Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Filmes e séries 19.12.2013 19.12.2013

Escolha da redação: cinco filmes emocionantes

Eu sou Fernanda Oliveira, colaboradora do portal SaraivaConteúdo. 
 
Há muitos filmes que costumam "arrancar" lágrimas dos espectadores. Em geral, dramas, romances e até mesmo comédias românticas são capazes de emocionar as pessoas a esse ponto – principalmente as mulheres. Este ano, quais foram as produções que te fizeram chorar?
 
Vou contar um pouco daqueles que "mexeram" comigo. No entanto, acredito que a minha lista será um pouco inusitada. Afinal, como sou uma verdadeira "manteiga derretida", choro em qualquer cena um pouco mais emotiva, seja em filmes de ação, aventura, terror etc.
 
Confira abaixo a minha seleção de cinco filmes e veja se ela é surpreendente ou se você também se pegou com lágrimas nos olhos.
 
[ATENÇÃO: SPOILERS EM TODOS OS ITENS]
 
WOLVERINE IMORTAL
 
 
 
Trata-se de um superfilme de ação. Então, como se comover? Particularmente, acredito que Wolverine tem uma história bastante triste. Ele desconhece sua origem, abre mão de seus amores – inclusive, tendo que matar um deles, Jean Grey – e, em consequência desses fatores e de muitos outros conflitos, não consegue levar uma vida normal.
 
Neste longa em especial, o mutante se apaixona por Mariko, e a cena em que ele vai resgatá-la do Samurai de Prata é realmente de chorar. Ao tentar chegar ao local onde a amada é mantida, comparsas do vilão lançam flechas em Wolverine, que resiste fortemente até cair com inúmeras delas em seu corpo. Será que exagerei ou a cena é realmente emocionante?
 
OZ: MÁGICO E PODEROSO
 
 
 
Adorei ver o outro lado da história da Terra de Oz. A trama que envolve Dorothy é a mais popular; no entanto, é bem interessante saber como Oscar Diggs (O Mágico, que é interpretado por James Franco) tornou-se o rei de Oz. O filme Oz – Mágico e Poderoso tem mistério, ação, pitadas de comédia e cenas emocionantes, como quando a menina de porcelana, que perdeu a família em um ataque da bruxa má Evanora (Rachel Weisz), é "consertada" pelo Mágico.
 
Mas, mesmo sendo um acontecimento triste, não foi ele que me fez chorar. Simplesmente fiquei apaixonada pelo macaco alado Finley (voz de Zach Braff). E o momento em que ele acredita que Oscar tenta fugir da Terra de Oz e teria sido morto pelas bruxas más Evanora e Theodora (Mila Kunis), que derrubam o balão usado para a fuga, é muito emocionante. Finley fica com os olhos cheios de lágrimas, e essa é a hora em que não há como evitar o choro. E você, concorda?
 
DJANGO LIVRE
 
 
Django Livre é um filme forte e que deixa um sentimento de revolta por mostrar os tipos de violência que os negros sofreram no período da escravidão – pelo menos, em mim. Por ser uma produção de Quentin Tarantino, não poderia faltar sangue.
 
O trecho que me emociona profundamente no longa é quando Django (Jamie Foxx) chega à casa onde sua esposa Broomhilda (Kerry Washington) é mantida como escrava. O primeiro momento em que ele a vê novamente depois de anos separados é quando ela está sendo retirada nua de uma caixa mantida sob o sol escaldante, onde permaneceu por dias como forma de castigo. Aí vem um choro de raiva, ódio. Então, "tiro o chapéu" para Tarantino, pois não é todo cineasta que consegue "mexer" de diferentes formas com os sentimentos dos espectadores – mas comigo ele conseguiu.
 
GUERRA MUNDIAL Z
 
 
Confesso que, na verdade, Guerra Mundial Z me deixou muito mais tensa do que emotiva. Me peguei segurando os braços da poltrona do cinema em diversos momentos.
 
Depois da busca por uma forma de combater os zumbis – tendo até mesmo enfrentado a queda de um avião com passageiros se transformando em mortos-vivos e ficado sozinho com inúmeras dessas criaturas, sem saber se o que viria a ser uma "arma" realmente funcionaria –, Gerry (Brad Pitt) finalmente reencontra a sua família.
 
Até aí, não esperava me emocionar. Mas na sequência, com o longa terminando, a mensagem sobre a luta da humanidade pela sobrevivência me "tocou". Dessa vez, até eu acho que exagerei!
 
ELYSIUM
 
 
Elysium é mais um filme que só me "pegou" bem no final. A história se passa em uma Terra devastada, onde permanece a população pobre, sendo que os ricos abandonaram o planeta para viver em Elysium, uma grande estação espacial onde a ordem é mantida e não existem males como doenças, já que seus habitantes possuem a tecnologia para curar qualquer enfermidade.
 
Na Terra, o protagonista Max (Matt Damon) é exposto a um alto nível de radiação em seu trabalho e só tem cinco dias de vida. Em troca de uma possível cura, ele aceita uma missão que lhe garantirá uma viagem como clandestino para a estação espacial. Após uma grande reviravolta, Max tem a possibilidade de transformar todos os humanos em cidadãos de Elysium, mas isso o leva à morte.
 
Depois de passar a trama inteira lutando pela vida, ele opta pela morte para beneficiar a população da Terra. É chato ver o "mocinho" morrer! 
 
Recomendamos para você