Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Filmes e séries 20.12.2012 20.12.2012

Fãs escolhem os personagens que sobreviveriam ao fim do mundo

Por Andréia Silva e Carol Cunha
 
Imagine você acordar e dizer “Está um lindo dia, né?”. Não em 21 de dezembro. Segundo os antigos maias, o mundo como nós conhecemos vai acabar nessa data.
 
Planeta em chamas? Furacões, terremotos, ventanias? Tudo pode acontecer, e ser pego de surpresa é sempre embaraçoso.
 
Mas, como muitos filmes já mostraram, algumas pessoas conseguem resistir às catástrofes mais imprevisíveis graças ao seu poder de sobrevivência. 
 
Aproveitando a chegada do apocalíptico dia, o SaraivaConteúdo perguntou a alguns superfãs de séries por que seus personagens preferidos sobreviveriam ao fim do mundo.
 
Que tal preparar sua mochila de emergência e se inspirar neles?
 
Walter White, de Breaking Bad
Bem, ele já está com câncer mesmo (risos). Mas pra quem está bichado há 84521 temporadas e com um pé na cova, o que é o fim do mundo mesmo? Enfim, o cidadão é o Macgyver da química e das drogas. Imagina o abalo psicológico dos sobreviventes, iam todos buscar as drogas como refúgio e o cara ia virar o shogun do mundo pós-apocalíptico.
Marcela Achcar
 
 
 
Kramer, de Seinfeld
O Kramer não só sobreviveria, como seria o responsável pelo fim do mundo, com alguma de suas invencionices! Claro que ele nem se daria conta, só perceberia muito tempo depois que algo muito estranho tivesse acontecido.
Apesar de nunca trabalhar, sempre conseguiu viver numa boa, porque vive de “pegar emprestado” tudo dos amigos – e conseguir novos não seria problema, já que ele se dá bem com todo mundo, até com tipos difíceis como o Soup Nazi. Sem contar que nada é impossível pra um cara que consegue achar até uma embaixada de Cuba nos EUA! Keep calm and SERENITY NOW!
Roberta Lann
 
 
 
Dr. Gregory House, de House
House é inteligente, irônico e muito perspicaz. Ele já pregou muita peça nos outros, e tenho certeza de que ele já traçou todo o plano para sobreviver ao Apocalipse, em sua lousa, com a ajuda de seus empregados, mas é claro, sem contar nada a eles. Talvez ele aceite levar Wilson na garupa, caso lá na frente precise de cobaia em seus diagnósticos no novo mundo.
Monique Souza
 
 
 
Tyrion Lannister, de Game of Thrones
Ele conseguiria dar a volta em todos os zumbis e o holocausto todo, com seu rápido raciocínio e “filhadaputice”.
Alexandre Sobreiro
 
 
 
Dexter, de Dexter
Ele é ágil o suficiente para contornar as situações mais inesperadas, saber analisar tudo e todos e se utilizar dessa análise como contribuição para a sua personalidade. Acho que a característica principal para mantê-lo a salvo seria o seu “instinto familiar” – na 7ª temporada isso esteve bastante à flor da pele, ele correu muitos riscos e em momento algum pensou em ceder. Por ser um serial killer, ele é extremamente prático e poderia se virar melhor nas situações de escolha para que pudesse se manter vivo.
Milena Fontinele, do site Dexter Brasil
 
 
 
Rick Grimes, de The Walking Dead
O xerife Rick Grimes seria o cara ideal para essa missão de sobrevivência. Pra quem já matou zumbis como ele, aguentar as pragas maias é fichinha! Como vimos na série, o policial tem liderança e não se desespera fácil. Se existirem outros humanos na área, ele vai saber o que fazer para o grupo chegar ao dia seguinte. Cabeça fria e honra é fundamental! E claro, ele atira muito bem e aprendeu a usar armas brancas como um verdadeiro Chuck Norris.
Rafael dos Santos
 
 
 
Phoebe Buffay, de Friends
Phoebe sobreviveria ao fim do mundo porque ela não perceberia o apocalipse. Certamente, ela pensaria que a festa de Haloween se prolongou por mais tempo do que o de costume. Ela se vestiria de zumbi, evitando ser pega por um, caso o mundo acabe em zumbis. Com seu violão, sairia cantanto "Smelly Cat" pelas ruas, e afastaria todo e qualquer inimigo. Sobrevivente, ela faria o primeiro jardim pós-apocalíptico porque sem querer havia guardado – ou esquecido – sementes no bolso. O motivo ela não consegue lembrar.
Paola Barban
 
 
 
Rui e Vani, de Os Normais
Quarta-feira à noite e, enquanto tira as cutículas das unhas dos dedos do pé, Vani acompanha sem atenção alguma as notícias do telejornal. “Em pouco mais de 24 horas, o mundo como o conhecemos terá chegado ao fim”, diz o âncora.
Corta para quinta-feira, no supermercado lotado, onde a gente enlouquecida esvazia as prateleiras e briga a socos e pontapés pelo último pote de azeitonas. 
 
Toda arranhada, Vani (que não contou com a ajuda de Rui, já que ele passou o tempo todo paquerando a caixa) finalmente consegue mantimentos para sobreviver aos próximos, quem sabe, dois dias e volta para casa com o noivo em frangalhos.
 
Oito da manhã do dia 21 de dezembro e Rui e Vani, os atrasados da vez (já que toda a população está correndo para os mais inusitados abrigos desde a semana passada), não conseguem sequer chegar ao centro da cidade, graças ao congestionamento causado por outros habitantes sem noção.
Cai a noite e, quando finalmente chegam à estrada, os dois se deparam com duas zumbis sedentas por cérebros. Rui fica interessado – elas são muito gostosas. E é Vani quem salva a pátria ao arrancar as cabeças das monstrinhas – pelo menos até o próximo apocalipse.
 
Thais Azevedo
 
 
Recomendamos para você