Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Filmes e séries 15.01.2015 15.01.2015

Filmes que mostram o amor na terceira idade

Por Carolina Xavier

O amor… Ah, o amor! Será que existe fórmula secreta ou uma idade certa para que ele aconteça? Há quem diga que amar alguém é querer envelhecer com essa pessoa. Uma coisa é certa: o amor pode transformar aqueles que o sentem!
No cinema, vários filmes têm como pano de fundo esse sentimento, que aflora em qualquer fase da vida, inclusive na maturidade. O SaraivaConteúdo preparou uma seleção de produções que nos mostram como o amor na terceira idade, longe de ser um tabu, revela-se como uma experiência a ser vivida e celebrada.
JUNTOS E SEPARADOS
Dentre as produções que devem chegar à telona em breve, um dos destaques é o filme O Amor é Estranho, dirigido por Ira Sachs. Depois de passarem quase 40 anos juntos, George (Alfred Molina) e Ben (John Lithgow) decidem oficializar a união, mas o que seria motivo de comemoração resulta na demissão de George, professor de música numa escola católica.
Assim, devido a problemas financeiros, os dois acabam provisoriamente separados: George vai morar com um casal de amigos e Ben passa a viver com o sobrinho e sua família. Diante da nova condição, o casal tem que lidar com as mudanças na rotina e a dor da separação.
Confira o trailer de O Amor é Estranho:
DIFERENÇAS QUE APROXIMAM
Elsa & Fred, de 2014, é um remake baseado no filme argentino Elsa & Fred – Um Amor de Paixão e fala sobre uma história de amor e transformação. Elsa (Shirley MacLaine), com 75 anos, é divertida, alegre e sonhadora, enquanto seu novo vizinho Fred (Christopher Plummer), aos 80 anos, é rabugento e de mal com a vida. Elsa, que tem o dom de driblar a sisudez das pessoas que a rodeiam, começa a se aproximar de Fred e tenta arrancá-lo do marasmo diário, convencendo-o de que nunca é tarde para sorrir, amar e viver!
Elsa (Shirley MacLaine) e Fred (Christopher Plummer) provam que não há idade ou receita para se amar
UMA BALADA PARA O ROMANCE
A produção Gloria traz como protagonista Gloria (Paulina García), uma mulher de 58 anos, independente, divorciada, que sente um desejo constante de se reinventar. Ela almeja arrumar um novo companheiro que a siga em seu estilo de vida. Gloria se recusa a viver noites de solidão e começa a frequentar baladas voltadas à terceira idade, em busca de companhia. Entre encontros e desencontros, ela conhece Rodolfo (Sergio Hernández), sete anos mais velho, recém- separado e ex-oficial da marinha, por quem se apaixona.
A independente Gloria (Paulina García) vive num turbilhão de emoções, mesclando ternura, desilusão, sensualidade e muita vontade de viver
DISPOSTA A CORRER RISCOS
Em Os Belos Dias, de 2013, a sexagenária Caroline (Fanny Ardant) é uma mulher casada, já aposentada, com tempo livre e o desejo de fazer algo para se ocupar. Suas filhas a presenteiam com a matrícula em um clube de aposentados, “Les Beaux Jours”, onde ela conhece um jovem professor de informática, Julien (Laurent Lafitte). Os dois iniciam uma relação amorosa, apesar da diferença de idade. Caroline acaba se redescobrindo e saindo da rotina que mantinha com Philippe (Patrick Chesnais), seu marido, que vai correr atrás para recuperar o amor da esposa.
Uma aventura amorosa muda a rotina de um casal em Os Belos Dias, com direção de Marion Vernoux
A FELICIDADE MORA AO LADO
Na comédia romântica Um Amor de Vizinha, o corretor de imóveis Oren Little (Michael Douglas) recebe a visita do filho, um ex-viciado, que vai cumprir uma pena de prisão e deixa sua filha pequena, Sarah (Sterling Jerins), com o avô. Sem nenhum jeito para cuidar da netinha, Oren pede ajuda à vizinha Leah (Diane Keaton), uma viúva e cantora de um pequeno restaurante. Mais do que ajudar o corretor a cuidar de Sarah, Leah ensina a Oren que ainda há tempo para amar e buscar a felicidade.
O rabugento Oren tem seu coração amolecido pela adorável vizinha Leah
UM OSCAR PARA O AMOR!
O filme francês Amor (Amour), direção de Michael Haneke, conta a história de Anne (Emmanuelle Riva) e Georges (Jean-Louis Trintignant), casados há bastante tempo e cujas vidas mudam quando Anne é submetida a uma cirurgia no coração malsucedida, que a deixa paralisada de um lado do corpo. O amor do casal é colocado à prova com o problema de Anne, e a realidade de dificuldades e superações adentra o filme com toda força. Amor foi premiado com o Oscar de melhor filme estrangeiro de 2012.
Amor: uma lição de afeto e companheirismo
Recomendamos para você