Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Filmes e séries 20.02.2014 20.02.2014

DEZ ligações entre Lena Dunham e Woody Allen

Por Andréia Martins
 
Goste ou não, Lena Dunham, o nome por trás da série Girls, já foi chamada pela crítica internacional de “Woody Allen de sua geração”. E isso bem antes de seu programa estrear na HBO. Em 2010, Lena lançou seu segundo filme independente, Tiny Furniture, e, na época, não escondeu que as produções do diretor nova-iorquino eram uma inspiração.
Três anos depois, com uma série bem-sucedida na terceira temporada, elogiada como escritora e com seu primeiro livro a caminho, listamos 10 ligações entre Lena e Woody Allen para mostrar o que os dois realmente têm em comum.
1. HANNAH
O nome “Hannah” parece uma preferência comum entre os dois. Assim é chamada a personagem de Lena na série Girls, além de ser o nome da personagem de Mia Farrow no filme Hannah e Suas Irmãs, de 1986.
2. PERSONAGENS ESCRITORES
Em Girls, a personagem Hannah é uma adolescente que sonha em escrever um livro baseado em suas experiências, autointitulando-se “a voz da sua geração”, pronta para acontecer. Bem, não é segredo que escritores, especialmente os fracassados, são uma obsessão no trabalho de Woody. A lista é longa. Então, só para citar alguns, temos Isaac Davis (Woody Allen) em Manhattan; David Shayne (John Cusack) em Tiros na Broadway; Harry Block (Woody Allen) em Desconstruindo Harry; Roy (Josh Brolin) em Você Vai Conhecer o Homem dos Seus Sonhos; e Gil Pender (Owen Wilson) em Meia-Noite em Paris. O ponto curioso é que, em todos esses casos, os escritores-personagens de Woody estão no mesmo ponto da jovem Hannah: estão prontos para acontecer – desde que um editor os queira.
3. DIRETORES ATORES
Woody atuou nas sete primeiras produções que dirigiu. Depois deu um tempo, explorando pouco sua imagem na frente das câmeras, mas voltou a atuar no recente Para Roma Com Amor. Porém, quando não está em cena, outros atores vivem personagens que podem ser facilmente identificados com os tipos paranoicos, acelerados e cheios de manias que o diretor costuma interpretar. Lena segue o mesmo caminho de Woody: além de escrever e dirigir seus filmes e a série da HBO, ela não abre mão de atuar nesse início de carreira. Curiosamente, quando lançou seu primeiro longa, Creative Nonfiction (2009), um agente lhe disse que ela não levava jeito para atuar, pois era um pouco “irritante” em cena. Ela não lhe deu ouvidos.
4. DIÁLOGOS FRENÉTICOS E REAIS
Na série Girls, Hannah e suas amigas – exceto Jessa – compartilham algumas características que são muito comuns nos personagens de Woody: um estado neurótico e relacionamentos desarrumados. Em seus diálogos, o diretor usa todos os tiques verbais, pensamentos incompletos e elipses da fala humana. O mesmo acontece na série Girls, principalmente com duas personagens: Hannah e Shoshanna (Zosia Mamet) – esta com suas entonações estranhas e uma insegurança que a coloca em situações embaraçosas. No livro Conversas com Woody Allen, o diretor conta que o fato de filmar em Nova York pede diálogos frenéticos, já que “as pessoas falam muito” naquela cidade.
 
Antes de fazer sucesso com a série Girls, Lena já havia obtido boas críticas com o filme Tiny Furniture

5. MANIAS

Se, nos longas, alguns personagens criados por Woody Allen são metódicos, medrosos, preocupados com a saúde e cheios de manias, esse retrato não passa muito longe da personalidade do próprio. Na vida real, como mostra o filme Woody Allen: Um Documentário, suas excentricidades já são conhecidas por quem convive com ele: o nova-iorquino tem obsessão por limpeza e remédios, além do medo de morrer. Já Lena foi diagnosticada com TOC ainda criança e hoje ainda precisa controlar a sua ansiedade. O quadro faz com que algumas pessoas desenvolvam hábitos peculiares, mas os da jovem diretora ainda não se tornaram conhecidas.
 
6. NOVA YORK
Ambos nasceram em Nova York e, além disso, Lena e Woody gostam de filmar na cidade. Nova York é o cenário de praticamente todos os filmes do diretor e onde Lena roda a série Girls – e gravou Creative Nonfiction e Tiny Furniture (2010), seus dois filmes. Em Girls, a atenção vai para o bairro do Brooklyn, um dos mais famosos da cidade e onde boa parte da história se desenvolve. A Nova York de Lena aparece como uma cidade artística, elegante e menos intelectual que a dos filmes de Woody.
7. A VEIA HUMORISTA DOS JUDEUS
Curiosamente, muitos judeus famosos parecem carregar um fardo: precisam ser engraçados. É o que a gente pode concluir quando pensa em nomes como Grouch Marx, Mel Brooks, Jerry Seinfeld, Jerry Lewis e Woody Allen, que colecionam boas frases sobre sua origem religiosa. Embora seja filha de um pai protestante, Lena também bebe nessa fonte de humor dos judeus: sua mãe, a artista Laurie Simmons, é judia.
8. LENA FÃ DE WOODY
Antes de fazer sucesso com a série Girls, Lena já havia obtido boas críticas com o filme Tiny Furniture, uma comédia dramática e independente escrita e dirigida por ela em 2010. Na época, Lena revelou seu gosto pelas produções de Woody e que estas eram uma inspiração para o seu primeiro trabalho. No longa, um dos personagens aparece lendo o livro Sem Penas (Without Feathers), uma coletânea de contos de humor escritos por Woody.
 
Woody e Diane Keaton em Noivo Neurótico, Noiva Nervosa, um filme de diálogos longos, acelerados e engraçados

9. REPETINDO ATRIZES

Woody Allen nunca se preocupou em repetir atrizes. O diretor já teve sua fase Mia Farrow (que não acabou tão bem); além dela, Diane Keaton e Scarlett Johansson são alguns exemplos. Ao que parece, Lena gosta de estar cercada de pessoas com quem ela já trabalhou. A britânica Jemima Kirke, que vive a sensual Jessa na série Girls, atuou em seu filme de estreia – para muitos, roubando a cena. Na vida real, as duas são do tipo “melhores amigas”. Outro que fez a dobradinha Tiny Furniture/Girls é o ator Alex Karpovsky. Os dois se conheceram no festival SXSW, quando ela lançou sua primeira produção independente, Creative Nonfiction.
10. JUDD APATOW
O que Judd Apatow faz nesta lista? Bem, considerado uma das mentes mais brilhantes de Hollywood – você deve conhecê-lo de filmes como O Virgem de 40 Anos, Tá Rindo Do Quê? (classificado pela revista Vanity Fair como “Annie Hall versão anos 2000") ou o recente Bem-Vindo aos 40 –, ele é chamado de “herdeiro de Mel Brooks e Woddy Allen” por ser um escritor e diretor de comédias que conseguiu humanizar as situações de humor, tornando-as menos impossíveis e mais reais. E onde Lena entra nessa história? O que pouca gente sabe é que Judd é produtor executivo da série Girls e alguém com quem Lena conversa muito sobre os textos e atores, o que certamente ajuda a dar pitadas “woodyalleanas” ao seriado.
 
Judd Apatow e Lena Dunham
 
Recomendamos para você