Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo HQ 15.08.2012 15.08.2012

Animes e suas transformações ao longo das décadas

Por Priscila Roque
 
Se fossem acrescentados mais 100 anos à história da animação japonesa, como você imaginaria os desenhos ou os tradicionais personagens? O avanço tecnológico, sem dúvidas, prevaleceria. Entretanto, o currículo do gênero tem sofrido com a censura sobre seus criadores, e as mudanças na sociedade japonesa deste século podem levar a transformações marcantes ao longo das próximas décadas.

“Acredito que as principais mudanças virão de uma exploração artística do novo mundo que está nascendo no século XXI. Nesse tempo, espero animes que abordem as novas relações sociais, a dinâmica de um planeta superpovoado e com acesso fácil a informações, e mudanças climáticas”, disse André Castro, que acompanha essas animações desde 1994.

O cenário atual é bastante pautado pelo mangá e por alguns games. Desse modo, os animes são produzidos a partir de tramas já conhecidas pelo público e que ganham vida na TV ou nos DVDs. Isso porque, hoje em dia, os chamados “home vídeos” também são pouco consumidos. As narrativas originais, geralmente, são focadas para o mercado cinematográfico japonês.

“O processo inverso, em que a obra original feita para a TV fez tanto sucesso que virou mangá, jogo ou livro, acontece. Temos três casos atuais bem relevantes, que são as séries Code Geass, Mahou Shoujo Madoka Magica e Tiger & Bunny”, afirma Evilásio Costa Junior, que mantém um blog especializado no assunto, o Anime Portfolio.

COMO TUDO COMEÇOU

No início do século passado, os primeiros filmes de animação foram exibidos no mundo, com berço nos Estados Unidos e na França. Essas criações chegaram aos cinemas japoneses e despertaram reações nas companhias locais, como a Tennenshoku Katsudo Shashin.

 
Tiger & Bunny: uma história do século XXI
Em 1916, o estúdio convidou o quadrinista Oten Shimokawa para produzir profissionalmente aquela que seria a primeira animação japonesa exibida de maneira comercial, Imokawa Mukuzo Genkanban no Maki. Na época, o jovem tinha 26 anos e já era conhecido pelos cartoons com cunho político e os mangás que desenvolvia.
 
A partir de então, as técnicas para o gênero começaram a ser desenvolvidas e, por meio de investimentos, novos equipamentos chegaram ao Japão. Com inspirações em muitas histórias em quadrinhos locais e até alguns projetos educativos, o anime alcança o público geral.

Dando um enorme salto na história, chegamos à metade do século XX, quando é inaugurado o Toei Animation, maior estúdio de animação japonesa do mundo – em atividade até os dias de hoje. Atualmente, a empresa acumula cerca de 150 animes, entre séries para TV e longas-metragens. Nessa lista estão: Cyborg 009 (1968), Candy Candy (1976), Dragon Ball (1986), Cavaleiros do Zodíaco/Saint Seiya (1986), Sailor Moon (1992) e As Meninas Super Poderosas Geração Z (2006).

AS TRANSFORMAÇÕES DO SÉCULO XX PARA O XXI

Um grande marco do anime foi o lançamento da série Astro Boy (Tetsuwan Atomu), em 1963. A partir de então, por todo o resto do século XX, o gênero ganhou terreno e se fixou no cotidiano dos japoneses, tanto na televisão quanto no cinema. Nessa época, houve o surgimento dos grandes estúdios, responsáveis pelo sucesso das animações, onde a experimentação era uma de suas principais características.

“No século XX, menos séries eram produzidas; porém, elas duravam logos períodos. Houve também o boom dos OVA (Original Video Animation) – animações criadas para o mercado de ‘home vídeo’. A sociedade japonesa passava por um período um pouco mais liberal e, claro, tudo isso foi acompanhado pelo mercado dos quadrinhos, sempre ligado ao de animações”, explica Evilásio.
Entretanto, poucos estúdios chegaram ao século XXI com a mesma fama. A primeira década foi marcada por uma espécie de padronização do que era exibido. “Uma onda mais moralista fez com que as séries fossem cada vez mais censuradas. Hoje, há muito mais séries e filmes lançados que no século passado; porém, as séries, que antes tinham de 30 a 60 episódios, ou mais, atualmente não passam de 26. Além disso, surgiu também a divisão de lançamentos por temporadas – cada uma relacionada a uma estação do ano”, ressalta Evilásio.
 
Encontro de fãs Clube do Anime com o blog Anime Portfolio
Em sua terceira edição, convidamos vocês para um bate-papo sobre as diferenças entre as séries do século passado e deste século, as mudanças que aconteceram ao longo do tempo, o que era febre nos anos 80/90 e o que é hoje.
Onde: Saraiva do Shopping Iguatemi, em Fortaleza – CE
Quando: 19/8, domingo às15h
 
 
Recomendamos para você