Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Filmes e séries 30.11.-0001 30.11.-0001

Didatismo e representação clichê cansam em ‘Nosso lar””

A quem interessa Nosso lar, filme com roteiro e direção deWagner de Assis, do prescindível A cartomante? Com seus clichês, nasrepresentações futuristas e idílicas da vida após a morte, o longa não deveatrair público não-iniciado, não espírita. Com seu didatismo, acerca dos dogmase ensinamentos do espiritismo, é pouco provável que sirva para recrutar novosadeptos. Só deve restar a própria comunidade.

Se for o caso, a aposta dos produtores e exibidores é alta.O longa de orçamento milionário (falam em R$ 20 milhões), que estreou sexta-feira, está em cartaz em mais de 400 salas, emcircuito nacional. A expectativa é de que renda tanto quanto o livro em que seinspirou, o best-seller homônimo, escrito pelo médium Chico Xavier. Também seespera atrair um público que vem sendo arrebanhado desde 2008, com o longa Bezerra de Menezes – O diário de um espírito , e, no começo do ano, acinebiografia Chico Xavier . Sem falar de certa novela e certo seriado.

Tanto o filme como livro contam a história de um personagemquase mítico para os espíritas, o médico André Luiz, vivido pelo “desconhecido”Renato Prieto. Ao morrer, ele vai parar num lugar devastado, em que é perseguidopor espíritos maus. O médico é resgatado e levado para uma cidade futurista, aNosso Lar do título. Lá, porém, deve receber lições de moral e corrigir seuserros para que possa ter o direito de voltar à Terra e rever sua família.

Em sua órbita, dando-lhe as lições de moral, estão espíritosdesenvolvidos, “vestidos” com roupas esvoaçantes e adereços esotéricos àmancheia, e envoltos em luz ou bruma leve. Sinceramente, se é para falar devida após a morte, prefiro O céu pode esperar, peça De Harry Segall que recebeuduas versões no cinema, em 1947 e 1978, essa segunda com direção e papelprincipal para Warren Beatty. Tem paraíso, tem reparação dos erroscometidos em vida etc. E tem humor.

Recomendamos para você