Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Música 28.02.2014 28.02.2014

Bgirls: uma releitura feminina dos Beatles

Por Priscila Roque
 
“Eu comecei a ouvir Beatles um ano antes de formar a banda. Foi amor à primeira vista”, revela a estudante de música e composição Juliana Milasseno, vocalista e baixista das BGirls desde 2010. Antes disso, eram poucas as canções dos quatro garotos de Liverpool que tocavam em seu player. “Eu só ouvia o que era mais famoso, como ‘Help’, por exemplo. Não conhecia a banda”, diz.
 
Esses quatro anos de BGirls, ainda que com algumas mudanças na formação, renderam um repertório fortalecido por 60 músicas de diversas fases, compostas por John Lennon, George Harrison, Paul McCartney e Ringo Starr.
 
“Preferimos algumas do tipo ‘lado B’, não tão conhecidas, como ‘I Am The Walrus’, por exemplo. A galera curte bastante esse repertório, porque a maioria das bandas que toca Beatles faz um cover idêntico. É mais comum eles cantarem as mais famosas. Buscamos o que a galera não vai ver na noite. Fazemos um tributo, e não precisa ser tão fiel”, explica Juliana. Entretanto, ela garante: “Love Me Do”, “All My Loving” e “A Hard Day’s Night” também não ficam de fora.
 
No palco, Juliana, Aline Ali (guitarra e vocais), Bruna Neves (guitarra e vocais) e Michele Diaz (bateria) se preocupam em mostrar uma apresentação com personalidade. Por ser um grupo estruturado apenas por mulheres, elas estudam e criam versões que possam se adequar ao estilo, sem perder o brilho e a essência do trabalho original.
 
As BGirls mostram uma versão acústica para “I'm Down”
 
FANATISMO
 
Quase todas as integrantes se reuniram para prestigiar o show de Ringo Starr no Brasil e planejam cruzar o oceano para conhecer a terra natal de seus ídolos. “Ainda não pudemos ir, mas pretendemos conhecer esses lugares importantes para a banda. Está também nos nossos planos tocar por lá”, comenta Milasseno.
 
“Nós vamos para o ensaio ouvindo Beatles, saímos do show ouvindo Beatles… A gente até brinca com isso. Ouvimos toda hora! Não é um fanatismo tão grande, dá para lidar. Mas a gente tem uma série de coisas deles…”, declara.
 
BEATLE WEEK
 
Desde 2012, Belo Horizonte se transforma em um reduto de beatlemaníacos durante uma semana. A Beatle Week reúne grupos nacionais e internacionais que homenageiam os britânicos e conta com o apoio oficial do Cavern Club, de Liverpool.
 
No ano passado, as BGirls estavam entre as 25 atrações convidadas. “Foi a nossa primeira vez em um evento desse tipo. Conhecemos todos os tipos de gente. Saímos de lá até tristes. Queríamos ter passado um mês ali. Eram muitas bandas, muita gente de fora. Foi muito legal. Para este ano, eles já nos chamaram para voltar. É uma experiência única para fãs”, explica a vocalista.
 
Veja como ficou a versão da banda BGirls para “Eleanor Rigby”
 
DESAFIO X PRAZER
 
Reviver as canções de um nome com tamanho sucesso e projeção envolve uma grande responsabilidade. “Fazer as vozes é complicado e agradar ao público é um desafio. Como a gente não faz a música exatamente igual e não preza por aquela guitarra exatamente igual, nós tentamos contagiar as pessoas que estão ali, ao vivo, sendo um pouco diferentes e com a mensagem da banda”, salienta Juliana.
 
Porém, a resposta a esse esforço intenso – foram cerca de 45 shows no último ano – vem do próprio público. “Os shows são muito bons. Como eu trabalho em outras bandas de música autoral, percebo que a conexão com o público é diferente. Em um show de Beatles, é difícil que as pessoas não saibam cantar as músicas ou não vibrem junto. É muito emocionante! A energia que rola é sensacional”, completa.
 
Apresentação especial da banda BGirls
Beatles por elas em homenagem ao Dia Internacional da Mulher.
Onde: Espaço de Eventos Carlos Gomes – Saraiva Iguatemi Campinas – Av Iguatemi, 777, Vila Brandina, Campinas, SP
Quando: 9 de março de 2014, às 18h
Quanto: gratuito
Mais informações
 
 
Recomendamos para você