Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Música 11.11.2011 11.11.2011

Evanescence chega ao terceiro álbum com energia e sem sua aura épica

Por Mauro Ferreira, do blog Notas Musicais
 
Resenha de CD
Título: Evanescence
Artista: Evanescence
Gravadora: EMI Music
Cotação: * * * 1/2
 
Cinco anos separam o segundo álbum de estúdio do Evanescence, The Open Door (2006), deste terceiro, Evanescence, gestado desde 2009 e enfim lançado em outubro de 2011 após sucessivos adiamentos. Graças à persistência de sua  vocalista Amy Lee,  o grupo sobreviveu e chegou ao terceiro álbum com um vigor até inesperado diante de tantas turbulências. Já sem a aura gótica e épica que o identificava no universo pop, o Evanescence renasce das cinzas com energia. Faixas como What You Want – primeiro single do álbum produzido por Nick Raskulinecz – ostentam a pegada roqueira que pontua Evanescence com riffs azeitados. Antes tão essencial, o piano perde espaço para as guitarras que dão o tom pesado de temas como The Other Side. Mas o piano está lá – intacto – na balada Lost In Paradise, faixa que reaviva o espírito épico da banda. Já na balada que fecha o álbum, Swiming Home, é a harpa que se faz ouvir entre sons eletrônicos. No todo, o som do grupo parece mais coeso. Faixas como Made of Stone, The Change e My Heart Is Broken se encadeiam com unidade ao longo do álbum. É fato que a ausência de Ben Moody – não tanto como guitarrista, mas sobretudo como compositor dos sucessos que fizeram do primeiro álbum do Evanescence, Fallen (2003), um campeão mundial de vendas – pode ser eventualmente sentida na arquitetura do repertório (algo que já havia acontecido no anterior The Open Door). Contudo, é fato que o Evanescence soube se reinventar. Há intensidade e pegada em temas como Sick. Evanescence, o álbum, é boa resposta aos que achavam que Amy Lee não conseguiria reerguer sua banda de estimação.
Recomendamos para você