Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Filmes e séries 15.09.2014 15.09.2014

Astros de Hollywood aceitam o desafio de atuar e cantar

Por Fernanda Oliveira
 
Atuar e cantar ao mesmo tempo é definitivamente um desafio para atores e atrizes. Por isso, muitos deles acabam se dedicando ao desenvolvimento dessa habilidade e, assim, garantem espaço em produções musicais, como os famosos espetáculos da Broadway ou os grandes musicais cinematográficos de Hollywood.
 
No entanto, especificamente no cinema, muitos artistas trabalham o canto para um determinado papel. Não se trata de musicais, mas de filmes em que seus personagens se envolvem de alguma forma com a música. No longa Mesmo se Nada Der Certo, com estreia no dia 18 de setembro, é possível ver a atriz Keira Knightley nessa situação.
 
A britânica interpreta a cantora Gretta, que, logo ao chegar a Nova York, enfrenta o fim do namoro com Dave (Adam Levine, vocalista do Maroon 5), seu parceiro de composições. A partir daí, ela segue a vida na nova cidade cantando em bares, até conhecer o recém-demitido produtor musical Dan (Mark Ruffalo). Ele fica impressionado com o seu talento e procura ajudá-la a ter uma carreira de sucesso no mundo da música.
 
Dispensando dublagem, Keira se preparou, "soltou a voz" e, então, recebeu muitos elogios. O resultado foi tão bom que os produtores apostaram no lançamento de um lyric video da atriz cantando a música da trilha sonora "Lost Stars" para a promoção do longa.
 
Ouça Keira Knightley cantando "Lost Stars" no lyric video promocional de Mesmo se Nada Der Certo:
 

 
"Keira Knightley é uma excelente atriz; sua atuação em Orgulho e Preconceito (2005) foi marcante. Acredito que, se ela aceitou cantar, é porque sabia que era capaz e deu o melhor de si", diz Vanessa Ratton, docente de Arte Dramática do Senac Santos.
 
Segundo ela, atores com esse tipo de papel precisam ter muita dedicação. "Interpretar e cantar ao mesmo tempo exige mais da preparação vocal, da respiração, da concentração. Mas quando o ator tem técnica e talento vocal, ele fica mais completo. A tendência é do ator total, ou seja, que cante, dance e interprete".
 
A professora ainda ressalta a importância de o artista se propor a cantar quando o papel pede, como aconteceu com a britânica. "A interpretação da música ganha mais ênfase. É mais emocionante para o ator e para o público ver a interpretação do texto e da música pela mesma pessoa. Passa mais verdade".
 
Entre aqueles que passaram por esse processo e arrancaram elogios, pode-se destacar Joaquin Phoenix e Reese Witherspoon em Johnny e June (2005), filme sobre a vida do cantor Johnny Cash. Em 2006, a atriz até chegou a receber o Oscar, Globo de Ouro e BAFTA de melhor atriz pelo papel. Já Joaquin levou o Globo de Ouro de melhor ator no mesmo ano.
 
Adam Levine, vocalista do Maroon 5, estreia no cinema
Joaquin Phoenix e Reese Witherspoon atuam e cantam em cena do filme Johnny e June
 
Jamie Foxx já cantava antes de interpretar Ray Charles na cinebiografia Ray (2004). Mas é fundamental destacar o seu trabalho e sua dedicação na busca da mesma entonação de voz e performance musical do cantor. Uma atuação excepcional que fez com que Foxx recebesse o Oscar, Globo de Ouro e SAG Awards de melhor ator, no ano de 2005.
 
Diferentemente dos dois grandes sucessos de crítica e público citados anteriormente, Duets – Vem Cantar Comigo (2000) é uma comédia despretensiosa. No entanto, vale lembrar a cena de Gwyneth Paltrow cantando "Cruisin'". A atriz se saiu tão bem como cantora que a canção acabou ganhando as rádios.
 
Porém, o desafio não se restringe ao aprendizado, mas também ao "julgamento"; afinal, ao agregar o canto, o artista sai da sua zona de conforto e, então, expõe-se a algo novo. "O público não estará somente avaliando a sua interpretação da personagem, mas o seu perfil como cantor", finaliza Vanessa.
 
Confira o trailer de Mesmo se Nada Der Certo:
 

 
 
Recomendamos para você