Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Filmes e séries 10.08.2011 10.08.2011

Documentários resgatam a memória dos pais

Por Andréia Martins
Na foto a cineasta Marina Person que fez filme para homenagear o pai 
 
A cineasta e ex-VJ da MTV, Marina Person, o ator Gracindo Jr. e até o filho de Ozzy Osbourne são exemplos de filhos que homenagearam os pais no cinema.
 
“O filme é uma viagem pessoal de descobertas sobre o homem por trás do personagem Luiz Sérgio Person. Procurei saber dele como amigo, diretor, marido e, claro, pai”, diz Marina Person ao Almanaque ao falar do documentário Person, de 2006.
 
Quando Luiz Person morreu, vítima de um acidente automobilístico em janeiro de 1976, Marina tinha apenas 7 anos. Por isso, além de resgatar a memória do cineasta para o público, a produção do filme foi também uma busca pessoal.
 
“Crescemos, minha irmã, Domingas, e eu, ouvindo mil histórias sobre o nosso pai. A minha busca era exatamente resgatar algo que não foi vivido por nós”, disse Marina, que reconhece nesses trabalhos uma forma de manter viva a memória de um artista para diferentes gerações.
 
No caso de Paulo Gracindo, sua história se confunde com a da comunicação no Brasil e teve seu auge de popularidade nas décadas de 70 e 80, ao viver personagens marcantes como o bicheiro Tucão, da novela Bandeira 2, e o corrupto Odorico Paraguaçu, da novela O Bem-Amado, de Dias Gomes. O documentário Paulo Gracindo – O Bem-Amado, lançado em 2009, e produzido em parceria com a filha, Daniela Duarte, conta toda essa trajetória.
 
Já o documentário God bless Ozzy Osbourne, promete momentos pra lá de inesquecíveis de Ozzy Osbourne.
 
Produzido por seu filho Jack Osbourne e com produção executiva de sua esposa Sharon, o filme aborda desde a infância de Ozzy em Birmingham, os seus pais, irmãs, a primeira esposa e filhos, bem como seus anos com o Black Sabbath e sua posterior carreira solo.
 
Em uma das cenas, ao falar da sua batalha para largar as drogas e o álcool, Ozzy lembra de acordar após uma noite de festa no canteiro central no meio de uma autoestrada. "Eu já deveria ter morrido umas 100 vezes. Se você queria que eu fizesse algo, era só me pedir para não fazer. Eu não consigo me lembrar dos anos 80. Para mim nunca aconteceu", declara Ozzy no filme.
 

Outra curiosidade é que o público vai descobrir que Ozzy só tirou sua carteira de motorista depois dos 60. “Quando fiz sucesso eu comprei armas, facas e uma moto. Mas só agora é que eu sou capaz de dirigir!”, diz Osbourne no vídeo. A data oficial de lançamento do documentário ainda não foi confirmada, mas trechos dele já estão disponíveis na Internet.

 
Marina Person
 
 
Leia Mais.
 
 
 
 
 
 
 
Recomendamos para você