Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Games 30.11.-0001 30.11.-0001

Cinco jogos para encarar o sobrenatural de perto

Por Aline Maryama
 
A temática sobrenatural é muito popular entre fãs, admiradores e entusiastas da cultura nerd, geek, pop e afins. Filmes, seriados, livros, quadrinhos e, é claro, jogos não poderiam ficar de fora. Quase todo gênero oferece margem para um ou outro elemento sobrenatural, mesmo que esse não seja o foco principal. Os games abordados na matéria encaram o sobrenatural com ênfase. Confira:
O clássico jogo de RPG e ação desenvolvido pela Blizzard foi um dos mais esperados da última década, pois seus antecessores fizeram uma legião de fãs acumularem noites mal dormidas apenas para chegar ao fim da trama. Diablo III segue 20 anos após a história do game anterior, Diablo II: Lord of Destruction, onde a missão do jogador é impedir que o mundo seja engolido pelas trevas e caia nos domínios demoníacos.
Escolha entre bárbaros, feiticeiros, arcanistas, monges e caçadores de demônios para enfrentar uma horda de demônios e criaturas infernais. O estudante de engenharia e gamer Renan Maeda é fã de Diablo desde o primeiro jogo lançado. “Sempre achei a história muito envolvente. Não se trata apenas de salvar o mundo e impedir que o inferno engula tudo; você se sente parte daquilo. Assumir o papel de bárbaro e enfrentar todo tipo de demônio me dava uma sensação de força sobrenatural”.
 
Diablo III

O estudante jogou a versão para PC quando ela foi lançada e também adquiriu a de console para colecionar. Ele acrescenta também que está ansioso pela nova expansão. “Quero muito testar a nova classe de personagem! A Blizzard fez mudanças muito boas, que vão melhorar muito o jogo”.

Prepare-se, porque Diablo III: Reaper of Souls está chegando. As principais novidades são a inclusão do Ato 5, que vai prolongar a história, e também a chegada de uma nova classe de personagem: o Cruzado. Assista ao vídeo e entenda o que está vindo por aí em breve:
 
SKYRIM: DAWNGUARD
Um dos jogos de RPG e aventura mais populares e consagrados ganhou algumas expansões, e Skyrim: Dawnguard faz o jogador mergulhar em uma série de novos conteúdos e opções que envolvem o sobrenatural. Desta vez, o aventureiro pode se transformar em um vampiro (com direito a visitar um castelo sombrio, cheio de coisas estranhas e um “rei vampiro”) e, claro, recebe diversas habilidades especiais, desde controlar servos até visão noturna aguçada.
Para o analista de sistemas Luciano Amaral, o jogo precisou conquistá-lo. “Sinceramente, eu fiquei com receio de jogar o Dawnguard. Sou muito fã de Skyrim e tenho inúmeras horas de jogo, mas a ideia de misturar todo o encantamento do [universo] medieval com vampiros e lobisomens me deixou em dúvida”. Luciano possui cerca de três jogos diferentes salvos, todos com mais de 50 horas de jogo, cada um seguindo uma linha de desenvolvimento e história diferentes.
“Depois de fazer as primeiras quests e transformar meu personagem, notei que eles souberam como incluir a temática sobrenatural muito bem. Agora Skyrim agrada não só aos fãs de RPG mais clássico, medieval, [com] dragões, mas também a quem curte o tema de vampiros e lobisomens. Eu confio na Bethesda, mas nessa eles me surpreenderam”, acrescenta.
Para alguns, misturar o medieval – e dragões – com vampiros não parecia uma boa ideia. Mas Skyrim tem uma gama tão variada de aventuras que… Por que não? Assista ao trailer para matar a curiosidade:
 
CASTLEVANIA
A série é uma das mais clássicas da Konami a abordar o tema sobrenatural – afinal, você não só encara seres sobrenaturais, mas também assume o papel de um. Seja na pele de Alucard, nos jogos mais antigos, ou até mesmo encarnando Gabriel, no mais recente jogo da série Castlevania: Lords of Shadow, onde o protagonista luta para tentar reviver sua falecida esposa e enfrenta criaturas sombrias, mesmo correndo o risco de se tornar uma.
A designer Carolina Kido joga Castlevania desde o Super Nintendo e se considera uma grande fã. “Eu gostaria que a Konami tivesse trabalhado com a mesma história dos jogos anteriores, não criado algo mais novo, quase que completamente paralelo. Sinto falta do Alucard! Mas o jogo, em questões gráficas, enredo e jogabilidade, é muito bom, envolvente mesmo. Mas fãs antigos sentem falta de algo do passado, né?”.
 
Castlevania: Lords of Shadow
DEMON’S SOULS
O grande ponto forte de Demon’s Souls não é apenas a temática sombria, mas também o fato de que é um jogo realmente difícil. Se você sentia falta de enfrentar inimigos à sua altura, que dão bastante dano e trabalho para serem derrotados, seja bem-vindo(a)!
O ambiente é sempre muito escuro, assustador e cheio de demônios e outras criaturas. Os chefes são incrivelmente difíceis e exigem muita estratégia e raciocínio para avançar. Ricardo Medina, estudante e fã de jogos de terror, afirma: “Foi o jogo mais difícil que joguei até agora. Passei muito nervoso não só pelo terror psicológico que ele causa, mas também por ter muitos momentos que duvidei se conseguiria ou não terminá-lo”.
 
Demon's Souls

THE SIMS 3 – SOBRENATURAL

Uma boa dica para quem quer encarar o sobrenatural de perto e gosta de jogar, mas tem medo dos games mais “hardcore”, é o jogo de simulação The Sims – Sobrenatural. Um clássico que encanta o mais variado público e tem até algumas peculiaridades, como as citadas nesta matéria.
Com a expansão Sobrenatural, é possível enfrentar e também viver na pele de uma criatura. Escolha entre vampiros, lobisomens, fantasmas, fadas, zumbis, bruxas e magos. Você pode modificar os traços do personagem para que seja uma bruxa do bem ou então um mago extremamente malvado – tudo depende de quem você quer encarar ou encarnar.
Para a estudante e gamer mirim Tatiana Rodriguez, de 12 anos, a expansão Sobrenatural é a sua favorita. “Sempre gostei muito de filmes e desenhos com fantasmas, vampiros, zumbis… E no jogo eu posso controlar tudo isso. E se eu cansar de ser um vampiro, tem até poção para curar isso, aí posso virar outra coisa, por exemplo”.
 
The Sims 3 – Sobrenatural
 
 
Recomendamos para você