Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Games 22.04.2013 22.04.2013

‘Bioshock Infinite’: “de mudança”

Por Míriam de Souza
 
Um céu azul com nuvens branquíssimas. Estátuas em poses gloriosas representando figuras ilustres. Dirigíveis circulando pelo ar e desviando de belas e imponentes torres. Esta é a cidade de Columbia, palco do novo Bioshock Infinite, game que chega ao Brasil na próxima semana.
No entanto, a aparência calma e paradisíaca não passa de ilusão: embates entre facções rivais transformaram Columbia em um lugar perigoso e em constante guerra civil.
Booker DeWitt, protagonista, tem como missão ir a Columbia e resgatar Elizabeth, uma garota que foi mantida prisioneira pela maior parte da vida. O game é de tiro em primeira pessoa, assim como os dois títulos anteriores da série. Mas as diferenças são muitas no terceiro episódio. Elas começam pelo cenário.
Em Bioshock, de 2007, e Bioshock 2, de 2010, o palco era a cidade submersa de Rapture. O local foi construído na década de 1940 como concretização da ideia de uma sociedade utópica. Mas o plano deu errado e, 20 anos depois, o personagem principal encontra uma situação de caos e moralidade “cinza”.
Agora a história se passa em 1912. Na realidade alternativa de Bioshock Infinite, a região foi construída pelo governo americano em 1901 com uma tecnologia especial para flutuar. Por causa de um incidente militar, foi separada do país de origem e se manteve isolada do resto da população do planeta.
As diferenças ideológicas entre habitantes logo fizeram surgir dois grupos principais, chamados Founders e Vox Populi. Grupo dominante em Columbia, os Founders querem que a cidade seja formada apenas por norte-americanos, excluindo os imigrantes e os que pertencem a outras etnias. Enquanto isso, o Vox Populi representa a população que sofre com a desigualdade social e política. Ambos os lados tomam medidas igualmente violentas e inaceitáveis durante o conflito.
Outra característica de Columbia são as confusões no espaço-tempo. Rasgos dimensionais aparecem frequentemente na região, causando mudanças momentâneas no cenário. A qualquer momento do jogo, por exemplo, pode começar a tocar uma música da década de 1980.
 
Booker DeWitt, o protagonista, tem como missão proteger a garota Elizabeth

A personagem Elizabeth tem a estranha habilidade de interagir com essas fendas espaço-temporais. Durante as batalhas, por exemplo, ela pode usá-las para que Booker se teleporte para trás de um inimigo.

Booker manipula armas de fogo e é controlado pelo player em uma perspectiva de primeira pessoa. Elizabeth, por outro lado, move-se apenas por inteligência artificial. Sua função é auxiliar o jogador durante as lutas.
Além de abrir os portais, a garota busca itens e dinheiro pelo cenário. Outra arma é o Skyhook, gancho usado para circular pelos cabos espalhados pela cidade, que funcionam como via de locomoção.
OS NOVOS INIMIGOS
A roupa de mergulho antiga e reforçada, as armas e, claro, a Little Sister por perto: estamos falando de Big Daddy, um inimigo famoso na série Bioshock. Eles são humanos geneticamente modificados que tiveram seus corpos acoplados a trajes de exploração submersa e emitem apenas grunhidos.
 
Sua missão é proteger as Little Sisters – garotinhas que são capazes de coletar uma substância importante no jogo. A relação de proteção entre os dois inimigos tornou-se popular entre os gamers.
 
Columbia é uma cidade flutuante que sofre com conflitos entre a população
Foi exatamente em função dessa popularidade que um Big Daddy faz parte de PlayStation All-Stars Battle Royale, jogo que reúne personagens famosos de franquias da Sony. No entanto, não há Big Daddies em Bioshock Infinite. O primeiro trailer deixou isso bem claro ao mostrar um traje de mergulho sendo esmagado. Isso foi feito para romper laços com os games anteriores e deixar os fãs imaginando o que viria pela frente.
Um dos inimigos mais estranhos da nova versão é um robô que foi construído em homenagem a George Washington. O primeiro presidente estadunidense é venerado pela população de Columbia como um deus. Mas um dos maiores oponentes aparece logo no começo. Chamado Songbird, ele é o encarregado de proteger Elizabeth em sua torre, como um guarda-costas. O robô lembra um pássaro e tenta de todas as maneiras recuperar sua protegida.
 
Veja o trailer do game Bioshock Infinite:
 
 
 
 
Recomendamos para você