Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Música 30.11.-0001 30.11.-0001

Desabrochando em palco carioca

Tulipa Ruiz – agora somente Tulipa – é uma jovem cantora que se projetou no primeiro semestre ao lançar um álbum, Efêmera, cultuado na cena indie paulista. Com seu canto agudo e desenvolto, Tulipa se revelou mais uma herdeira da Gal Costa pós-tropicalista dos anos 70. Influência perceptível em algumas faixas brejeiras de seu disco e reforçada no primeiro show de Tulipa no Rio, feito na noite de sábado. Tulipa nem era a atração principal do Circo Voador. Estava ali somente para abrir para Otto, mas conquistou o público que esperava pelo ex-Mundo Livre com apresentação azeitada. Era um show de abertura, mas Tulipa o fez com tudo que tem direito: bela luz, projeções e uma banda afiadíssima que incluía o baterista Duani, o percussionista Stéphan San Juan e o tecladista Donatinho. Algumas músicas – “”Pedrinho””, “”A ordem das árvores””, “”Pontual”” e , sobretudo, “”Efêmera”” – se destacaram e reafirmaram a personalidade da artista, que nunca parece um clone de Gal. Ainda que a referência seja clara. E não foi à toa que, lá pelo fim do show, Tulipa cantou “”Da maior importância””, música de Caetano Veloso gravada em 1973 por … Gal!! Mas Tulipa é Tulipa. E ela desabrochou nos palcos cariocas com grande presença cênica.

> Confira um trecho do show de sábado

> Leia mais sobre Tulipa no SaraivaConteúdo e assista abaixo à entrevista exclusiva da cantora

Recomendamos para você