Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Filmes e séries 30.08.2013 30.08.2013

As aventuras dramáticas de Ashton Kutcher

Por Edu Fernandes
 
Muitos atores que são reconhecidos por trabalharem em comédias buscam alguns papéis dramáticos para provar que possuem talento e versatilidade. Ashton Kutcher assume riscos espaçados nesse tipo de situação.
 
O ator encarna o personagem-título de Jobs, cinebiografia do fundador da Apple que chega aos cinemas brasileiros em 6 de setembro. É a primeira vez que o galã assume o papel de um personagem que existiu na vida real, mas já é a quinta oportunidade de seus fãs o verem protagonizando um drama.
 
Jobs acompanha a vida de Steve Jobs desde os anos 1970, quando ele ainda era universitário. O filme chega até o começo dos anos 2000, quando a Apple lançou o iPod e se firmou como grife tecnológica. O viés escolhido é o mercadológico, deixando em segundo plano a vida pessoal do empresário.
 
Para o papel, Ashton mudou seu modo de caminhar e adotou uma dieta baseada em frutas, similar à praticada por Steve. Com isso, o ator ficou mais magro e mais parecido com o personagem. Quando está mais velho, Kutcher usou maquiagem, peruca e barba para manter a similaridade com a famosa figura de Jobs durante as apresentações de novos produtos da empresa.
 
Ashton Kutcher ficou famoso por causa do sitcom That’ 70s Show (1998-2006) e conseguiu aliar seu trabalho televisivo com incursões cinematográficas, a maioria em comédias. Sua estreia em outro gênero foi na aventura Texas Rangers – Acima da Lei (2001).
 
Cena do filme Efeito Borboleta
 
No entanto, seu primeiro protagonista dramático foi em Efeito Borboleta (2004). Ele concedeu sinceridade a um enredo fantasioso, na pele de um homem com poderes sobrenaturais.
 
No filme, Evan descobre ter a capacidade de voltar no tempo para mudar fatos e influenciar acontecimentos futuros. Conforme faz novas viagens ao passado, tem de lidar com as consequências (positivas e negativas) de seus atos.
 
O trunfo do personagem é o altruísmo. Sempre que percebe que seu poder influenciou negativamente alguém que ele ama, Evan volta no tempo mais uma vez para tentar corrigir o fluxo.
 
Em 2006, seu trabalho na TV acaba e Ashton embarca em dois dramas. Ele interpreta um hippie no drama político Bobby, sobre o último dia de vida do senador Kennedy. Trata-se de um coadjuvante.
 
Cena do filme Anjos da Vida – Mais Bravos que o Mar
 
Em Anjos da Vida – Mais Bravos que o Mar (2006), Kutcher é o personagem principal. Ele vive um campeão de natação que se matricula no treinamento para a Guarda Costeira. As aulas são duras, mas o tutor (Kevin Costner) é pior. A mistura de admiração e disputa entre professor e aluno é a força motriz do roteiro.
 
Três anos depois, o ator se volta novamente para dois dramas. Dessa vez, ele é o protagonista em ambas as produções. Em Por Amor (2009), contracena com Michelle Pfeiffer. O filme sobre luto e superação teve pequena repercussão e foi lançado diretamente para entretenimento doméstico.
 
Cena do filme Jogando com Prazer
 
Por outro lado, Jogando com Prazer (2009) teve mais destaque. Para interpretar um bon vivant, Ashton fez uso de seu sex appeal e mudou sua entonação vocal. Nikki é um desempregado que passa sua vida a conquistar mulheres ricas que o sustentam em troca de favores sexuais.
 
O longa se foca no campo sensual com cenas picantes. O drama pessoal se faz presente quando Nikki conhece a garçonete Heather (Margarita Levieva) e começa a reavaliar seus valores.
 
Para o futuro, Kutcher só tem em vista a mais nova temporada do sitcom Two and a Half Men. Pelo seu histórico e pela boa recepção de sua performance em Jobs, não é difícil imaginar outros papéis dramáticos pelo caminho.
 
Veja o trailer de Jobs:
 

 
 
Recomendamos para você