Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Filmes e séries 19.03.2013 19.03.2013

É Tudo Verdade: sobe o giro dos motores

Por Edu Fernandes
 
Dizem que, no Brasil, o ano começa de verdade só depois do Carnaval. Para mim, uma série de coisas importantes se inicia a partir de março. O terceiro mês do ano traz mexericas (tangerinas ou bergamotas, dependendo da região), Fórmula 1 e festivais de cinema.
Como este site não trata de gastronomia ou esportes (a não ser que sejam temas de livros e filmes), falemos do último item da lista. Outro fator determinante para a escolha é o fato de, apesar de sentir falta dos três, a saudade dos festivais é maior: pelo menos uma vez por semana tenho sonhado que estou em uma mostra de cinema em algum lugar do Brasil.
Recentemente, a organização do É Tudo Verdade divulgou a lista dos competidores brasileiros de sua edição 2013, que acontece de 4 a 14 de abril no Rio de Janeiro e em São Paulo. Depois, o evento dedicado a documentários segue para Brasília (de 16 a 21 de abril) e Campinas (de 23 a 28 de abril).
Por enquanto são conhecidos apenas 23 títulos, entre longas e curtas. Ainda serão anunciadas as atrações estrangeiras. Mesmo assim, já serve como paliativo para a crise de abstinência de um cinéfilo que não frequenta um festival de cinema desde novembro, com o Amazonas Film Festival. Coincidentemente, em novembro as mexericas tornam-se mais raras nas quitandas e o campeonato de Fórmula 1 é encerrado.
 
Cartaz do filme Ozualdo Candeias e o Cinema

Falando em competição, mas voltando ao cinema, seguem as sete produções da competitiva brasileira de longas e médias-metragens:

A Alma da Gente, de Helena Solberg e David Meyer – sobre um espetáculo de dança com moradores da Favela da Maré.
Antártica, de Evaldo Mocarzel – sobre uma expedição brasileira ao continente gelado.
Em Busca de Iara, de Flavio Frederico – sobre a companheira de Lamarca, que trocou a vida familiar pela luta contra a ditadura.
Mataram Meu Irmão, de Cristiano Burlan – sobre um cineasta que investiga a morte do irmão na periferia de São Paulo.
Ozualdo Candeias e o Cinema, de Eugênio Puppo – sobre o cineasta da Boca do Lixo e do Cinema Marginal.
Serra Pelada – A Lenda da Montanha de Ouro, de Victor Lopes – Sobre o apogeu e a queda do maior garimpo do mundo.
O Universo Graciliano, de Sylvio Back – sobre o autor de Vidas Secas e Memórias do Cárcere.
Com a lista anunciada, os habitués do evento podem começar a especular suas programações pessoais, analisar quais filmes parecem valer a espera na fila (todas as sessões do É Tudo Verdade são gratuitas) e tentar prever o tipo de produção estrangeira que será exibida. Tudo isso apenas para pacificar a ansiedade, uma vez que essa protoprogramação será bem diferente daquilo que realmente irá se passar em abril.
Antes que eu seja acusado de favorecimento de um evento em detrimento de outro, informo que estou ciente de que já foi realizada em janeiro a Mostra Tiradentes, importante festival de cinema em Minas Gerais.
Mais informações sobre o É Tudo Verdade podem ser encontradas no site oficial do evento.
 
Cena do filme Serra Pelada – A Lenda da Montanha de Ouro
 
 
 
Recomendamos para você