prêmio Büchner Prize de 2007, se insere na proposta da Fliporto de manter sua programação aberta a discussões cosmopolitas.

“Consideramos primordial a valorização dos aspectos mais profundos da Iberoamérica em cada encontro que promove a Fliporto. O diálogo é a nossa primeira palavra-chave: diálogo entre os países, entre as culturas, entre os escritores, entre as pessoas”, confirma Mário Hélio.

Em anos anteriores, estiveram na Fliporto autores como Nélida Piñon (Prêmio Príncipe de Astúrias, 2005, ex-presidenta da Academia Brasileira de Letras), Affonso Romano de Sant’Anna (ex-presidente da Biblioteca Nacional, do Brasil), Luis Fernando Veríssimo; José Eduardo Agualusa (Angola), Vicente Gómez Montero (México), Waldo Leyva (Cuba) e Paulina Chiziane (Moçambique).

A Fliporto é realizada na Praia de Porto de Galinhas, que fica no municípiode Ipojuca, a 53 km do Recife. Famosa por suas águas cristalinas e suas piscinas naturais, Porto de Galinhas é um dos principais pólos turísticos da costa nordestina. Desde 2005, o balneário recebe a Fliporto, que entra definitivamente na rota do turismo literário, tendência explorada em todo o mundo com a realização de feiras e festivais em paisagens paradisíacas e contemplativas.

> Confira os escritores confirmados:

Eduardo Galeano

Galeano (1940) é um dos autores de língua espanhola mais populares e influentes no mundo, desde a publicação do clássico As veias abertas da América Latina, um best-seller nos estudos do desenvolvimento econômico e cultural da América Latina. Em abril deste ano, na cumbre de Trinidad y Tobago, causou frisson o presente que o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, deu ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama: justo um exemplar do seu livro de cabeceira: As veias abertas da América Latina. Galeano, contemporâneo de Mario Benedetti e Vargas Llosa, se notabilizou por sua escrita híbrida, que combina história , ficção, jornalismo e política.

Fernando Báez

Báez é poeta, romancista, historiador, educador e bibliotecólogo venezuelano. É considerado um dos maiores especialistas no mundo na história do livro e das bibliotecas. Autor do best-seller História universal da destruição dos livros (lançado em tradução brasileira em 2006, pela Ediouro) e de Historia de la antigua biblioteca de Alejandría, além de A destruição cultural do Iraque: um testemunho de pós-guerra (ainda inéditos no Brasil). No seu mais recente livro, ele foi mais além, pois trata de mais de quinhentos anos de espoliação: El saqueo cultural de america latina, que saiu há poucos meses em castelhano.

Martin Mosebach

Romancista, poeta, roteirista de cinema, autor de libretos de ópera, de peças de teatro e r ádio, o frankfurtiano Mosebach (1951) é considerado um dos mais importantes escritores europeus da atualidade (tido como o sucessor de Thomas Mann, na opinião de críticos como Frank Witzel). Vencedor dos prêmios Georg Büchner Prize (2007) e oKleist (2002), ele tem mais de 20 trabalhos publicados, a exemplo de O tremor, A mulher turca e A lua e a menina. Martin Mosebach escreve seus livros à mão. Entre 1995 e 1997, escreveu 172 páginas numa letra firme e pequena para uma novela com o título provisório de O cordeiro.

José María Merino

Membro da Real Academia Espanhola, Merino (1941) é romancista, contista, poeta e ensaísta. Foi um dos destaques da Feira do Livro de Madri deste ano. Da sua enorme produção como noveli sta se destacam obras como O lugar sem culpa (2006), As visões de Lucrécia (1996), O ouro dos sonhos (1986), e trilogias como Novelas del mito, composta por El caldero de oro, La orilla oscura e El centro del aire (2000) e Las crónicas mestizas. Esta trilogia tem ambientação americana e é composta por: El oro de los sueños, La tierra del tiempo perdido e Las lágrimas del sol (1992). Seu livro mais recente, La sima, lançado neste ano de 2009, trata do polêmico tema da abertura das fossas dos cadáveres da guerra civil espanhola

Jorge Diaz

Jorge Diaz (1962) é jornalista, roteirista e novelista espanhol. É considerado um dos melhores roteiristas da televisão européia na atualidade. Um dos principais criadores da série Hospital central, que obteve grande popularidade na TV espanhola, ele estreou na literatura este ano com o livro Os números do elefante (Editora Planeta), que conta uma aventura de imigrante com fortes ingredientes de suspense e amparada num conhecimento direto da realidade brasileira.

Inês Pedrosa

Escritora e jornalista portuguesa (1962). Atuou em importantes veículos como a revista Ler e o semanário Expresso. Como romancista é um dos nomes mais fortes da atual literatura iberoamericana. É, desde fevereiro de 2008, diretora da Casa Fernando Pessoa, em Lisboa. Publicou, entre outros livros, A instrução dos amantes (1992), Nas tuas mãos (1997), Fazes-me falta (2002), A menina que roubava gargalhadas (2002), Fica comigo esta noite (2003) e A eternidade e o desejo (2007).

Laurentino Gomes

Jornalista e escritor. Laurentino (1956), atuou como repórter e editor em alguns dos mais importantes veículos da imprensa no Brasil, como o jornal O Estado de S.Paulo e a revista Veja. Em 2008, após dez anos de pesquisa, publicou o livro 1808 como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal e do Brasil. O livro é um dos maiores bestsellers da história do Brasil, com mais de 400 mil exemplares vendidos

 

Recomendamos para você