Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Filmes e séries 10.11.2011 10.11.2011

É cada profissão…

Por Danielle Motta
Na foto, Dr. Gregory House
 
Dr. House
Você já parou para pensar em quantas semelhanças há entre o médico Dr. House e o detetive Sherlock Holmes? Pois não se trata de mera coincidência. Quando David Shore criou a série House, a intenção era resgatar características do clássico personagem britânico e incorporá-las à trama. É por isso que Dr. Gregory mora no apartamento 221B, o mesmo número do de Holmes. Ou que ambos tenham amigos com as iniciais J.W., como Dr. James Wilson, no caso de House, e Dr. John Watson, no de Sherlock. E tem mais: o homem que atirou em House chama-se Moriarty, idêntico ao do maior inimigo de Holmes. Mas a principal similaridade é como Dr. Greg soluciona os casos clínicos que chegam em suas mãos. Mais do que médico, ele se faz de detetive para desvendar as estranhas doenças que acometem os pacientes. É capaz de ultrapassar as barreiras do hospital, invadir a casa do doente e interrogar os parentes para encontrar pistas que o ajude a acertar o diagnóstico. Elementar, meu caro Watson, ele sempre consegue.
 
Body of Proof
A médica legista Megan Hunt é a versão feminina de Dr. House. Workaholic, com temperamento forte e do tipo de poucos amigos, sempre coloca a profissão em primeiro lugar. Ela também adora bancar a detetive e acompanhar de perto a investigação dos homicídios. Nada a impede de expor suas teorias nem de interromper policiais quando considera que o andamento do caso não condiz com as provas do corpo da vitima. Se é para enfrentar algum suspeito, não mede esforços. E se encasqueta que uma morte é resultado de um crime, ninguém tira isso de sua cabeça até que se prove o contrário. Mas não foi por querer que a Dra. Hunt se tornou legista. Tudo começou depois que um grave acidente de carro a impediu de continuar a ser neurocirurgiã, para não colocar a vida de pacientes em risco. A alternativa? Atender quem já morreu. Afinal, não se pode matar quem se foi, certo?
 
Numb3rs
É preciso ser bom de Matemática para entender as teorias de Charlie Eppes. Para o gênio dos números, cada detalhe de um crime tem uma explicação que pode estar escondida na álgebra, geometria, estatística, probabilidade… Parece complicado? Mas é aí que está a graça de Numb3rs, já que, no final, você vai até concordar com ele. Isso porque, ao expor seus conhecimentos, Charlie ajuda o irmão Don Eppes, um agente do FBI, a solucionar os casos policiais mais improváveis de Los Angeles. A receita de cada episódio é basicamente a mesma: um crime é investigado por uma equipe do FBI comandada por Don e decifrados matematicamente por Charlie e seus companheiros Larry Fleinhardt e Amita Ramanujan. De quebra, você ainda pode entender melhor aquela aula que passou batido na escola.
 
CSI
 
Elenco de CSI
Você tem a impressão de que toda vez que liga a TV está passando um episódio de CSI? Não é por menos. Além de ícone quando o assunto é seriado de investigação, há as versões de Las Vegas, Miami e Nova York. A mais famosa é a que se passa na cidade da jogatina, que tem o segundo maior Laboratório de Criminalística do país, atrás apenas do FBI. O tema gira em torno do trabalho de um grupo de cientistas forenses que desvendam crimes e mortes em circunstâncias nada comuns. Eles se dedicam aos casos 24 horas por dia e são treinados para examinar as mínimas evidências com a ajuda da alta tecnologia. Mas o instinto policial também conta. É o caso do personagem D.B. Russell, que adora romances ao estilo Sherlock Holmes e enxerga cada cena de um crime como se ela estivesse contando uma história. Catherine Willows é uma investigadora capaz de ler o comportamento humano e Nick Stokes se deixa levar pela ligação emocional com a vítima para obter pistas.
 
Criminal Minds
 
Elenco de Criminal Minds
Em vez de destacar investigações de crimes, os agentes da Unidade de Análise Comportamental do FBI são sempre acionados para desvendar o comportamento do suspeito. Isso quer dizer que quando não há provas para um caso, eles se tornam a única esperança para montar as peças do quebra-cabeça e chegar a uma lista de possíveis culpados. Por isso, esqueça qualquer tipo de exame de evidências feito em laboratórios, comuns nos episódios de CSI. O que atrai o público em Criminal Minds é a capacidade dos especialistas em perceber as atitudes dos criminosos onde quer que eles estejam – em casa, no trabalho ou na cena do crime. Tudo de acordo com a especialidade de cada profissional. O agente especial Aaron Hotchner, por exemplo, é perito em ganhar a confiança das pessoas e descobrir seus segredos. Derek Morgan é expert em desvendar mentes obsessivas e Penelope Garcia é uma técnica em análise de dados e informática que vasculha computadores em busca de informações que leve a algum suspeito.
 
Lie To Me
Para Dr. Cal Lightman e sua equipe de pesquisadores e psicólogos, a mentira tem perna curta, mãos bobas, sobrancelhas arqueadas e voz vacilante. Baseados nesses comportamentos, os especialistas de Lie To Me investigam as expressões e os gestos de suspeitos de crimes ou de qualquer pessoa que esteja escondendo a verdade. Ficção? Exagero? Nem tanto. O personagem Dr. Cal foi inspirado no cientista americano Paul Ekman, um expert em linguagem corporal e facial que já desmascarou muitos mentirosos por aí, principalmente na época em que o resultado do teste do polígrafo (detector de mentiras) era aceito como prova nos tribunais dos Estados Unidos. Na série, nenhum mentiroso escapa ileso dos caçadores de lorota. Nem mesmo Marilyn Monroe e George W. Bush ficaram de fora dessa análise.
 
Dexter
“Ladrão que rouba ladrão tem cem anos de perdão.” É mais ou menos isso o que acontece na série Dexter. Baseado no "Código de Harry", um apanhado de regras criadas por Harry – seu pai adotivo -, Dexter Morgan virou obcecado por fazer justiça. Nesse código há leis para que ele extermine assassinos que não foram punidos por matar inocentes. O problema é que ninguém pode saber que ele é um serial killer. Dexter só consegue ter acesso aos nomes dos criminosos, pois trabalha como especialista forense em análise sanguínea no Departamento de Polícia de Miami.
 
Medium
Para desvendar um crime, vale de tudo. Até mesmo usar poderes sobrenaturais. Mas isso pode virar profissão? No caso de Medium, sim, desde que a personagem Allison DuBois consiga fazer o próprio chefe (o promotor Devalos) e outros doutores do sistema de justiça criminal do Texas acreditarem em seus sonhos reveladores. Missão quase impossível, já que o talento dela é falar com pessoas mortas, ver o futuro e ler pensamentos. Pode parecer loucura, mas com essas habilidades, ela colocou muito criminoso atrás das grades, seguindo apenas as pistas daqueles que já morreram. E se você acha que o idealizador de Medium foi longe na imaginação para criar os episódios, é bom saber que a série foi inspirada na história real da vida de Allison DuBois. Acredite se quiser…
 
Recomendamos para você