Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Sem categoria 21.11.2014 21.11.2014

“Eu trouxe a morte para o físico”, diz Deborah Secco sobre ‘Boa Sorte’

Por Edu Fernandes
 
“Eu sou muito sortuda de ter este elenco no meu filme”, disse a diretora Carolina Jabor (A Mulher Invisível) durante debate sobre o longa Boa Sorte (Imagem) no Festival de Paulínia. Ela se referia a Deborah Secco (Bruna Surfistinha) e João Pedro Zappa (Disparos), casal de protagonistas de seu trabalho de estreia, que chega aos cinemas em 13 de novembro.

O filme é baseado no conto “Frontal com Fanta”, de Jorge Furtado, que faz parte da coletânea Tarja Preta (Objetiva). Na adaptação, Secco vive Judite, uma ex-junkie soropositiva terminal internada em uma clínica. Lá ela conhece João, papel de Zappa, um jovem viciado em remédios controlados. Para encarnar a personagem, Secco emagreceu 15 kg. O elenco ainda traz participações de Fernanda Montenegro (O Tempo e o Vento), Cássia Kis Magro (Billi Pig) e Enrique Diaz (Mato sem Cachorro).

“Eu me disponibilizo muito fisicamente para conseguir o que cada personagem tem que ter”, explicou Deborah. “Emagrecer é difícil, mas a gente sabe o caminho. Chegar na emoção é muito mais difícil, porque não tem receita médica para isso. Eu trouxe a morte para o físico e a vida para o espírito”.

 

Carolina Jabor recebe troféu de prêmio de público por Boa Sorte no Festival de Paulínia

Apesar da condição de saúde e da diferença de idade, João e Judite se apaixonam. A história dos dois na clínica não passa impune de temas como o abuso de drogas (legais ou ilícitas) e os cuidados para não se infectar com a AIDS.

“Esses temas não podiam se impor mais do que a história de amor do casal”, atesta a diretora. “A gente não queria uma coisa mais melodramática, mas a quantidade e o uso descabido dessas drogas dão errado”.

“Sem dúvida alguma, esses personagens têm histórias pessoais muito atuais”, reflete Secco. “A gente acabou tendo a sorte de ter temas que merecem ser discutidos. Eu tive muita preocupação na forma de passar o risco, o perigo e o peso do HIV para o jovem – ainda é uma doença cruel, que mata e gera preconceito, mas hoje banalizaram a AIDS”. Durante o processo de preparação, a atriz leu estudos científicos e teve contato com pacientes.
 
Casal de protagonistas do filme Boa Sorte

Apesar da entrega, Deborah reconhece o risco do papel, mas afirma que foi uma escolha pensada. “Acho que não lembro da minha vida sem atuar. É muito difícil quando criança direcionar sua carreira de maneira autoral. A minha ideia é arriscar – talvez eu jogue toda minha carreira para o alto”.

PRIMOS GRINGOS


Em 2014, pelo menos mais dois filmes com temas parecidos entraram em cartaz. A Culpa É das Estrelas (Fox) e Se Eu Ficar (Warner) são adaptações que vêm da literatura e falam de amores jovens na sombra da morte.
 
Filme trata de temas delicados com leveza

“Acho interessante o tema estar no mundo hoje com sucesso arrebatador”, afirma Jabor. “Acho até legal, não me incomoda. Tomara que as pessoas que foram ver A Culpa É das Estrelas vejam nosso filme também”.

Veja o trailer de Boa Sorte:
 
 
 
Recomendamos para você